ComicPod #380 – Flash de Grant Morrison e Mark Millar

What’s up, Zeronautas! Nesta edição do ComicPod, Vlad, Brunão, Felipe Morcelli e João Paulo Hanke continuam a série de podcasts sobre os quadrinhos do Flash dos anos 1990, dessa vez comentando a fase em que Grant Morrison e Mark Millar assumiram os roteiros do personagem!

Então não perca tempo e ouça logo esse episódio, antes que o Flash Negro te pegue!

Assine o ComicPod no iTunes clicando aqui

Duvidas, sugestões e correções no e-mail: contato@terra0.com.br

Quadrinhos Comentados:

  • The Flash #130 a 141 (1997-1998)
  • Roteiros: Grant Morrison e Mark Millar
  • Desenhos: Paul Ryan, Ron Wagner, Pop Mhan e Joshua Hood
  • Editora: DC Comics

Trilha Sonora:

  • The Flash (2014-2016) Soundtrack
  • Snoop Dogg & The Doors – Riders on the Storm
  • Rob Zombie – Demon Speeding
  • Coldplay – Speed of Sound
  • Rush – Speed of Love

Podcasts relacionados:

ComicPod-89_square_175 ComicPod-59_square_175 ComicPod-131_square_175

Se você gosta do nosso conteúdo e quer nos ajudar a produzir cada vez mais e melhor (e quem sabe até participar), apoie o nosso projeto no Padrim!

padrim-texto

Ficha Técnica:

  • Montagem de Pauta: Vlad
  • Apresentação: Vlad
  • Edição de áudio: Luís Paulo
  • Trilha Sonora: Vlad e Luís Paulo
  • Vitrine e Capa: Diego Bachini Lima

Merchan:

Terra Zero e ComicPod nas Redes Sociais:

twitter cpfbt0cpytt0cpfbfdatwitter t0tmblrt0

  • Paulo Artur

    Nem ouvi ainda e só tenho a aplaudir por continuarem a falar dessa fase do Flash!

  • Paulo Artur

    Terminei de ouvir e meio que discordo um pouco em relação ao Flash Negro contradizer a mitologia pregressa do Waid. Durante o arco da Velocidade Terminal, é deixado claro que a Speed Force é como um “paraíso” para os velocistas, mas ainda assim muitos deles hesitam no último momento. E o Wally explica que a razão disso é que quem vai para lá, não volta mais, algo que o Barry só descobriu quando entrou na Speed Force na Crise. Assim, a razão de alguns velocistas hesitarem pode se atribuída a um vislumbre do Black Flash, pouco antes da morte. Bem como até é mencionado que Barry e Johnny tiveram no derradeiro instante.
    Isto posto, o lado de aparecer uma “sombra na fotografia” antes da morte do Barry e do Johnny é uma inconsistência das brabas. Só lembrar que o Barry tava mil anos no futuro há meses antes da Crise.

    • Vlad

      A sua interpretação faz sentido, o problema é que a história não diz isso, e tem o lance das fotos que, como você mesmo disse, não encaixa. Mesmo assim, se fosse isso, seria uma visão meio dark da speed force, enquanto que a visão do Waid era mais heróica, mais solar.

  • Vitor Hugo

    Eu tenho que admitir que o Flash do Millar/Morrison e a unica coisa que eu gosto de verdade de algum escrito pelo Millar , vai ver por ser mais Morrison e menos Millar , sobre a Arte eu acho o Weringo mil vezes superior ao Paul Ryan e adoro a arte do Pop Mhan no arco do Flash Negro , ah e tambem adoro o primeiro arco e acho extremante foda o Wally fazer seu uniforme usando a Speed Force

  • Émerson Vasconcelos

    Uma das poucas coisas que o Morrison fez com super-heróis depois de Homem-Animal que eu me diverti lendo. Mesmo assim, concordo com o Vlad, o Flash Negro é um conceito que contradiz tudo que o Waid tinha trabalhado até então. É tipo um encosto superveloz.

  • Vitor Hugo

    Eperando chegar a Fase do Jonhs no Flash para eu terce todo o meu odio por essa passagem

  • Strider_Tag

    É impressão minha ou o bonequinho contra o qual o Flash està correndo no arco “The Human Race” é uma homenagem ao Sonic ? Ambos são baixinhos, azuis, vem de uma dimensão paralela, e são “amigos imaginàrios”. Além disso, o ETzinho (esqueci o nome dele) é desenhado MUITO parecido com o Sonic.