Smallville: Tom Welling finalmente abre o jogo sobre fim da série

Parece que foi ontem, mas a série Smallville, que durou nada menos que dez temporadas e uma vida estendida nos quadrinhos, acabou em 2011. Todos os profissionais que a envolveram seguiram suas vidas e acabaram em projetos bem diferentes desse. Houve exceções, é claro, como Erica Durance, que agora estará em Supergirl, por exemplo.

Seja como for, o final do programa foi apresentado como um dos episódios mais emocionantes de sua década de existência. Porém, a ausência de um verdadeiro Superman mostrado nas telas deixou decepcionada uma boa parcela de fãs. Muitas das pessoas que estavam lá nunca falaram sobre isso. Demorou nada menos que seis anos para Tom Welling, o astro de Smallville, falar a respeito.

Cena do último episódio de Smallville.
Cena do último episódio de Smallville.

Em conversa com a Entertainment Weekly, na qual o ator está divulgando seu retorno à TV seriada com uma outra adaptação de quadrinhos (Lucifer), Welling, enfim, abriu o jogo:

O plano original do episódio final era mostar Clark vestindo o uniforme e voando, salvando as pessoas, fazendo coisas boas, no primeiro ato. Tive uma conversa com Peter Roth, chefe da WB Television e um grande amigo. Disse: “isso não tem a cara do nosso programa”, ao que ele me respondeu: “não, será ótimo!”. Mas eu retruquei: “Sim, mas pense em tudo que fizemos. Se partirmos pra isso, vai parecer que não fizemos por merecer.”

Eventualmente o ator e a rede de TV chegaram a um acordo, um que mostrou Tom Welling no final com o uniforme do Superman por baixo de sua roupa de repórter, aparecendo da forma mais clássica possível antes que o episódio acabasse.

Mergulhamos na ideia de que no fim do programa, Clark se torna o Superman e está lá fazendo suas coisas, mas não podemos acompanhá-lo, ainda que sintamos sua presença. Espero que o público não tenha se sentido como se não tivéssemos mostrado algo que eles precisavam ver. Acredito que oferecemos a todos o ponto de mudança em que imaginação entra em ação a respeito do que aconteceria depois [da transformação].

Imagem promocional da nona temporada de Smallville.
Imagem promocional da nona temporada de Smallville.

Uma das razões pelas quais o ator foi contra vestir o uniforme veio de uma das primeiras regras do programa: “sem uniforme, sem voo”, que afastava Smallville de um típico programa de super-heróis.

Discutimos isso antes mesmo de filmarmos o episódio piloto. Sentamos para conversar em uma reunião sobre o show e perguntei sobre o uniforme, o voo… E eles disseram: “Não, não vai rolar”. Em partes porque a premissa do programa era mostrar um jovem tentando se encontrar no mundo. Eles acharam que no momento em que Clark colocasse a capa, a vida se tornaria simples demais sob certos parâmetros. Eles queriam focar em quem o personagem era antes disso acontecer.

Então é isso. Finalmente o ator abriu o jogo. Será que ele estava certo?

Sob muitos aspectos, sim. Os fãs sempre quiseram ver o Superman aparecendo na TV, mas, lá no fundo, não fazia sentido. A série nunca foi sobre o Homem de Aço; foi sobre Clark Kent/Kal-El, o homem de dois mundos, com dois nomes diferentes, amadurecendo para se tornar uma coisa só: o maior super-herói de todos os tempos. A partir do momento que sua jornada de transformação se encerrasse, não fazia sentido continuar essa história.

Mesmo com todos os seus percalços, Smallville atingiu seu objetivo, durando mais que qualquer outra série de TV baseada em quadrinhos (pelo menos por enquanto). E Welling estava certo: agora sim, depois de tudo isso, podemos curtir o Superman, seja nos cinemas ou na própria TV, com as participações especiais de Tyler Hoechlin na série da Supergirl.

  • Cassiano Cordeiro Alves

    Sou suspeito para opinar, pois sou MUITO fã de Smallville. Concordo com Welling em parte. Realmente, a proposta original da série era “sem uniforme, sem voo”, com foco nos conflitos de Clark/Kal-El. Mas também era a proposta original terminar lá pela 6ª temporada. Mas arrastaram a série, incluindo cada vez mais elementos das hqs, lá no final uma cacetada de super-heróis já havia dado as caras, tanto que o conflito de Clark já tava perdendo o sentido. Se já haviam fugido da proposta original, por que não dar ao público o que todos queriam?
    No mais, foi muito bom acompanhar a jornada de Clark por 10 temporadas. Se hoje a TV tem tantas séries de super-heróis, boa parte disso se deve ao sucesso de Smallville. A série trouxe o mais humano Clark/Kal-El fora as hqs. Sempre lembro da minha esposa (que nunca leu uma hq na vida) dizendo: “Nunca imaginei que o Superman pudesse ser tão humano”. Também apresentou a melhor versão live-action do Lex Luthor até hoje.
    Claro, teve umas coisas lastimáveis: Darkside de fumaça, figurinos questionáveis dos super-heróis, a Lana com pele de kryptonita para justificar a saída da personagem, a “mudança no espaço” do cenário (nas 1ªs temp., Smallville ficava em torno de 6 horas de viagem de Metrópolis; lá pelo final Smallville já tinha praticamente virado um bairro de Metrópolis, pois os personagens transitavam entre uma e outra várias vezes em curto espaço de tempo). Mas em sua imensa maioria, teve episódios emocionantes. “A volta de Ryan” (2ª temp), o centésimo ep. (morte de Jonathan), a Sociedade da Justiça (9ª temp), “Homecoming” (o melhor ep. da última temporada), só para citar alguns.

  • Neo

    Embora a série ficou meio chata nas temporadas finais, o último episódio foi emocionante pra caramba, mesmo com efeitos especiais dos anos 90. Aquela capa vermelha balançando no vento foi algo que sempre me chamou a atenção, desde criança… quando passava as chamadas para o filme do Superman. Aquela música clássica na série foi linda. No final, quando tudo acabou deu aquela tristeza. A ficha caiu. Smallville tinha chegado ao fim. Um único episódio fez sentir saudade de todos os 10 anos anteriores, em cada episódio cantando junto “SAMBARE SEEEEEEIVE MIIIIII” kkk.

    Mesmo não sendo a melhor série do mundo, mesmo tendo pouco orçamento, mesmo ficando um pouco enjoadinha foi a que mais explorou o Clark Kent. Praticamente toda a juventude do Clark foi explorada. Uma geração cresceu tendo base de toda a juventude do Homem de Aço, estava apta a ver o Superman conhecendo sua história.

    Enfim… deu saudade!! Vimos uma criança caindo numa nave em Smallville, criado pelos pais, acompanhamos sua fase colegial, suas primeiras paixões, sua fase meio “rebelde”, se mudou para Metrópolis, conheceu novas pessoas, conheceu a sua própria história, ganhou novos adversários e no final se tornou o Superman…

    Uma geração acompanhou toda a fase jovem do Clark Kent, um adolescente que começou desde a 1º temporada terminou com ela já sendo um adulto, tendo seu primeiro emprego, talvez, junto com Clark.

    Simples mas que era legal de acompanhar… um lado não tão explorado na TV e no cinema sobre o Superman…

    Só quero que a Panini faça um favor: Publique American Alien!!!! Gosto do personagem.