Brad Meltzer fala sobre sua história em Action Comics #1000

Brad Meltzer está de volta à DC depois de quatro anos de ausência. Na ocasião anterior, o premiado romancista e apresentador de TV escreveu um conto curto para comemorar os 75 anos do Batman recontando sua origem, baseada na história original de 1939, criada por Bill Finger e Bob Kane. Desta vez o escritor coloca-se em uma situação semelhante, escrevendo uma história para os anos do Superman na mais que especial revista Action Comics #1000, a sair daqui a um mês.

Meltzer tem um histórico dourado com a DC. Quando resolveu aceitar o convite da editora para escrever seus quadrinhos no início da década passada, ele aplicou sua fórmula de mistério e simbologia usada nos romances que escreve em uma história cheia de intrigas (Crise de Identidade) e que provocou repercussões dramáticas para todo o Universo DC. Pouco tempo depois, ele e o desenhista brasileiro Ed Benes foram responsáveis pelo revamp da Liga da Justiça pós-Crise Infinita, em um dos momentos mais importantes para equipe em toda sua história.

Apesar de ter até vencido um Eisner por uma edição da Liga, Brad Meltzer não estendeu sua carreira na editora. Ao contrário, partiu para a Dark Horse brincar com o universo expandido de Buffy – A Caça Vampiros por algum tempo. Em seguida, afastou-se de vez da mídia e voltou para seu habitat natural: os livros e a TV.

Crise de Identidade, a história que mudou a DC nos anos 2000.
Crise de Identidade, de Brad Meltzer, a história que mudou a DC nos anos 2000.

Em entrevista exclusiva com o CBR no final da semana passada, Meltzer falou como sobre fã sobre as recentes novidades dos quadrinhos nos Estados Unidos e, claro, sobre o que pretende fazer com o Superman em Action Comics #1000.

Sobre a chegada de Bendis ao Superman, as novas HQs de Sandman, Ta-Nehisi Coates no Capitão América e a possibilidade de isso aumentar o interesse e as vendas na indústria:

Estou empolgado com as possibilidades, por que mais aceitaria fazer essa história em Action Comics #1000 com John Cassaday?

Há novamente esse sentimento de que a preciosidade que estava em torno dessa coisa começou a diminuir. Eu acredito que nossas maiores fraquezas também são nossas maiores forças. Isso é verdade para os quadrinhos. A grande força dos quadrinhos é que o público é tão incrível, dedicado e leal. Sempre amei isso, e é por isso que também tenho tido tanto orgulho de fazer parte disso. Mas a grande fraqueza das HQs é que nossos leitores podem ser tão leais e devotos que olhamos tudo com um bom olho e com essa preciosidade que as coisas não podem ser tocadas.

Se nada pode ser tocado e nada pode ser alterado, então não se obtém nada além de estagnação. Não se pode simplesmente mudar gratuitamente, apenas por mudar; deve-se fazer isso por causa da história. E eu adoro que haja esse sentimento de voltar de novo: “Vamos brincar com os brinquedos e não apenas deixá-los na prateleira”.

Capa de Action Comics #1000 por Jim Lee, Scott Williams e Alex Sinclair.
Capa de Action Comics #1000 por Jim Lee, Scott Williams e Alex Sinclair.

Sobre Action Comics #1000:

Desta vez não vou voltar à origem clássica do personagem como foi feito com o Batman em Detective Comics #27. Simplesmente me pediram para fazer a melhor história do Superman que eu puder contar. Portanto, procuramos pela essência do personagem e mostrar por que ele chegou a 1000 edições mensais [nesta revista]. E, poxa vida, é sensacional ver John desenhar o Superman.

Action Comics #1000 será lançada no dia 18 de abril nos Estados Unidos. A história completa de Tom King e Clay Mann foi divulgada semana passada e pode ser lida aqui. Além disso, a DC revelou recentemente qual é a última capa variante da HQ, e todas elas podem ser conferidas logo abaixo: