Lanternas Verdes 80 Anos: Celebração quebrada por um pecado mortal

Vamos celebrar os 80 anos dos Lanternas Verdes! Mais exatamente, da criação de Alan Scott, o primeiro dos guerreiros esmeralda, concebido em 1940 por Martin Nodell e pela maestria criativa do autor Bill Finger.

Neste mês de junho, mais exatamente no dia 24, a DC colocará no mercado a HQ especial Green Lantern 80th Anniversary 100-Page Super Spectacular #1, com diversas histórias novas produzidas para celebrar a mitologia espacial dos guerreiros esmeralda e, claro, da criação de Alan Scott. Diversos criadores que imortalizaram seus nomes no mercado escrevendo ou não estes personagens, criaram histórias inéditas para este quadrinho.

Estarão nele nomes como os de: Geoff Johns, Mariko Tamaki, Peter Tomasi, Jeff Lemire, Robert Venditti, Dennis O’Neil, Sina Grace, Charlotte Fullerton, Ron Marz, James Tynion IV, Ivan Reis, Fernando Pasarin, Darryl Banks, Mike Grell, Rafa Sandoval, Matt Taylor, Neal Adams, Liam Sharp, Nicola Scott, Doug Mahnke, David Finch, Philip Tan, Jim Lee

Capa da celebração de 80 anos dos Lanternas Verdes. Arte de Matt Taylor.
Capa da celebração de 80 anos dos Lanternas Verdes. Arte de Matt Taylor.

São grandes nomes, muitos deles com um legado de respeito na mitologia do personagem. Mas repararam que falta um dos nomes mais importantes da história do Lanterna Verde nessa lista? Onde está Gerard Jones, o cara que:

– Criou: Boodika, Amanita, Kworri, Laham, Brik, Tomar-Tu, os Pumice People e Obsidian Folk, as Criptas dos Lanternas Verdes, Tomy-Fai, Squagga e outros;

– Escreveu: Green Lantern (Vol. 3) #1–47, Green Lantern: Emerald Dawn I #2–6, Green Lantern: Emerald Dawn II #1–6, Green Lantern: Mosaic #1–18, Green Lantern Corps Quarterly #1-6, Guy Gardner: Reborn #1–3, Guy Gardner #1–10.

Mesmo com uma quantidade grande de fãs, os Lanternas Verdes eram uma franquia “perdida” no fim dos anos 1980. Gerard Jones conseguiu dar relevância para ela novamente ao assumir o controle de tudo em 1990, trabalhando primeiramente o núcleo terrestre formado por Hal Jordan, John Stewart e Guy Gardner. Em seguida, reformulou os Guardiões do Universo e a própria Tropa dos Lanternas Verdes, tornando-se referência no assunto.

Capa de Green Lantern: Mosaic #1 por Brian Stelfreeze.
Capa de Green Lantern: Mosaic #1 por Brian Stelfreeze.

É verdade que muita coisa aconteceu com os personagens no momento em que Jones começou a fazer a transição para o próximo escritor da franquia (Ron Marz), mais ainda quando Geoff Johns foi o escolhido da DC para revitalizar os Lanternas com todo seu potencial, nos anos 2000. Entretanto, Jones teve uma colaboração fundamental para a retomada dos Lanternas nos anos 1990 e aprofundou John Stewart como poucos. Não só na própria revista Green Lantern, mas também no spin-off dedicado exclusivamente a Stewart. Green Lantern: Mosaic levou o herói para um mundo estranho, formado por diversas cidades perdidas da galáxia, onde ele conseguiu conviver melhor com seus conflitos e aprender muito sobre sua identidade.

Com arte de Cully Hamner, este título infelizmente durou apenas 18 edições, mas todas recheadas da marca registrada dos Lanternas Verdes em seu ambiente cósmico e da estranheza dos primeiros anos da Vertigo, que estava nascendo naquela época. Inédito no Brasil, o material vale muito a pena.

Lanternas Verdes estilo Vertigo. Arte de Cully Hamner.
Lanternas Verdes estilo Vertigo. Arte de Cully Hamner.

Por que a DC resolveu tirar Jones da celebração? Nós sabemos a resposta: em 2016 o autor foi preso, acusado de distribuir pornografia infantil na internet. Em 2018 ele foi condenado e preso, sentenciado a seis anos de cadeia, cinco de liberdade condicional e a pagar um valor não revelado às vítimas de suas ações. Triste ver um talento como ele se envolver com algo tão criminoso e doentio. Ainda que haja – e que seja necessário – tratamentos diversos para pedófilos, sabemos que perdoar quem comete atos assim é muito difícil. Nos machuca também.

Mas isso deveria ser um impeditivo para a DC nunca mais reimprimir material do autor? Sim, claro. Não há dúvidas. Estamos falando de um pedófilo. Porém, a editora poderia se colocar numa posição mais justa, se quisesse, e imprimir material do autor, doando os royalties das vendas para instituições que cuidam de crianças abusadas. Seria uma atitude e tanto de um conglomerado do entretenimento.

Mas sabemos que isso não vai acontecer.

Uma nova fase para os Lanternas Verdes nas mãos de Gerard Jones. Arte de Pat Broderick.
Uma nova fase para os Lanternas Verdes nas mãos de Gerard Jones. Arte de Pat Broderick.

E talvez seja melhor. Mesmo ajudando instituições, muita gente questionaria a atitude. Com razão. Todavia, a verdade é que Jones foi inestimável para os Lanternas Verdes e é triste saber que suas ações não permitem que tenhamos mais contato com algumas das melhores partes de sua contribuição para o mito.

A sinopse de Green Lantern 80th Anniversary 100-Page Super Spectacular #1 diz:

No dia mais claro, na noite mais densa, o mal sucumbirá ante a minha presença! Os Lanternas Verdes estão comemorando 80 anos mantendo o Universo DC seguro. Junte-se a nós para ver histórias dos Lanternas Verdes mais lendárias do universo: Alan Scott, Hal Jordan, John Stewart, Guy Gardner, Kyle Rayner, Jessica Cruz, Simon Baz e aparições de outros cósmicos heróis! Uma formação lendária de criadores, incluindo Geoff Johns, Peter J. Tomasi, Jeff Lemire, Ivan Reis e outros, manterá a galáxia brilhando!

WP Twitter Auto Publish Powered By : XYZScripts.com