Amálgama #017 – O que aconteceu na Marvel e na DC nesta semana

Bem-vindos à nova edição de Amálgama! Nesta seção você encontra resumões dos principais eventos da semana nos quadrinhos Marvel e DC, publicados às quartas-feiras nos Estados Unidos. Nesta semana, para quadrinhos lançados em 17/10/2018, Igor Tavares e Morcelli falam de:

  • Justice League #10
  • Aquaman #41
  • Lucifer #1
  • Marvel Zombie #1
  • Shuri #1
  • Life of Captain Marvel #4

Vamos lá?

Justice League #10 & Aquaman #41 (Scott Snyder & Dan Abnett / Francis Manapul & Lan Medina)

Impossível não falar das duas revistas de uma vez, já que elas dão início ao arco Drowned Earth. Falamos dele aqui quando foi anunciado. Nas duas edições o leitor é preparado para testemunhar a invasão de seres marítimos alienígenas na Terra. Ou seja, a saga parte do princípio que planetas habitados possuem seres oceânicos poderosos, como Aquaman e cia., e os coloca na posição de invasores. Pode parecer uma proposta maluca, mas até agora ela funcionou.

Ambas as edições funcionam como introdução para o evento, que começa oficialmente no especial Drowned Earth #1. Ela será lançada no Halloween, ou seja, dia 31 deste mês. Enquanto isso, nos dois prólogos que fazem parte desta resenha, pudemos ter uma boa ideia do que vem por aí.

Capa de Justice League #10, destaque do Amálgama de hoje. Arte de Francis Manapul.
Capa de Justice League #10, destaque do Amálgama de hoje. Arte de Francis Manapul.

Tanto Snyder como Abnett lidam bem com os primeiros acontecimentos da tragédia. Colocam os heróis em busca do passado da Atlântida e explicam bem a invasão e suas motivações. Além disso, eles são apoiados por um time artístico de primeira, com destaque crucial para Francis Manapul. O homem é um monstro! Qualquer coisa abaixo de estupendo não define a arte que ele fez em Justice League #10.

Ótimo início de saga, com personagens críveis e eventos interessantes.

Lucifer #1 (Dan Watters / Sebastian & Max Fiumara)

Lúcifer está de volta em sua própria revista. Nem faz tanto tempo assim que isso aconteceu, já que a Vertigo investiu nele novamente após a estreia e sua série de TV na Fox. Aliás, uma série que tem pouquíssima relação com as iterações do personagem nos quadrinhos do selo, mas vá lá.

Nesta nova HQ, de Dan Watters, Lúcifer sumiu. Embarcou em uma jornada para encontrar a mãe de seu filho abandonado, e foi aprisionado e aleijado por forças misteriosas. Ou seja, trata-se de uma proposta bem diferente da antiga Lúcifer, feita por Mike Carey, em tempos em que Sandman, de Neil Gaiman, ainda saía regularmente. Sim, Zeronautas, faz tempo!

Capa de Lucifer #1 por Jock.
Capa de Lucifer #1 por Jock.

Este reboot de fato oferece uma mudança drástica para o que conhecíamos deste personagem. Está claro que tudo no selo Sandman Universe quer levar a criação de Gaiman adiante, rumo ao novo, mas Lucifer #1 é a que mais levou isto a sério até agora. Watters explora a mais recente queda do Portador da Luz com boa combinação entre horror e entretenimento. A nova existência do protagonista é tortuosa, parecida com a de um maluco perdido, mas o ponto é esse mesmo. O Portador da Luz está em seu próprio Inferno, o que dá ao leitor uma razão diferenciada e curiosa para acompanhar este título.

A narrativa é dividida entre eventos importantes para esta primeira história, e os artistas Max e Sebastian Fiumara, apoiados pelo incrível colorista Dave McCaig, fazem um trabalho muito bom.

Marvel Zombie #1 (W. Maxwell Prince / Stefano Raffaele)

Surpreendemente, a Marvel lançou, nesta semana, uma edição única muito interessante protagonizada não por versões zumbis de seus personagens, mas por um antigo personagem vindo diretamente dos primórdios da editora. Simon Garth, o zumbi com consciência humana, concedida através de um amuleto místico, vive na Nova York devastada pela praga dos mortos vivos. Um pequeno grupo de humanos sobrevive a muito custo com a ajuda de heróis como Viúva Negra, Demolidor, Garota Lua, Gaviã Arqueira e Homem Aranha e com eles o garoto Donny.

Capa de Marvel Zombie #1 por Juan E. Ferreyra.
Capa de Marvel Zombie #1 por Juan E. Ferreyra.

Esta é a história de horror e tragédia de uma amizade formada entre Donny e Simon. O autor da incrível Ice Cream Man da Image. W. Maxwell Prince mistura aventura, horror e sensibilidade macabra nesta edição despretensiosa que ainda tem uma arte bastante adequada para a temática de zumbis feita por Stefano Raffaele.

Shuri #1 (Nnedi Okorafor / Leonardo Romero)

Respeitando completamente toda a bagagem histórica da personagem, que ganhou destaque através do filme de Ryan Cogler e da passagem de Ta-Nehise Coates pelo Pantera Negra, Nnedi Okorafor dá o pontapé inicial para as aventuras solo de Shuri, a princesa de Wakanda. Convenientemente, TChalla se encontra em uma missão fora do planeta e aqui podemos ver a personagem sem intervenções ou associações ao Pantera Negra. À exceção de uma cena inicial de despedia na qual a autora também pontua a atração de Shuri pelo mutante Manifold, o gibi é 100% da protagonista e Okorafor deixa claríssimo diferenciando muito bem ela de seu irmão seja em mentalidade, poderes e modus operandi.

Capa de Shuri #1, outro destaque do Amálgama, por Sam Spratt.
Capa de Shuri #1, outro destaque do Amálgama, por Sam Spratt.

A interação de Shuri com os seus antepassados é muito bem trabalhada e o roteiro de Nnedi é cinético e referencial na medida certa para não cansar leitores novos. A arte do brasileiro Leonardo Romero é extremamente cuidadosa com cenários e caracterização de elenco e merece ser apreciada lentamente pelo trabalho que foi feito. Além disso Leonardo capricha bastante nas cenas de ação e temos aqui uma estreia muito forte que respeita tudo que esta personagem já passou e propõe elevá-la a um protagonismo 100% próprio.

Life of Captain Marvel #4 (Margaret Stohl / Carlos Pacheco & outros)

Margaret Stohl dá talvez a maior contribuição para a construção de uma mitologia original e identitária para Carol Danvers na quarta edição de Life of Captain Marvel. A Capitã que sempre teve uma origem mega genérica em todos estes anos de quadrinhos, mas ela finalmente ganha na forma desse retcon (do bem) algo que a torne diferente e única como heroína.

Capa de Life of Captain Marvel #4 por Julian Totino Tedesco.
Capa de Life of Captain Marvel #4 por Julian Totino Tedesco.

A minissérie de Stohl com arte de Carlos Pacheco já vinha fazendo um trabalho excelente trazendo Carol para sua infância e criando laços familiares independentes do elenco de super heróis da editora. Agora o time criativo relaciona finalmente esta família a mitologia de Hala e dos Kree em uma edição extremamente bem escrita e desenhada, que marca um ponto de partida ideal para qualquer leitor que queira conhecer esta personagem.


O que você leu de Marvel e DC nesta semana, Zeronauta? O que mais gostou? Comente abaixo, e até a próxima Amálgama!

WP Twitter Auto Publish Powered By : XYZScripts.com