Stan Lee: O longo caso dos aproveitadores contra Stan “The Man” Lee

Nos últimos meses, todos fomos, de alguma forma, expostos a notícias envolvendo Stan Lee. Sejam comentários sobre seu cada vez mais frágil estado de saúde, o surgimento de acusações de que ele teria se aproveitado de enfermeiras que cuidam dele em sua idade avançada ou os mais recentes problemas envolvendo empresários e revendedores de colecionáveis do lendário ícone dos quadrinhos. Passados esses meses todos, viu-se que as acusações de abuso sexual não se sustentaram. Além disso, o cocriador de Homem-Aranha, Quarteto Fantástico, X-Men e Vingadores está passando pelo período mais sombrio de sua longeva vida.

De todas as coisas chocantes reveladas sobre a vida íntima de Stan Lee, as recentes revelações publicadas nesta semana pelo The Hollywood Reporter foram as mais impactantes entre os fãs. Diversos veículos de comunicação, tanto sites especializados quando a mídia comum, reportaram sobre o que parece ser uma intriga digna de super vilões. Coube ao THR traçar o mais detalhado, e preocupante, retrato da tragédia que parece ter tomado conta da vida de Lee. As reações também são diversas, mas há um consenso de preocupação entre fãs para com o homem nascido Stanley Lieber.

Longe de estar morrendo com pouquíssimo dinheiro, a exemplo de seus parceiros de criação da Marvel, como Jack Kirby, Lee não é tão rico quanto se imaginava. Principalmente devido à má administração financeira. Esta, quase sempre, conduzida por terceiros que estavam mais interessados em se aproveitar de Lee do que ajudá-lo.

Todd McFarlane e Stan Lee encontraram-se recentemente na casa do veterano quadrinista. A foto foi compartilhada pelo próprio Todd em seu perfil oficial no Facebook.
Todd McFarlane e Stan Lee encontraram-se recentemente na casa do veterano quadrinista. A foto foi compartilhada pelo próprio Todd em seu perfil oficial no Facebook.

O caso é bem complexo, e a matéria do THR é gigantesca. Contudo, o cerne dela envolve um quarteto de três homens e uma mulher (santa ironia, Batman!): a filha J.C. Lee, única que Stan Lee teve com sua esposa Joanie, Keya Morgan, Jerry Olivarez e Max Anderson. Lee assinou um documento em fevereiro indicando os três homens como “mal-intencionados”:

Keya Morgan: é revendedor de colecionáveis bem conhecido no mercado, tendo comercializado itens de gente como Michael Jackson e Marilyn Monroe, e agora é o principal responsável pelo que Stan possui. Quer fazer uma filme-biografia do quadrinista;

Jerry Olivarez: florista que virou publicitário que virou responsável e conselheiro do ícone. Foi “excomungado” de sua vida depois de discutir com Morgan e Max Anderson, após acusá-lo de agir de forma antiética. Ele iniciou uma campanha para acabar com a presença dos dois na vida de Lee;

Max Anderson: Há muitos anos o empresário de turnês de Lee e proprietário de um museu itinerante do quadrinista, que agora está no centro da controvérsia. Ele acusa Morgan e J.C. de ter sido acuado por questões de influência sobre os ativos de Lee. Segundo ele, isso aconteceu principalmlente porque Morgan começou a vazar seus registros de prisão – Anderson foi preso há alguns anos por violência domiciliar, ficando três anos na cadeia.

No meio deste trio, mas envolvida com Morgan, a filha J.C. já abusa verbalmente do pai (e fez o mesmo com a mãe) há muitos anos, tudo para obter dinheiro. Algumas dezenas de milhares de dólares, no caso, geralmente em créditos no cartão, segundo o próprio Lee, no documento de fevereiro, que visa dar um destino mais correto ao futuro de seu espólio. Curiosamente, Lee negou que o fato a seguir tenha ocorrido, mas foi registrado em fotos e documentos, que J.C. chegou a bater nos pais em um caso em 2014 ao descobrir que um carrão que estava na garagem dos dois não era para ela; Joanie ficou com uma marca feia no braço e Stan, na nuca, tendo sido jogado ao chão pela filha.

O estranho quarteto responsável pela vida de Stan Lee atualmente. Infográfico feito pelo THR.
O estranho quarteto responsável pela vida de Stan Lee atualmente. Infográfico feito pelo THR.

O pai alega que ela sempre teve problemas emocionais e a trata com carinho mesmo com todos os maus-tratos que sofre (sendo que ela própria já tem 67 anos). A matéria do THR afirma que J.C. teve uma infância mimada e milionária, e já escreveu sobre este período, dizendo que sua vida toda foi uma batalha “das pessoas contra ela”, daquelas que “fazem mal para ela e dela tentando se defender”. Ela chegou até a dizer que sonha em um dia ser dona da Marvel, o que demonstra a carga megalomaníaca e irreal de sua personalidade.

Sobre os outros, Olivarez foi destituído do cargo que ocupava ao ser acusado de assinar um cheque de 300 mil pra si mesmo a fim de comprar um apartamento. Olivarez, no entanto, afirma que a compra foi feita a pedido do próprio Stan, que queria o amigo morando num lugar mais próximo e mais seguro. E as coisas com ele não acabam por aí.

No começo deste mês, soube-se que o mesmo Olivarez coletou ampolas do sangue de Stan (!) para ser misturado a uma tinta especial com o objetivo de fazer com que o quadrinista assinasse algumas HQs da Marvel com um atestado superespecial de autenticidade. Negando o roubo e alegando que o Lee estava por dentro (e a favor) de todo o procedimento, Olivarez acredita que Morgan esteja inventando boatos sobre os roubos – e é aí que entra a história dele com Anderson.

Pantera Negra com sangue de Stan Lee.
Pantera Negra com sangue de Stan Lee.

Na mesma época em que Lee assinou o documento supracitado, Anderson foi acusado (por Morgan e J.C.) de roubar alguns itens, além de parte do dinheiro arrecadado em convenções. Isso fez os dois organizarem a mais recente aparição de Stan em convenções, tirando Anderson da jogada de vez depois de muitos anos. Cercada de polêmicas e mostrando um quadrinista exausto, a participação de honra na Silicon Valley Comic Con foi a gota d’água para fãs e jornalistas, que estão indignados com a forma como Stan vem sendo tratado por aqueles que o cercam.

Curiosamente, foi o próprio Morgan que fez a denúncia contra Anderson. Lee, por sua vez, há poucos dias lançou um vídeo cuidadosamente gravado e narrado alegando que ele é seu melhor amigo, afirmando ainda que as relações entre ele e sua filha “não poderiam estar melhores”. Em seguida, no final da semana passada, o lendário quadrinista disse ainda que não está sendo abusado por estas pessoas e que processará qualquer veículo de imprensa continuar a espalhar estas informações. Para quem acompanha sua trajetória, coisa é tão teatral que não tem como não soar estranha.

Vale ressaltar que as preocupações sobre ele por parte da indústria não surgiram neste mês. Mark Waid, Neal Adams, Ben Templesmith e outros profissionais da nova e velha guarda estão mostrando preocupações nas redes sociais. Como ilustrado acima, Todd McFarlane chegou a visitar o velho amigo e disse ter uma conversa saudável e agradável com Stan Lee. Todavia, são poucos os membros da indústria que estão conseguindo se aproximar dele. Waid fez uma postagem importante em seu perfil no Facebook, alegando ter visto de perto o comportamento maligno de J.C. sobre os pais. A movimentação de diversos artistas da indústria nos últimos dias criou a hashtag #StandWithStan no Twitter, repleta de mensagens positivas para o ícone dos quadrinhos.

Neal Adams presta homenagem a Stan Lee ao estilo de seu clássico Superman dos anos 1970.
Neal Adams presta homenagem a Stan Lee ao estilo de seu clássico Superman dos anos 1970.

As coisas não têm ficado mais fáceis nos últimos dias. Em carta aberta ao público (divulgada pelo Bleeding Cool, que está acompanhando o caso de perto), Adams revelou que Max Anderson está fazendo falta. Segundo ele (e isso foi corroborado por Mark Waid no Facebook), Anderson sempre tratou Stan com o maior cuidado possível. Organizou as aparições em convenções, a logística de cada sessão de autógrafos e dividiu corretamente as finanças do que fora arrecadado em todas as participações de Stan Lee em público desde que começou a trabalhar com ele.

“Max Anderson é um cara da rua, um cara que fala o que pensa. Como todo mundo, ele também tem sua própria agenda, mas era dedicado e devoto de Stan Lee como um cão fiel. Algumas pessoas não gostam de gente da rua – preferem um advogado ou um empresário”, disse Adams em tom de desabafo. E ele foi ainda mais longe:

Stan tinha um homem dedicado e perfeito para suas necessidades em Max Anderson. E agora – se alguém quiser entender por que estou apavorado com a vida de Stan Lee, apenas leia as notícias. Você pode dizer: “por que você se importa? Stan estará morto em breve”, e eu digo que minha família manteve minha mãe viva entre os 80 e 93 anos de idade, e eu valorizo esse tempo. Eu chorei sabendo o que aconteceu com Stan.

Eu não sei a resposta para tudo isso. Eu sei que Stan precisa de Max exatamente como um fazendeiro precisa de seu cachorro. O único conselho que tenho para todos os envolvidos é, por favor, que a polícia monitore continuamente a situação em busca de qualquer coisa que ponha em perigo Stan. Para o bem de todos nós que o amamos, lembre-se que a depressão afeta a vida. Por favor, proteja-o até que Max possa mais uma vez agir em seu nome como seu cão de guarda. Isso é coisa da rua, pessoal. De verdade.

Keya Morgan chegou a receber contato da imprensa a respeito de tudo isso na última sexta-feira (13) e disse não saber quem é Neal Adams. Afirmou ainda que Rich Johnston, do Bleeding Cool, que o contatou primeiro, não deveria acreditar na palavra de “um homem que só apertou a mão de Stan Lee em uma convenção qualquer, mas que deveria ouvir a voz de quem passou o Dia de Ação de Graças com ele”.

Ao não saber quem Adams é, Morgan parece não fazer ideia de que o quadrinista prestigiado foi empregado de Stan no revival dos X-Men nos anos 1960, seguido pelo seu trabalho nos Vingadores, que gerou a celebrada saga Guerra Kree/Skrull. Quer mais? O próprio Stan Lee escreveu a introdução para o quadrinho de Adams sobre Dina Babbitt, sobrevivente do Holocausto.

O trabalho de Neal Adams sobre o Holocausto que teve introdução de Stan Lee.
O trabalho de Neal Adams sobre o Holocausto que teve introdução de Stan Lee.

A notícia mais recente que se tem do caso (que está longe de acabar, aparentemente) é que Lee está processando Olivarez pela polêmica toda envolvendo os autógrafos com sangue. O caso foi aberto na sexta-feira (13) por J.C., contendo alegações de fraude, abuso e roubo de sangue para esquemas lucrativos bizarros. Como obtido pela Newsweek, algumas edições de Pantera Negra assinadas assim chegaram a ser comercializadas recentemente por cerca de 500 dólares a unidade.

Parece que o final de vida de Stan Lee será um dos piores possíveis. Desde que perdeu a esposa no final do ano passado, o quadrinista tem sido cercado de gente duvidosa e perdido aqueles que o respeitavam. Ao que parece, ele não sabe mais se defender e esquemas estão sendo montados para que se crie situações de “eles contra nós”. Como dito acima, é assim que J.C. vê o mundo. Um ícone dos quadrinhos estadunidenses está partindo com um legado impressionante, independentemente de quanto ele tenha contribuído na época em que Jack Kirby, Steve Ditko, John Romita, Bill Everett e tantos outros estavam com ele. Por outro lado, a imagem que os fãs terão dos últimos anos de sua vida será agridoce; será a de um homem cercado de urubus aproveitadores que transformaram seus últimos anos de paz em um verdadeiro inferno.

Que ainda haja chances de alguém reverter essa situação. Pelo bem dos fãs, mas, principalmente, pelo bem de Stan Lee.


Recomendado:

WP Facebook Auto Publish Powered By : XYZScripts.com