#Comicsgate: a nova polêmica na indústria estadunidense

Passada despercebida (ou ignorada) pela maioria dos veículos jornalísticos de quadrinhos dos Estados Unidos, está a criação do #Comicsgate, um grupo formado por Richard C. Meyer, alguns fãs e membros conservadores da indústria que acreditam que “uma agenda liberal” está destruindo o mercado de quadrinhos do país. O que começou com apenas alguns fãs já está ganhando mais reforço, com artistas como Ethan Van Sciver e John Malin apoiando suas ideias.

A fim de esclarecer suas ideias para os fãs que compartilham destes pensamentos, Meyer e seus apoiadores estão elaborando uma “lista negra” de artistas que devem ser boicotados pelos seguidores do movimento para que, segundo eles, “as coisas mudem e a indústria volte a ser saudável novamente”. Todo dia surge um novo nome na listagem. Segundo o discurso do grupo, se a produção de membros desta lista e de quadrinhos como Miss Marvel e Batwoman (uma jovem muçulmana e uma lésbica assumida, respectivamente) pararem, o encolhido mercado de quadrinhos dos EUA voltará a crescer, pois assim histórias melhores serão produzidas.

Certamente eles não estão levando em conta o imenso histórico de centenas (ou milhares) de histórias medíocres e ruins, feitas e estreladas por caras brancos, que são publicadas mensalmente — praticamente desde sempre — por lá. Envolvida até com a máfia no início, a indústria de quadrinhos ainda é, em sua maioria, formada por pessoas cujo ideário é justamente o mesmo do pessoal do #Comicsgate.

Enquanto isso, revistas como Miss Marvel, Batwoman e outras iniciativas de diversidade e inclusão ajudam a indústria no sentido de representar melhor o público que consome seus produtos no mundo todo – lembrem-se, quadrinhos de super-heróis são exportados para outros países das Américas, da Europa e até da Ásia. São tipos diferentes de públicos, mas todos com o mesmo objetivo: consumir bons quadrinhos.

De qualquer forma, a tal “lista negra” disseminada até agora por eles consiste nos seguintes quadrinistas:

  • Alanna Smith
  • Ales Kot
  • Alex de Campi
  • Amy Chu
  • Andrea Shockling
  • Andy Khouri
  • Aubrey Sitterson
  • B. Clay Moore
  • Christopher Sebela
  • Colin Spacetwinks
  • Colleen Doran
  • Dan Slott
  • David Brothers
  • Gabby Rivera
  • Gail Simone
  • Heather Antos
  • Jamal Igle
  • Jennifer de Guzman
  • Joseph Glass
  • Jude Terror
  • Justin Jordan
  • Kelly Fitzpatrick
  • Kelly Sue DeConnick
  • Kieran Schiach
  • Kirk Perez
  • Kurt Busiek
  • Larry Hama
  • Magdalene Vissagio
  • Marissa Louise
  • Mark Waid
  • Matt Fraction
  • Matt Santori Griffith
  • Max Bemis
  • Nick Spencer
  • Paul Allor
  • Ramon Villalobos
  • Rich Johnston
  • Ryan Ferrier
  • Sina Grace
  • Stephanie Cooke
  • Ta-Nehisi Coates
  • Tamra Bonvillain
  • Tess Fowler
  • Tim Doyle
  • Tom Brevoort
  • Triona Tree Farrell
  • Ulysses Farinas
  • Zachary Davisson

A maioria deles está usando a técnica de “bloquear e ignorar” os fãs que estão se aproveitando da criação deste grupo para ameaçá-los e assediá-los. O porta-voz do grupo alega que os fãs não devem fazer isso de forma alguma, mas o comportamento padrão destas pessoas infelizmente é prejudicar a vida online dos quadrinistas listados acima. Kurt Busiek postou em seu Twitter recentemente sobre ser assediado pelo pessoal do #Comicsgate:

Com uma prática bem semelhante à do pessoal que provocou e assediou as funcionárias da Marvel no ano passado em um caso que já comentamos aqui, e que também tem relação com as polêmicas em que a Casa das Ideias se envolveu ao ter seu editor-chefe escutando de lojistas que a diversidade nos quadrinhos era ruim para os negócios, o pessoal do #Comicsgate está disposto a levar adiante sua mensagem. Em especial porque esse tipo de discurso é apoiado, em instâncias mais altas, pelo atual presidente dos EUA.

Por fim, vale citar o caso à parte que é Ethan Van Sciver. Aqui no Brasil poucas pessoas sabem disso, mas EVS gosta de debater política abertamente com os fãs em seus perfis nas redes sociais, geralmente provocando e “trollando” alguns de seus seguidores que não compartilham de seus pensamentos. Em 2015, um de seus fãs criou um blog para denunciar o assédio que ele e a namorada estavam sofrendo do artista e de seus amigos.

O fã, Alfred Norris, relatou tudo que passou, que variou de brincadeiras de mau gosto em comentários do Facebook até a criação de perfis fake com fotos suas e de sua namorada, sempre com apologias políticas extremistas e discursos preconceituosos. Vejam vocês mesmos os prints e fotos que Alfred tirou de tudo que passou. Isso não tira os méritos artísticos de EVS, que revolucionou Flash e Lanterna Verde ao lado de Geoff Johns na década passada, mas certamente faz questionar seu comportamento diante daqueles que gostam do que ele faz.

Capa de uma das edições de Flash Rebirth por Ethan Van Sciver.
Capa de uma das edições de Flash Rebirth por Ethan Van Sciver.

Assim como o Capeless Crusader, a grande fonte do caso #Comicsgate até agora, o Terra Zero também ficará de olho nos próximos capítulos dessa história. Fiquem ligados! Enquanto isso, confiram o que algumas das pessoas na lista disseram sobre o caso até agora.

WP Facebook Auto Publish Powered By : XYZScripts.com