Amálgama #006 – O que aconteceu na Marvel e na DC nesta semana

Bem-vindos à nova edição de Amálgama! Nesta seção você encontra resumões dos principais eventos da semana nos quadrinhos Marvel e DC, publicados às quartas-feiras nos Estados Unidos. Nesta semana, para quadrinhos lançados em 18/07/2018, Igor Tavares e Morcelli falam de:

  • Batman #51
  • Injustice vs. Masters of the Universe #1
  • Infinity Countdown #5
  • Life of Captain Marvel #1
  • Cable #159

Vamos lá?

Batman #51 (Tom King / Lee Weeks)

Batman #51 vem na esteira dos eventos do casamento do Morcego com a Mulher-Gato. O matrimônio entre eles foi frustrado pelo plano de ataque psicológico do vilão Bane, e agora cada um deve seguir seu caminho – pelo menos por enquanto. Logo, o escritor Tom King deu início a um novo arco de histórias nesta última quarta-feira. Mas de um jeito um pouquinho diferente do que vinha fazendo até aqui.

Tudo é contado de forma não linear. Batman (Bruce Wayne) teve uma batalha extremamente agressiva com o Sr. Frio, a ponto de quase matá-lo. O vilão, por sua vez, foi capturado de forma tão agressiva porque é o principal suspeito de ter matado três mulheres. No presente, Bruce Wayne é escolhido como membro do júri que vai julgar o caso. Portanto, Dick Grayson assume o manto do mentor. Gordon nota a diferença.

Batman #51 por Lee Weeks.
Batman #51 por Lee Weeks.

Wayne dá sinais claros de estar beirando a insanidade e os limites de sua própria frustração após a ausência de Selina Kyle no momento do matrimônio. Sua violência para com o Sr. Frio e a cena no banheiro do tribunal mostram isso muito bem.

King continua explorando diferentes facetas da humanidade de Bruce. Desta vez as consequências podem ser maiores, já que há riscos de o Batman ser caçado mais uma vez por suas ações ilegais, além de ter de responder por tamanha brutalidade. Não é nada novo para quem lê histórias do herói com regularidade, mas King executou esse primeiro capítulo muito bem. Com seu estilo. E a arte espetacular de Lee Weeks não faz mal a ninguém, certo?

Injustice vs. Masters of the Universe #1 (Tim Seeley / Freddie Williams II)

Tim Seeley encontrou uma boa forma de dar continuidade ao universo de He-Man e Os Mestres do Universo: fazer crossovers com outras propriedades que estejam à disposição da DC. Foi assim em 2016 com os Thundercats, e o feito se repete agora com o universo do jogo Injustiça: Deuses Entre Nós. Esta não é a primeira vez que He-Man e os super-heróis da DC se encontram, mas é a colisão inicial com as versões de Injustiça.

Capa de Injustice vs. He-Man and the Masters of the Universe #1 por Freddie Williams II.
Capa de Injustice vs. He-Man and the Masters of the Universe #1 por Freddie Williams II.

Continuando exatamente de onde parou o encontro com os Thundercats, Seeley, auxiliado pelo desenhista Freddie Williams II (que faz um trabalho competente na edição), mostra He-Man derrotando o Faker e reassumindo a glória de Etérnia, ainda que sua imagem perante a população seja questionada. Contudo, antes que a reconstrução possa começar, Adam recebe o chamado dos heróis da Terra para que os ajude a derrubar a tirania do Superman. Como símbolo da esperança do universo, ele aceita a aventura.

Logo na primeira edição já fica claro que há forças sombrias, traições e reviravoltas esperando por Adam. Como Seeley dará cabo delas é que vai ditar a qualidade do resto da minissérie. Por enquanto ela teve um bom início, explicando o suficiente sobre cada universo para leitores novatos e apresentando por que a história existe. Trabalho simples, mas divertido e bem feito.

Infinity Countdown #5 (Gerry Duggan / Mike Hawthrone / Aaron Kuder)

A contagem regressiva para as novas Guerras do Infinito na Marvel acabou esta semana. O prólogo de Gerry Duggan, Mike Hawthorne e Aaron Kuder nos mostra principalmente que as pedras (antes jóias) do infinito nesta nova realidade do Universo 616 pós-Guerras Secretas são muito mais imprevisíveis do que as suas encarnações anteriores.

Capa de Infinity Countdown #5 por Nick Bradshaw.
Capa de Infinity Countdown #5 por Nick Bradshaw.

Duggan também define uma improvável nova Guarda do Infinito – os portadores de cada joia são Adam Warlock, que recuperou a da alma de um Ultron enlouquecido; Peter Quill, que obteve a joia do poder após uma guerra entre os Raptores e os Chitauri; Doutor Estranho, que roubou a joia do tempo do Superskrull em seu novo título escrito por Mark Waid; uma ressuscitada Viúva Negra, com a joia do espaço escondida na Terra; Capitã Marvel, guardando a joia da realidade (esta que ficou escondida por um tempo em uma realidade alternativa); um improvável Metalóide, vilão de quarta classe da Marvel, tentando usar a joia da mente para ganhar dinheiro em Nova York.

Duggan não faz um trabalho muito bom em 5 edições. O roteiro de Countdown foca nos Guardiões e em Warlock. Portanto, as outras joias não tem muito d/estaque e isso, ao final de um prólogo, pesa negativamente. De qualquer maneira, a leitura tem certo valor, pelo menos para situar algum leitor que pretenda entrar um pouco desavisado na saga que começa na semana que vem.

Life of Captain Marvel #1 (Margareth Sothl / Carlos Pacheco)

Antes de mais nada, isso aqui não é um quadrinho de super-herói. Felizmente…

A Capitã Marvel é reconhecidamente (até pela própria autora Margareth Sothl, que escreveu este título e os últimos 2 anos de seu quadrinho) a coadjuvante mais poderosa dos Vingadores. Mesmo com a passagem memorável de Kelly Sue DeConnick, que redefiniu Carol Danvers e criou todo um nicho de audiência para a Capitã (o chamado Carol Corps), temos de reconhecer que o grande público não se importa muito com esta heroína. A missão de Stohl, portanto, neste quadrinho, é nos mostrar quem é Carol Danvers além da piloto, líder dos Vingadores e da Tropa Alfa, portadora da joia da realidade e protetora da galáxia. Para isso a autora nos leva para a cidadezinha de Harpswelll, no Maine, para conhecermos quem era Danvers antes de ser Danvers.

Capa de Life of Captain Marvel por Julian Totino Tedesco.
Capa de Life of Captain Marvel por Julian Totino Tedesco.

Após um ataque de ansiedade e ira em meio a uma missão com os Vingadores, Carol decide dar um tempo e retornar a seu refúgio para rever sua mãe e o irmão mais velho. Lá ela vai relembrar coisas, descobrir segredos de família há muito enterrados e se reconectar com pessoas que ela escolheu esquecer. É uma sessão de terapia para uma personagem que passou mais da metade da vida espancando vilões, mas negligenciou os próprios problemas internos. Agora é hora de se tratar.

Cable #159 (Zac Thompson & Donnie Nadler / German Peralta)

A passagem relâmpago da dupla de autores Zac Thompson e Donnie Nadler pelo quadrinho de Nathan Summers parecia somente tapa buraco após a saída de James Robinson e Ed Brisson do título. Felizmente, as cinco edições finais escritas pela dupla fizeram mais pelo mutante viajante do tempo do que as 15 anteriores.

Capa de Cable #159 por Daniel Warren Johnson.
Capa de Cable #159 por Daniel Warren Johnson.

O arco chamado Past Fears, que termina na edição publicada nesta semana, reconcilia Cable com todo e seu passado e futuro, apresenta de forma muito honesta a confusa história do personagem, reestabelece o bonito laço paternal com Hope Summers e dá uma profundidade maior ao aspecto do vírus tecnorgânico que é parte intrínseca de Cable. Um passeio por todas as fases mais memoráveis do personagem, referências muito boas a tudo que faz de Cable o Cable e um final que deixa um sabor agridoce para o leitor que gosta das histórias do Akanison. Nós queríamos mais. Infelizmente o título foi descontinuado por enquanto.

PS: Lembrando que Cable 159 é o primeiro prólogo de Extermination, nova saga mutante que promete organizar a bagunça temporal nos títulos dos X-Men agora já em agosto.


O que você leu de Marvel e DC nesta semana, Zeronauta? O que mais gostou? Comente abaixo, e até a próxima Amálgama!

WP Twitter Auto Publish Powered By : XYZScripts.com