Melissa Benoist será Overgirl, a Supergirl Nazista, em animação

A Overgirl não é a personagem mais popular do mundo. Ainda que o conceito de Multiverso, e por consequência, versões alternativas de personagens, estejam mais claros para o público, não são todas as iterações de heróis e vilões que saíram das páginas de quadrinhos para outras mídias. É o caso desta Supergirl nazista criada por Grant Morrison (e JG Jones), para a história Crise Final, utilizada em seguida na aclamada saga The Multiversity, do mesmo autor.

Antes de nos aprofundarmos nisso, é importantíssimo destacar que o Terra Zero fez uma extensa cobertura em áudio de The Multiversity á época de sua publicação original nos EUA, bem como de todas as suas implicações no Universo DC e, claro, as múltiplas camadas de interpretações que cada capítulo possui. Não deixem de conferir!

A Overgirl morta na Crise Final em arte de JG Jones.
A Overgirl morta na Crise Final em arte de JG Jones.

Melissa Benoist tem encantado corações desde 2015, quando começou a interpretar a Supergirl na TV em sua séries homônima. Além de enaltecer as características mais clássicas da personagem nos quadrinhos, ela encara a luta por igualdade de gênero com toda sua força e graça. Porém, sua voz agora será usada para dar vida a uma personagem que preza pelo oposto do que a Supergirl defende. Benoist estará na animação do Ray, que se passa no Arrowverse (composto de Arrow, Flash, DC’s Legends of Tomorrow e Supergirl), fazendo a dublagem da Overgirl.

Esta animação, na verdade intitulada Freedom Fighters: The Ray (que pode ser traduzida como Combatentes da Liberdade: Ray), é baseada em um dos quadrinhos de Multiversity, de Grant Morrison. Trata-se da edição especial, The Mastermen, lançada no Brasil em novembro de 2015 na revista Multiverso DC nº 6 – Raça Superior, pela Panini Comics.

Uma das capas de The Multiversity - Mastermen, com arte de Jim Lee.
Uma das capas de The Multiversity – Mastermen, com arte de Jim Lee.

Nesta parte do Multiverso, a Terra-10, os nazistas venceram a Segunda Guerra Mundial, gerando um cenário bem parecido com o do livro O Homem do Castelo Alto, do venerado autor ficção científica, Philip K. Dick. A ideia não é original de Morrison para a DC, já que a editora tinha brincado com a ideia no passado; todavia, ele deu seu toque especial (e autoral) para o conceito.

Produtor e roteirista, Marc Guggenheim, também responsável pela animação, falou mais sobre o universo de onde vem a Overgirl:

[A animação] É chamada de Freedom Fighters: The Ray por uma razão. Queríamos estabelecer que eles estão na Terra-10. Em Multiversity, Grant Morrison surgiu com uma ideia que nos tocou: os Combatentes da Liberdade são formados por diversas minorias caçadas pelos nazistas – mulheres, homens gays, judeus… Queríamos honrar essa ideia, ao mesmo tempo em que fazemos uma história de origem para o Ray da Terra-1.

Apesar de ter sido confirmado que Benoist dublará a Overgirl, ainda não está claro se Grant Gustin e Stephen Amell farão as vozes de suas contrapartes nazistas, confirmadas para a animação.

Overgirl morta nos braços do Overman, em Crise Final #7. Arte de Doug Mahnke.
Overgirl morta nos braços do Overman, em Crise Final #7. Arte de Doug Mahnke.

Nos quadrinhos de Morrison, a Overgirl ganhou seus superpoderes através de alterações genéticas feitas com o material do Overman, fazendo-o considerá-la sua “prima”. Ela caiu na Sangria durante a Crise Final, pousando na Nova Terra, próxima ao Questão. Perto da morte, ela foi imediatamente encontrada pelas forças da SHADE e pelo Xeque-Mate. Em Multiversity, a morte dela (que parece destino certo para as Supergirl do Multiverso desde Crise nas Infinitas Terras) é um fator importante para a trama, mantendo a continuidade que Morrison estabeleceu.

O timing para isso é bem curioso, já que, há poucas semanas, uma manifestação de supremacia branca vinculada a ideias nazistas chocou o mundo ao acontecer em solo estadunidense. Levando-se em conta que o canal CW gosta de explorar todas as falhas das desigualdades sociais existentes na humanidade, é bem provável que isso seja levado em conta no desenho animado.

Ainda não há data para a estreia da animação do Ray.

  • Cinéfilo da Terra 2

    Mais uma animação que pode ser na pegada God and Monsters.

    Animado desde já.

  • Isahar Luiz Bentes

    A Melissa é uma péssima atriz, e uma péssima pessoa também, a personagem Supergirl da série de mesmo nome, não tem muitas similaridades com a Supergirl que conhecemos nos quadrinhos… e a série Supergirl tem um empoderamento geral bem aleatório, oculto, fajuto, artificial, porcamente ou quase nada desenvolvido e forçado com a série na CW, sem contar que a série em si, ficou toda idiotinha, romântica, boba, forçada, adolescente, aleatória, irregular, estúpida, artificial e sem sentido, então não entendi o parágrafo de enaltecimento da série, nesse caso, não é questão de opinião, é a realidade, e fico muito triste com a notícia, a Melissa tem uma voz muito enjoativa, além de ter um tom de voz forçado.

  • Isahar Luiz Bentes

    A Melissa é uma péssima atriz, e uma péssima pessoa também, a personagem Supergirl da série de mesmo nome, não tem muitas similaridades com a Supergirl que conhecemos nos quadrinhos… e a série Supergirl tem um empoderamento geral bem aleatório, oculto, fajuto, artificial, porcamente ou quase nada desenvolvido e forçado com a série na CW, sem contar que a série em si, ficou toda idiotinha, romântica, boba, forçada, adolescente, aleatória, irregular, estúpida, artificial e sem sentido, então não entendi o parágrafo de enaltecimento da série, nesse caso, não é questão de opinião, é a realidade, e fico muito triste com a notícia, a Melissa tem uma voz muito enjoativa, além de ter um tom de voz forçado.

    • Luquinhas

      “Péssima pessoa também”, como assim?

      • Isahar Luiz Bentes

        Ela é uma pessoa super forçada, artificial e não natural, é agoniante, e ela é muito antipática com os fãs, extremamente inacessível e ignora os mesmos, isso aconteceu depois da estréia da segunda temporada, tenho até pena, a série só é popular, mas não é tão bem sucedida, para alguém se revelar desse jeito, coitada, a Chyler (Alex) não é assim, só vive batendo fotos com os fãs, é super espontânea, legal e humilde, e não fala besteira para defender a série, nem tem conceitos errados sobre o que é feminismo, diferente da Melissa, que parece uma retardada caipira, contando um monte de mentira sobre a série, é a representatividade morta da mesma, tem até meme americano sobre isso :3

        • Luquinhas

          Não sabia disso.

        • Luquinhas

          Essa estimativa de 80 milhões no primeiro fim de semana, não é do omelete, são de analistas, fora que essa estimativa está ótima, pelo simples fato, do filme estrear daqui dois meses, ou seja, ainda vai aumentar essa estimativa, SEMPRE funcionou assim, não vai ser agora que vai mudar, isso é questionamento ignorante, uma vez que MM está com um marketing podre, só os fãs e sites famosos estão compartilhando sobre o filme, a Warner só fica divulgando o trailer, e uns pôsteres miados, não há impulsionamento por parte do estúdio e fica ainda mais podre pela importância desse filme na indústria, a Warner não está vendo isso, e os analistas levaram em conta também, as bombas de recepção de bvs e ss, não interessa se eu e você amamos esses filmes, a má reputação no geral deles, a má reputação da DC Films, irá ferir a bilheteria MM, mas não se sabe o quanto irá ferir, uma estimativa inicial de 80 milhões na estréia, considerando todos os contras, incluindo o sossêgo da Warner quanto ao marketing, está mais do que ótima.

          KKKKKKKKKKKKK! Parece que você erro no final, o filme arrecadou muito bem.

          • Isahar Luiz Bentes

            Que merda é essa? Eu me lembro de ter escrito isso há vários meses, no começo do ano, você copiar e colar esse meu comentário fossilizado, na época aonde filme nem estava começando a ser de fato impulsionado, coisa que aconteceu semanas depois do meu comentário, não tem o menor sentido, fiquei até com medo :3

          • Luquinhas

            Eu sou maluco.

          • Isahar Luiz Bentes

            Kkkkkkkkk mds

        • Luquinhas

          “Ela é uma pessoa super forçada, artificial e não natural, é agoniante, e ela é muito antipática com os fãs, extremamente inacessível e ignora os mesmos”, estranho eu tenho todos esses adjetivos.

        • Luquinhas

          “Nem tem conceitos errados sobre o que é feminismo”, que conceitos errados?

          • Isahar Luiz Bentes

            Ela acha que a Kara atual, representa as meninas, sendo que isso não é verdade, resolução fácil, vagabundagem, tudo por um macho, nunca evoluir, sempre depender de terceiros, afastar a família entre outros, não é estimativa de vida de ninguém…

        • Luquinhas

          Me responda.

    • Luquinhas

      A CW só faz série lixo.

      • Isahar Luiz Bentes

        The 100 é boa, mas a fanbase é nojenta.

  • André Luciano Maria

    Na minha humilde opinião, a última animação boa da DC foi Deuses e Monstros, desde então lixo e mais lixo (ou como dizia Dino da Silva Sauro “Abaixo do lixo, o sonho é ser lixo, o lixo ri disso”). Se você assiste a animação de Cavaleiro das Trevas e a da Piada Mortal vai se perguntar se o estúdio é o mesmo.