Dias de Horror: Entrevista exclusiva com Joe Prado e Ivan Costa

Faz poucos dias que uma maiores campanhas do Catarse no ano na categoria de quadrinhos, Dias de Horror – Chiaroscuro Studios Yearbook 2017, entrou no ar, e as metas estão sendo batidas a toque de caixa! O projeto foi sendo apresentado aos poucos para apoiadores de projetos anteriores a este via mailing do Catarse e redes sociais, e chegou aos fãs com toda a (merecida) pompa.

O Terra Zero conversou exclusivamente com os sócios da Chiaroscuro, Joe Prado e Ivan Reis, sobre a criação do álbum, a seleção de talentos e aspectos técnicos muito bacanas de bastidores da obra. Confiram!

1) Apesar de batida, a primeira pergunta é inevitável: como surgiu a ideia de lançar uma graphic novel com o Yearbook?
Joe Prado: Bom, cara, pra falar a verdade essa sempre foi uma vontade minha! Desde a minha época de fanzineiro, nos idos dos anos 1990! E quando vimos que tínhamos de fato uma oportunidade legal, decidimos ir em frente! Super orgulhoso desse projeto!

2) Como o tema foi escolhido? Por que uma história de horror?
JP: Ah, HORROR? Bom, vocês terão de ler para ver! Mas, posso adiantar que a temática são os super-heróis! Na verdade, Dias de Horror é uma carta de amor do Danilo Beyruth ao gênero dos supers! Estávamos discutindo essa possibilidade há mais de dois anos. O Danilo sempre foi nossa escolha para encabeçar um projeto desse tipo, principalmente por ser a primeiro graphic novel que fazemos.

3) Há possibilidades de outros temas da ficção serão explorados em futuros Yearbooks? De que forma?
JP: TUDO é possível. Mas a premissa básica dos Yearbooks da Chiaroscuro Studios é sempre surpreender, e tentar mostrar o quão diversificado e sensacional é o trabalho de todos os artistas envolvidos. É uma vitrine para o mercado.

4) Alguns dos artistas da Chiaroscuro possuem exclusividade com editoras estrangeiras. Como a liberdade para produzir material nacional foi conseguida?
JP: Isso é comum para projetos que não sejam diretamente competitivos com as grandes editoras. Então não é um problema, se você souber com quem falar.

5) A recompensa de R$ 1500,00 permitirá que a pessoa tenha acesso VIP ao evento. O que isso significa? A que coisas os contribuintes deste valor terão acesso?
Ivan Costa: Permite acesso como convidado à CCXP nos cinco dias do evento (incluindo a Spoiler Night), além de acesso à sala VIP e à área interna do estande da Chiaroscuro Studios, para interagir com os artistas do estúdio e convidados.

6) Para a edição foi escolhido Sidney Gusman, que dispensa apresentações. Poderiam comentar a escolha dele?
JP: Putz! Desde o princípio, quando começamos a brincar com a ideia, o Sidney já era nossa primeira escolha – principalmente porque admiramos o trabalho dele e sua integridade como pessoa e editor, além da sua paixão pelas HQs.

7) Como foi criada a transição entre os artistas? As colaborações foram dadas com as respectivas especialidades de cada um?
JP: O Sidney sugeriu a divisão inicial baseada no que ele viu no portfólio de cada um dos artistas do estúdio. Daí, somente aparamos algumas arestas e mudamos algumas peças de lugar. Tarefa fácil (risos)! “Só” dividir uma história entre mais de 50 artistas! Piece of cake! ;)

Mas, sem brincadeira, foram levadas em consideração as qualidades e especializações de cada um, já que trabalhamos com eles todos os dias, e sabemos o que cada um é capaz de trazer de bom e engrandecedor para o projeto.

8) A HQ foi pensada como um álbum com a possibilidade de envio para fora do Brasil. Vocês pensam em fazer o lançamento dela em eventos fora do país?
JP: Sim, mas prefero não falar mais sobre isso nesse momento. Vamos guardar alguma coisa para o futuro! Nada a declarar! ;)

9) No que a experiência de agenciamento de vocês ajuda na hora de organizar tantos pedidos de artes originais com cumprimento de prazos?
JP: Ajuda, e MUITO! Diria que foi essencial! E fazendo isso, me faz admirar mais e mais o papel dos editores nessa indústria. Sem um bom editor, nada vai pra frente. E MUITOS de nós devemos nossas carreiras também a oportunidades dadas a nós por eles.

10) Até essa entrevista, a campanha já estará com pelo menos 24 horas no ar. Como está a receptividade?
JP: CARAMBA! O que dizer!? A meta inicial foi atingida em menos de 48 horas! Só esse fato já é recompensador! Agradecemos a TODOS que já garantiram seus exemplares! E pra quem não fez isso ainda, CORRAM! Ainda tem algumas recompensas muito legais disponíveis!