William Messner-Loebs: A tragédia e a vitória de uma lenda

Não tem problema se você não conhece o trabalho de William Messner-Loebs, mas nunca é tarde para fazer algo a respeito disso. Vencedor de um Inkpot Awards em 1987 e de um Bill Finger Award em 2017 por excelência em escrita, o quadrinista trabalhou a vida toda, escrevendo e desenhando, apenas com sua mão esquerda; o braço direito foi amputado ainda na infância devido a um tumor maligno.

Sua história é de vitórias diante das adversidades, até atualmente, quando foi revelado ao público na última terça-feira que Messner-Loebs não tem mais um lugar para morar e não produz quadrinhos há muito tempo. Ele trabalha com serviços sociais de baixíssimo pagamento enquanto tenta vender alguns prints de seus trabalhos em pequenas convenções pelos Estados Unidos. Mal dá pra imaginar que um autor deste calibre, que teve seu nome entre os agradecimentos do filme da Mulher-Maravilha (2017), um filme de sucesso estrondoso, viva desta forma.

Residente de Michigan, Messner-Loebs trabalha cerca de 20h horas por semana enquanto vive de apoio de uma congregação local que presta auxílio a pessoas sem moradia. Sua esposa Nadine está sempre com ele, nos momentos de maior sucesso (como quando The Maxxx, que fez com Sam Kieth, foi adaptada em animação para a MTV) e de maior revés, como nos últimos anos.

William Messner-Loebs e o jornalista da Fox News Derek Kevra.
William Messner-Loebs e o jornalista da Fox News Derek Kevra.

Com quase 70 anos de idade, Bill viu muita coisa mudar desde 11 de setembro de 2001, quando foi despejado de sua casa por falta de pagamento, com mãe e esposa muito doentes e quase nenhum dinheiro para cobrir essas despesas. Vendo o que estava acontecendo em Nova York no mesmo dia, Messner-Loebs não se deixou abalar. A vida tinha que continuar – e havia gente com problemas muito maiores que os dele naquele dia.

O casal passou a viver em uma casa móvel, que anos depois foi incinerada, graças a um vazamento de gás. Bill e Nadine perderam quase tudo, mas não a vontade de viver e superar todas as dificuldades. Verdade seja dita, como quadrinista, Messner-Loebs superou as dificuldades como ninguém ao escrever e desenhar a vida toda com apenas um braço. Vencer adversidades fazem parte de quem ele é.

Com o passar dos anos ele foi auxiliado por congregações, vizinhos e pela organização Hero Initiative. Hoje ele é zelador em uma igreja e funcionário de uma unidade da Panera. Ambos os empregos lhe dão pouquíssimo suporte financeiro. E a verdade é que Messner-Loebs não recebe todo o crédito merecido. Dono de longo histórico com alguns dos personagens mais importantes do mundo, como a Mulher-Maravilha (onde criou a Artemis) e o Flash (onde ficou por muito tempo e criou Linda Park, futura Linda Park-West, que apareceu diversas vezes na série de TV do herói), o autor pode até ver o resulto de sua imaginação nas telas da TV ou do cinema, mas certamente não o viu no bolso.

Capa de um dos últimos trabalhos de William Messner-Loebs, por Greg LaRocque.
Capa de um dos últimos trabalhos de William Messner-Loebs, por Greg LaRocque.

Recentemente, ao mesmo tempo em que foi descoberto por uma reportagem da Fox News, o artista conseguiu entrar em um programa de moradia e está se estabelecendo como pode. Contudo, o reconhecimento quadrinístico por seu trabalho ainda não está chegando. Muito do que ele fez pelo Flash apareceu (e talvez ainda apareça) na TV, mas sem que ele receba créditos por isso. O que é estranho, já que a Warner e a DC Entertainment estão, nos últimos anos, fazendo as pazes com várias das pessoas com quem tiveram relações ruins ou pouco amadurecidas nos últimos anos.

Ainda que não haja base legal que obrigue uma empresa a pagar o artista por créditos em material gerado pelo chamado “work-for-hire“, ou freelancer, a DC tomou a iniciativa de recompensar quem já trabalhou com ela depois de começar a adaptar tanta coisa para a TV e para o cinema na última década. É realmente esquisito que Messner-Loebs não esteja recebendo nada. E levando-se em conta que ele ainda é capaz de produzir material, como o fez em 2011, por exemplo, escrevendo a divertida DC Retroactive – The Flash 80’s, está na cara que ele ainda tem o que oferecer para a indústria.

Colegas de profissão como Peter David e Gerry Conway passaram por problemas semelhantes nesta década e foram auxiliados por fãs que compraram suas obras (para que eles recebessem royalties) ou fizessem doações em campanhas para ajudar com custos de saúde – principalmente para David, que teve um derrame anos atrás.

A Mulher-Maravilha de William Messner-Loebs em arte de Mike Deodato Jr.
A Mulher-Maravilha de William Messner-Loebs em arte de Mike Deodato Jr.

Logo abaixo estamos colocando alguns dos melhores títulos, com nossas promoções da Amazon, que Messner-Loebs tem em catálogo, para ajudá-lo nessa situação – infelizmente não há nada do Flash, já que a DC parece nunca ter lançado nada da fase dele em encadernados (se o fez, está fora de catálogo há muitos anos). Chamamos também a atenção para organizadores de eventos de médio e grande porte, que cada vez mais trazem ícones do exterior para conhecer os fãs brasileiros, entrarem em contato com Messner-Loebs para trazê-lo ao Brasil e colocá-lo com o público, vender seus quadrinhos e deixá-lo comercializar seus prints autografados, sua única fonte de renda (fora poucos royalties por coisas do passado) relacionada a HQs hoje em dia.

(Com informações da Fox News)

(Imagem de destaque por ComicBook.com)