Lanterna Verde: DC volta à Terra Um com nova graphic novel

Parece que foi ontem que anunciamos a chegada da linha Terra Um de graphic novels originais da DC aqui no Terra Zero. Ainda nos chamávamos Multiverso DC na época, e a escolha de J. Michael Straczynski e Shane Davis para cuidar do Homem de Aço e dar uma visão jamais visto para o personagem.

De fato eles o fizeram, mas a polarização acerca do resultado foi imensa, uma que se repetiu com Mulher-Maravilha: Terra Um, mas que não foi tão grande quando o mesmo formato foi dado ao Batman e aos Novos Titãs. Agora é a vez do Lanterna Verde.

De certa forma, era inevitável que isso acontecesse; há cerca de 15 anos uma revolução aconteceu no universo esmeralda quando Geoff Johns assumiu a frente de tudo que envolve essa mitologia na DC, posto que se expandiu e no qual ele permaneceu até uma parte desta década. O Lanterna Verde, como mito e não apenas como personagem, tornou-se muito popular e o anúncio de Terra Um é mais uma prova disso.

Capa oficial de Lanterna Verde: Terra Um, divulgada ontem pela DC.
Capa oficial de Lanterna Verde: Terra Um, divulgada ontem pela DC.

Para esta iniciativa, a DC optou por contar uma origem realmente moderna de Hal Jordan, usando inclusive uma identidade visual, pelo menos até agora, mais verossímil se comparada a programas espaciais e, principalmente, a filmes recentes de ficção científica, talvez incluindo aí até o malfadado Quarteto Fantástico, de 2015.

A sinopse diz que Hal Jordan é um astronauta que vive em uma busca constante por descobertas, prospectando asteroides para a Ferris Galactic. Tudo muda quando ele encontra um poderoso anel verde que veio da Tropa dos Lanternas Verdes, um grupo assassinado pelos mortíferos Caçadores Cósmicos há muitos anos. Sua missão passa a ser restaurar a Tropa, uma que é quase impossível para o destemido Jordan. Nesta nova versão, o personagem não será o aventureiro arrogante de sempre, mas sim um cientista dedicado a novas descobertas espaciais. Portanto, sua abordagem em relação a ter o anel do Lanterna Verde sera completamente diferente.

O casal Gabriel Hardman e Corinna Bechko novamente se une ao colorista Jordan Boyd para trabalharem nesta graphic novel. Os nomes podem parecer estranhos, já que não são de quadrinistas mega badalados da indústria estadunidense, mas os três têm vasta experiência com as majors e com as independentes, inclusive com quadrinhos de Star Wars, que certamente servirão de inspiração para este trabalho.

Não se sabe ainda se esta nova abordagem ao mito dos heróis esmeralda servirá de inspiração para o filme da Tropa agendado para 2020. Contudo, não seria um exagero pensar que alguns dos elementos da HQ possam ir parar na telona. A modernização destes personagens é tão importante para oferecer mais identidade à esta nova versão como utilizar outras fontes na criação de um filme que pretende passar bem longe do longa anterior, lançado em 2011.

Seja como for, Lanterna Verde: Terra Um sai lá fora em março de 2018.

  • Grunge

    […] “para cuidar do Homem de Aço e dar uma visão jamais vista para o personagem. De fato eles o fizeram, mas a polarização acerca do resultado foi imensa” […] Pior q nao achei quase nada de “visao jamais vista”. Achei que foi bem generico. Um desperdicio do formato de graphic novel. Paz na Terra, Legado das Estrelas, All Star Superman, Identidade Secreta e American Alien foram bem melhores e entregaram um Super que da vontade de ler mais.

    Voce gostou do Terra Um do Super, Morcelli?

  • ClaytonGodinho

    Existe um problema dos leitores em relação a DC, sejam os fãs ou não: enchem o saco que certos conceitos precisavam de renovação, mas quando a editora faz isso, reclamam que estão “inventando demais”, independente da qualidade das mudanças. Uma pena: Terra Um é um excelente projeto editorial que bebe na fonte Elseworld, são releituras, uma tentativa de “brincar” com antigos elementos e quem sabe acrescentar novas ideias ao canone. Enfim, por tão bom quanto esse material venha ser, vão reclamar e desmerecer de qualquer forma…

    • Os 7 Soldados da Vítória

      Concordo com tudo o que você escreveu, é muito mimimi ….

    • Guylherme Lobo

      Sim, demais. Fãs de HQ sempre querem renovação mas é só mexer com o status quo que eles ficam “ai meu deuso não”

      Fico pensando daqui a uns 20 anos quando o Magneto tiver 100 anos, vão continuar usando a velha história de origem dele do nazismo ou vão torna-lo imortal pra isso ser irreparável?

      • Leandro Damasceno

        Há anos a Marvel flerta com a ideia de criar um evento chamado THE WAR, ou alguma coisa que o valha. A ideia seria que todos os personagens da editora que têm origem bélica viriam desta guerra. Não seria a Segunda Grande Guerra ou Vietnã ou nada disso. Apenas uma guerra dentro do Universo Marvel que traria elementos formadores de personagens como Magneto, Justiceiro, Homem de Ferro, Capitão América etc. Nunca aconteceu e provavelmente nunca vai acontecer, mas tem gente por lá pensando nestas questões que você levantou.

  • Sylas Baker

    Seria incrível se tivesse uma pegada meio interestellar com dilemas sobre o nosso planeta e a humanidade.

  • IDRIS ELBA RAMALHO

    Adoro esses Elsewords, sempre achei uma ideia muito bacana, ter terras paralelas em que os artistas podem ter liberdade total pra brincar com os personagens. O do Batman Terra Um é muito legal.

    Falando em Batman e brincar com personagens… leiam Batman e Hortelino, li ontem, e puta merda, que gibi foda!

  • Marck Antenado

    O problema é que a Panini não lança HQs da saga Terra Um suficientes e as do Superman e do Batman, AMBAS as números 1, estão esgotadas há anos.

  • Hawkguy

    Até hj não se teve mais notícias do Aquaman: Earth one.

  • Pingback: DC Earth One: O que anda acontecendo com as graphic novels?()