[Dossiê] O novo guia do Universo Valiant

A equipe editorial do Terra Zero há muito tempo se compromete a noticiar, com artigos, resenhas e fatos relevantes, o Universo Valiant. Muitos destes posts geram questionamentos sobre como começar a acompanhar este rico universo. Agora, em virtude do relançamento do material via Social Comics e Jambô e a uma demanda grande e específica de leitores sobre informações e direcionamento acerca dos quadrinhos da Valiant, resolvemos publicar um guia com as principais caraterísticas desta editora.

O artigo é baseado em um post original (do mesmo autor) publicado em 2015 no blog ProibidoLer.com. No entanto, com o passar de dois anos, se fez necessário o acréscimo de algumas informações.


Todo leitor de quadrinhos, pelo menos uma vez na vida, já ouviu falar da Valiant. Mesmo que você só leia gibis casualmente, por falta de tempo ou grana, ou seja fã de alguma editora específica e não tenha interesse em outro universo de personagens — em suas andanças pela internet, com certeza já ouviu algum colega ou site mencionando o Universo Valiant em algum momento.

A editora, que teve um relançamento de sua linha de quadrinhos em 2012 e, aos poucos, vem sedimentando seu universo através de um número reduzido de publicações e uma estratégia editorial diferente do resto do mercado, já tem os direitos de alguns de seus personagens negociados para o cinema e televisão e, há algum tempo, já tem esse novo material publicado no Brasil.

A equipe do Terra Zero com o CEO da Valiant, Dinesh Shamdasani na NYCC 2016.

Apesar disso tudo, ainda existe um pouco de relutância, preconceito ou acomodação do grande público em relação a este universo. Portanto o post abaixo, além de ser um guia para iniciantes começarem a explorar os títulos da nova Valiant, serve para desmistificar ideias errôneas sobre o material publicado atualmente.

Como funciona a Valiant?

O principal diferencial entre o universo Valiant e as demais editoras de quadrinhos é que, ao contrário de editoras como a Image, Dark Horse, BOOM! ou Dynamite, todos os personagens da Valiant coexistem em um mesmo universo. Porém, diferente de Marvel e DC Comics, que infestam o mercado com oito títulos do Batman e 36 gibis dos Vingadores por mês, a Valiant mantém um número extremamente reduzido de séries em quadrinhos e, consequentemente, seus personagens figuram somente em uma ou, no máximo, duas dessas séries ao mesmo tempo.

VALIANT-UNIVERSE
O Universo Valiant é muito maior do que você imagina.

Difícil entender?

Ok. Imagine o Capitão América. Steve Rogers, logicamente, é um personagem importante na Marvel e tem seu gibi solo. Ao mesmo tempo, ele é um dos líderes dos Vingadores e, com certeza, está em pelo menos 70% das histórias da equipe, certo? Isso coloca o velho Sentinela da Liberdade em, no mínimo, 6 títulos Marvel todo mês, fazendo coisas bem complicadas e que, frequentemente, geram inconsistências cronológicas no universo Marvel.

Na Valiant isso raramente acontece. O personagem mais icônico da Valiant, atualmente, é Aric Dácia, mais conhecido como X-O Manowar. Mesmo sendo o símbolo da editora, Aric atualmente figura em somente um título na editora, chamado X-O Manowar.

Parece uma besteira, mas o benefício desse tratamento para os roteiristas, artistas, editores e principalmente para quem lê os quadrinhos é enorme. Com uma linha reduzida de quadrinhos e essa política de “cada um (mais ou menos) no seu quadrado” a vida de quem trabalha ou acompanha este universo fica muito mais fácil e muito (muito mesmo) menos dispendiosa.

valiant-next-poster-final
Poucos títulos, boas histórias – Esta é a proposta da Valiant desde sempre.

Agora vamos a outro exemplo: Na DC, invariavelmente, SEMPRE haverá um gibi do Superman, certo? Mesmo que o herói morra ou fique desaparecido por algum tempo, a editora arruma um jeito de manter aquele gibi sendo publicado, mesmo que o Superman não esteja lá, é ou não é?

Na Valiant isso nem sempre acontece. Um dos maiores sucessos no relançamento da linha de quadrinhos da Valiant em 2012 foi um título chamado Harbinger. O protagonista principal da série era o jovem chamado Peter Stanchek e, nas páginas da revista, acompanhávamos seus dramas e aventuras neste novo universo. Bom, ao final de Harbinger, algo acontece com Stanchek que o impossibilita de continuar atuando neste universo, talvez não definitivamente, mas por um período indefinido. Portanto, o que o corpo editorial da Valiant faz com o o título? O descontinua por tempo indeterminado e move os personagens restantes da publicação para outros títulos da linha de quadrinhos.

Parece uma coisa bem idiota também, não? Agora imagine que o Homem-Aranha perde seus poderes por um tempo, o Capitão América morre, o Batman fica incapacitado de atuar por um temp Agora imagine se a Marvel ou a DC cancelassem os títulos destes personagens e cessassem suas aparições em outros gibis, em virtude desses acontecimentos. Difícil imaginar, não?

Pois é assim que funciona a Valiant. Quando uma história termina, ela termina de fato. Outra história pode recomeçar, no entanto as repercussões na vida destes personagens são reais e permanentes. Você raramente vai ver um arco no qual Shadowman é infectado por um vírus e, no mesmo mês, estará em outro gibi ajudando a Doutora Miragem, por exemplo. Isso é respeito para com os leitores, mas quem não está acostumado com este tratamento provavelmente não vai reconhecê-lo, mesmo que esteja a um palmo de distância de seus olhos.

Quem são os personagens principais da Valiant?

Apesar do número reduzido de personagens (comparando com as outras editoras de quadrinhos) e do tempo relativamente menor de existência da Valiant em relação aos outros universos de quadrinhos, convém separar este elenco em alguns grupos para facilitar a sua vida. Portanto, vamos lá:

PSIOTS ou PSIÓTICOS

PSIOTS-VALIANT

Os Psiots, ou Psióticos, são um grupo de indivíduos humanos com habilidades especiais congênitas. Analogamente, são como os mutantes ou inumanos na Marvel. No entanto, em 99% dos casos, estes indivíduos necessitam ter suas habilidades “ativadas” através de dolorosos e sacrificantes processos que, muitas vezes, chegam ao limite da tortura física e mental. Na ativação, muitos psiots morrem ou tem sequelas permanentes; portanto, são raros estes indivíduos no universo Valiant.

As habilidades dos Psiots não se restringem à telepatia e telecinese, e variam muito. Apesar de tais dons derivarem basicamente de uma intensa atividade cerebral, estes podem se manifestar como superforça, descarga e absorção de diversos tipos de energia, voo, projeção física e astral, manipulação de temperatura, e muitos outros tipos de poderes.

As tramas envolvendo os principais Psiots podem ser acompanhadas em Harbinger e, em seguida, nos títulos chamados Unity e  Imperium. Seus principais protagonistas são:

Toyo Harada

toyo-harada

Talvez o mais poderoso indivíduo de sua espécie, Harada é um Psiot nível ômega, com habilidades telepáticas e telecinéticas que praticamente só são limitadas pelo estresse físico de seu corpo mortal. Harada é um milionário ancião que sobreviveu ao bombardeio atômico de Hiroshima e usa seus poderes de forma inescrupulosa para construir um império. Através da secreta Fundação Harbinger, o objetivo de Harada é criar o que ele mesmo entende como uma utopia no planeta Terra.

A Fundação Harbinger é responsável pela ativação de diversos outros Psiots no universo Valiant, e alvo de muitos conflitos nas publicações da editora. Harada tem uma visão geopolítica unilateral e extrema. Em seu entendimento, o crescimento e evolução da raça humana, assim como manutenção da paz no planeta só pode ser alcançado através de alguns sacrifícios e, muitas vezes, de intervenções usando força bruta.

Peter Stanchek 

Peter-Stanchek

O protagonista do título Harbinger Peter Stanchek é aparentemente um raro caso de psiot que nunca necessitou ter seus poderes ativados por ações externas intencionais. Com capacidades em nível ômega que se equivalem às de Toyo Harada, mas sem muito controle sobre as mesmas, Peter é um dos seres mais poderosos e perigosos do Unvierso Valiant. O jovem, no entanto, sofreu durante toda a sua infância e adolescência em virtude do tormento causado por suas habilidades telepáticas. Com isso, recorreu a uma vida de vícios em medicamentos e crime para sobreviver. Quando começamos a acompanhar a vida de Peter, ele é resgatado pela Fundação Harbinger e aprende a controlar um pouco suas habilidades. Peter permanece sob a tutela de Toyo Harada até o momento em que descobre os métodos e intenções de seu mentor. Daí surge o mais dramático conflito desde o início do novo Universo Valiant.

Livewire 

Livewire

Amanda McKee já foi o braço direito de Toyo Harada, tendo sido resgatada pelo bilionário em um orfanato. Harada treinou pessoalmente McKee e a ajudou a aprimorar suas habilidades tecnopatas. Se valendo de seus poderes de interação com qualquer tipo de tecnologia além de projeção energética, Livewire se torna talvez o membro mais importante da Fundação Harbinger, depois de Toyo. Amanda, no entanto, se volta contra seu mentor durante a rebelião de Peter Stanchek e o trai, deixando a Fundação e partindo para o exílio.

Pouco tempo depois, Livewire é recrutada do exílio em um esforço desesperado de Toyo Harada para conter o recém chegado ao planeta, Aric Dácia, e sua armadura alienígena, Manowar. Amanda é o único ser humano, além de Aric (que foi escolhido pela própria armadura) capaz de controlar a armadura Manowar e, ao utilizar a armadura pela primeira vez, tem seus poderes amplamente aumentados, descobrindo tudo sobre os planos de dominação mundial de Harada. Novamente a moça se volta contra seu ex-mestre. A partir deste momento, Amanda reúne, funda e lidera a principal equipe de superseres do Universo Valiant, Unity, composta pelo próprio XO-Manowar, além do mercenário Ninjak e Gilad Anni Padda – o Guerreiro Eterno.

Zephyr

Faith Herbert é o coração de “Harbinger” e, atualmente, do Universo Valiant inteiro. A jovem nerd plus-size fã de Firefly e Star Trek teve suas habilidades psióticas ativadas pelo próprio Peter Stanchek (por quem teve uma leve paixão inicialmente). Faith, que é órfã de pai e mãe sempre quis ser uma super-heroína e vê no convite da Fundação Harbinger para a ativação de suas habilidades seu sonho realizado. Infelizmente, Faith descobre rapidamente e a duras penas que a vida de um super ser não é nada fácil. A jovem salva a vida de Stanchek, logo em seguida se juntando a ele em sua rebelião contra Harada.

Juntamente com Peter e Kris Hathaway, Faith funda a equipe de psióticos chamada Os Renegados e planejam dar fim ao império de terror de Harada. Em suas muitas aventuras, Faith é recrutada pela equipe Unity e tem presença marcante nos principais eventos da Valiant, sempre servindo de bússola moral das equipes que integra. Com uma habilidade bem mundana (Faith consegue voar e transportar uma pessoa voando em uma projeção cinética), esta heroína por muitas vezes salva a vida de companheiros de equipe muito mais poderosos que ela usando somente sua esperteza e seu grande coração.

ALIENÍGENAS 

O componente alienígena é muito forte na formação do universo Valiant, principalmente por conta da origem de seu principal personagem: X-O Manowar. A mitologia alienígena também está presente em menor escala em títulos como Archer e Armstrong e logo em seguida em Unity e no título Faith, mas tudo sedimentado pela aparição dos seres extra-terrestres conhecidos como A Vinha, que fazem sua primeira aparição nas páginas de X-O Manowar.

X-O Manowar 

xo-manowar

A Marvel tem o Homem-Aranha e Capitão América. A DC tem Batman e Superman. Aric de Dacia é o bastião do Universo Valiant. Aquele personagem com molde mais tradicional, que geralmente serve como ícone da editora. Não que a editora gire exclusivamente em torno deste personagem (muito longe disso), mas, de alguma forma, o título alavancou o relançamento desta linha de quadrinhos, misturando história antiga e ficção.

Imagine se Conan se tornasse o Homem de Ferro, mas, ao invés de usar uma tecnologia terrestre, suas armas fossem muito mais avançadas do que qualquer coisa aqui no nosso planeta. Isso é basicamente a trama de origem de X-O Manowar. A história envolve abduções de povos antigos da raça humana usados como escravos em outros planetas. Um desses escravos é Aric de Dacia, um valoroso guerreiro Visigodo do século V que se rebela contra seus captores e toma posse da arma alienígena mais poderosa do povo conhecido como a Vinha, a armadura Shanhara, também conhecida como a armadura Manowar. Por efeito de dilatação temporal, Aric retorna a um planeta Terra muito diferente, em meio ao século XXI. Desconhecendo totalmente os eventos históricos dos últimos 1600 anos, Aric entra em conflito com as forças armadas e, posteriormente, com a força-tarefa formada por Toyo Harada e Livewire para contê-lo. Aric é contido pela equipe de Livewire mas, em seguida, volta a usar a armadura para proteger o planeta da ira da Vinha e outros inimigos.

OS IMORTAIS 

Anni-Padda

Os Imortais, apesar de serem somente três na Valiant, são um componente importantíssimo no contexto deste universo pois, além de transitarem por praticamente toda a história da humanidade na editora, estão espalhados por diversos títulos diferentes e fazem interfaces interessantes com outros núcleos narrativos da editora.

O seres imortais sumérios da Valiant são os irmãos Ivar, Aram e Gilad Anni-Padda e receberam a dádiva (ou a maldição) da imortalidade ao roubar — de uma terra chamada “Faraway” e, posteriormente, ativá-lo — um dispositivo de origem desconhecida chamado “Boon”.

Ivar 

Ivar

Também conhecido como Timewalker (aquele que caminha através do tempo), Ivar Anni-Padda é o mais velho dos três irmãos aventureiros. Ivar foi o responsável pela ativação do dispositivo chamado “Boon”, que concedeu o dom da imortalidade a ele e seus outros irmãos. Ele desenvolveu um método de viagem temporal baseado em mapeamento de fendas temporais. Ivar possui um dispositivo em forma de bússola que indica fendas temporais e ele as usa para transitar pela história da humanidade. Logicamente, este tipo de atividade gera um batalhão de inimigos nos mais diversos períodos da cronologia da Valiant, além de uma conturbada relação com os outros irmãos Anni-Padda. Ivar é uma espécie de Doctor Who distorcido no universo Valiant. Suas motivações nunca são 100% claras e seus planos são ambíguos. Ao lado de Doutora Neela Sethi, uma brilhante física teórica, Ivar tenta prevenir um futuro obscuro para o universo Valiant, sem interferir tanto nas linhas temporais da editora.

Aram

Armstrong

Aram, também conhecido como Armstrong, além de imortalidade e um certo nível de invulnerabilidade, teve sua força aumentada pelo acidente com o artefato desconhecido. Modificado drasticamente pela experiência, Aram vaga pelo planeta através do milênio sem muito propósito além de ficar bêbado e se divertir pelo Planeta. Até que finalmente, nos tempos modernos, é abordado pelo jovem Obadiah Archer, que tenta em vão assassiná-lo. Os dois em pouco tempo descobrem objetivos em comum que se relacionam às origens da imortalidade dos irmãos Anni-Padda e partem em busca do artefato que concedeu os poderes a Aram. Armstrong é o irmão do meio da família Anni-Padda e é frequentemente retratado como um fanfarrão e um boêmio incurável. Com uma história de vida extremamente vasta, o personagem participou de vários eventos importantes na história da humanidade e é retratado como um apreciador dos prazeres da vida e um vagabundo de marca maior.

Gilad

Gilad

Gilad, o Punho e Aço, também é conhecido como o Guerreiro Eterno da Valiant. O mais novo dos irmãos Anni-Padda aparentemente morreu durante a expedição a terra chamada “Faraway”. Expedição esta que tinha o intuito de trazer o artefato “Boon” até a cidade dos irmãos Anni-Padda. Sua aparente morte foi o catalisador para que Ivar ativasse o artefato e devastasse a cidade inteira, além de conceder imortalidade aos três irmãos. Gilad, que antes de ser imortal já era um grande guerreiro, começa então a servir as entidades chamadas Geomancers – humanos comuns escolhidos pela Planeta Terra para serem seus protetores. Com o passar dos anos a serviço dos Geomancers, Gilad se torna um guerreiro ainda mais experiente, participando de praticamente todos os conflitos armados da história da humanidade desde o crepúsculo da Mesopotâmia até os dias atuais.

Um mestre no combate e um homem com um passado sombrio e marcado pelo fracasso, Gilad se junta ao grupo de superseres Unity para tentar conter a chegada de Aric de Dacia e a armadura Manowar à Terra. A conexão do Guerreiro Eterno com o Geomancer o põe em conflito com diversas forças no Universo Valiant até o fim dos tempos, e ele está destinado a lutar eternamente para proteger esta entidade.

OS OUTROS PERSONAGENS

Se você não é um Psiot, não tem uma origem alienígena ou não é um imortal, não tem problema. O Universo Valiant é bem estranho e vasto e existe espaço para vários outros tipos de personagens como você verá nos exemplos a seguir.

Projeto Rising Spirit ou Espírito Ascendente

PRS

A organização conhecido como P.R.S. é o fabricante de armas mais prolífico do Universo Valiant. O grupo responsável pela criação da maior arma artificial fabricada no Planeta Terra – o soldado Bloodshot – desenvolveu ou ajudou a desenvolver grande parte do equipamento militar Americano e Europeu no universo da editora nos últimos dois séculos. Uma organização com interesses financeiros que frequentemente entra em conflito com Toyo Harada e sua Fundação Harbinger, além de ter participação nas origens de personagens como Obadiah Archer e os H.A.R.D. Corps.

H.A.R.D. Corps

HARD-CoRPS

Os H.A.R.D. Corps são um time suicida patrocinado pela nefasta organização “Projeto Rising Spirit”. Os membros são homens e mulheres com implantes neurais que os permitem acessar poderes similares aos dos Psiots de maneira artificial e controlados por uma espécie de comando central. Os H.A.R.D. Corps são agentes para-militares dispensáveis (caso um deles seja capturado seus implantes são detonados e a pessoa morre) e podem utilizar seus poderes (que variam de voo, invulnerabilidade até projeções de energia) somente um de cada vez. As ações de campo dos HA.R.D. Corps são coordenadas geralmente por um líder mais experiente que define os poderes dos outros membros da equipe dependendo da situação em questão.

Bloodshot

Bloodshot

O soldado conhecido como Bloodshot também é um criação esdrúxula do P.R.S., e tem um histórico traumático e muito obscuro. Apesar de ser associado ao nome Ray Garrison, devido a uma enorme quantidade de manipulação de memória não há como definir precisamente as origens desta arma viva antes do processo que o tornou uma máquina de matar. O que se sabe é que o agente codinome Bloodshot é um soldado que foi infectado artificialmente pelo P.R.S. com uma quantidade absurda de agente nanitas. Estes microscópicos organismos artificiais dão a Bloodshot capacidades regenerativas extremamente aceleradas, além de um grito sônico, habilidades de camuflagem e certo grau de transmorfização. Associado a um trenamento militar prévio extremamente rigoroso tudo isso torna BloodShot um personagem extremamente temido na Valiant. Uma mistura extrema de Capitão América com Wolverine, analogamente.

Obadiah Archer 

Archer

Ainda bem jovem, Obadiah Archer foi identificado pelo P.R.S. como um Psiot em potencial. Em seguida, Archer é abduzido e submetido a um intenso estressante tratamento para ativação dos seus poderes em instalações para treinamento de Psiots da P.R.S. Archer é identificado como um Psiot capaz de copiar e reproduzir virtualmente qualquer habilidade, poder ou talento através de uma conexão com uma chamada “consciência coletiva”. Com este poder que basicamente o faz “herdar” qualquer tipo de conhecimento ou habilidade prévia da raça humana até o momento, Acher se torna interessante para a organização ancestral conhecida como O Secto. O Secto, fundado no Egito antigo e ao longo dos anos dividido em uma gama de facções bizarras, atualmente é chefiado por Thelma e Joe Earl Archer. Estes adotam o jovem Archer e o treinam com o objetivo de matar Aram Anni-Padda e reaver o artefato “Boon”. Archer é criado em um ambiente religioso/militar extremamente rígido e treinado toda a sua infância para matar Armstrong (chamado de “demônio”). Logicamente, ao se defrontar com o imortal pela primeira vez, mesmo com sua ingenuidade, Archer percebe que está lutando do lado errado e se alia a Aram para lutra contra o Secto.

Archer tem uma das habilidades mais incríveis do universo Valiant e, nas páginas de Archer e Armstrong, o leitor percebe lentamente a extensão deste poder que começa somente com habilidades físicas e artes marciais e se estende até coisas inacreditáveis (mesmo). A ingenuidade é a marca registrada de Obadiah, o que o coloca em conflito com os anos de malandragem de Aram nas páginas do quadrinho da dupla o tempo todo. Apesar de Archer ser um Psiot (e um dos mais poderosos), como não tem afiliação direta nem a Fundação Harbinger, aos Renegados nem aos H.A.R.D. Corps, o jovem pertence a uma classificação distinta dentro da Valiant.

Quantum e Woody

Quantum-e-Woody

Na infância, Eric e Woody Henderson eram irmãos adotivos inseparáveis. Mentes brilhantes. Melhores amigos. Hoje em dia, são dois fracassados. Parentes afastados por mesquinharias, eles são obrigados a se unir para solucionar o assassinato de seu pai e tentam conviver em harmonia enquanto desvendam o crime.

Protagonizada por irmãos que não se suportam, mas acidentalmente recebem superpoderes de braceletes que devem ser tocados uma vez a cada 24 horas (ou os dois se desintegram) e um elenco que vai desde uma clone latina ninfomaníaca a uma CABRA super inteligente (que, na verdade, é o pai dos dois personagens). Eric é o irmão certinho, mas que nunca conseguiu nada na vida seguindo pelas regras. Já Woody é um 171 de marca maior, delinquente desde a adolescência e sempre quer tirar vantagem das situações. O humor de Quantum e Woody é histérico. Eric e Woody tem aquela dinâmica peculiar de filmes de ação da década de 1980-90 como Máquina Mortífera na qual dois indivíduos opostos são obrigados a conviver juntos.

Doutora Miragem

Dra-Miragem

A Doutora Shan Fong consegue se comunicar com os mortos. Ela usa esta incrível habilidade mediúnica em seu trabalho como investigadora e eventualmente para ajudar as pessoas. A única alma com a qual ela não consegue se comunicar no entanto é a de seu falecido marido, Hwen. Das páginas de Shadowman para uma sensacional minissérie solo lançada em 2014, esta é a premissa básica da nova encarnação da personagem. Originalmente na década de 1990, Dr. Mirage foi um gibi paranormal protagonizado por um personagem masculino com uma coprotagonista feminina. A Doutora Miragem portanto, é uma jovem mulher sobrecarregada com o fardo de suas habilidades de comunicação com os mortos e ironicamente desconectada da pessoa que mais lhe é importante, seu marido. Shan é escrita de forma realista e tem uma personalidade prática, mas problemática, uma vida conturbada e cheia de cicatrizes emocionais. Assim como muitas mulheres na vida real. Uma personagem das mais tridimensionais da nova safra de personagens femininas. Dr. Miragem é um gibi misterioso, sensível, com um clima tenso e meio etéreo e uma ótima leitura para os fãs de ficção paranormal.

Divinity

Divinity

Moscou, 1945. Abram Adams é um bebê negro abandonado convenientemente às portas da residência do ministro de relações exteriores da Rússia. Seus pais adotivos eventualmente morrem e Abram é adotado pelo Estado. Seu potencial para a ciência é reconhecido e o jovem é educado com o melhor que a “pátria-mãe” pode oferecer a seus filhos em termos de formação acadêmica. Durante o período pré-Guerra Fria, o jovem (juntamente com outros dois candidatos) é selecionado para o programa espacial secreto mais ousado da União Soviética – levar três cosmonautas aos limites da universo conhecido. Em um veículo espacial capaz de atravessar grandes distâncias e através de uma série de etapas de hibernação criogênica, a equipe embarca em uma missão de 30 anos para explorar os limites da realidade. Nesta viagem Abram se torna o ser mais poderoso da Valiant, o único personagem em todo o Universo da Editora com o poder de manipular toda a realidade a sua volta. Enquanto na Marvel e DC temos pelo menos uns 15 personagens deste tipo, na Valiant só existe um deles.

É claro que existem diversos outros personagens marcantes na editora. Shadowman – o mestre das artes ocultas e da magia no Universo Valiant. O ninja mercenário a serviço do MI-6 e do Unity, Ninjak. A bruxa anarquista dos pântanos conhecida como Punk Mambo. O guerreiro Japonês do futuro, Rai. Fica a critério do leitor explorar um pouco mais este elenco em expansão.

Onde está a diversidade na Valiant?

Você pode não ter percebido ainda, mas, no Universo Valiant, a diversidade é tratada de forma tão natural e direcionada pelas histórias escritas que você nem percebe que os três indivíduos mais poderosos da editora são exatamente três minorias. Duvida?

Toyo Harada é o Psiot mais poderoso do Universo Valiant. Uma mistura de Pofessor Xavier, Magneto e Lex Luthor, mas com embasamento político muito mais apurado e um plano de ação muito mais estruturado e definido que os outros. Harada transita num região totalmente cinzenta e capaz de fazer todas as nações unidas como reféns. Um japonês vítima e sobrevivente da bomba atômica.

Os Geomancers são os arautos do próprio planeta Terra escolhidos pela natureza e abençoados com o controle de todas os poderes da Terra para protegê-la. Uma espécie de Capitão Planeta em uma forma humana, só que com um poder que nem eles mesmos conseguem medir. Os Geomancers também detém o conhecimento aprofundado das origens e segredos do nosso planeta assim como o seu futuro. Periodicamente quando um Geomancer morre a Terra escolhe outro em seu lugar. O primeiro Geomancer da era atual do Universo Valiant é a jovem Kay McHenry – uma moça caucasiana e bem comum. Kay é substituída em pouco tempo pela mais jovem ainda Tama – uma menina de origem Asiática.

Tama
Tama, a nova Geomancer – um dos seres mais poderosos do Universo Valiant.

Como já falamos, os únicos seres capazes de alterar a realidade no Universo Valiant (na editora isso é coisa séria) são um cosmonauta negro criado na União Soviética comunista durante a Guerra Fria e uma mulher soviética chamada Valentina Volkov, ambos introduzidos em Divinity.

Valentina Volkov e Abram Adams. Os dois seres mais poderosos do Universo Valiant.

Além disso, em Quantum e Woody, temos dois irmãos, um negro e um branco formando uma família de negros com um filho adotivo branco criados por um pai solteiro que posteriormente se transforma em uma Cabra. Sim. Isso é diversidade de uma maneira bem estranha.

Dois irmãos. Um negro e um branco. Ambos filhos de uma Cabra. Isso é Quantum e Woody.

Shadowman é um personagem negro com título próprio e reflete um legado familiar de um poder passado a ele fomando uma identidade própria. No próprio título Shadowman é feita a introdução da Doutora Shan Sofia Fong, uma poderosa médium capaz de se comunicar com os mortos que tem suas capacidades constantemente duvidadas por homens mais velhos e tem que provar seu valor.

Shadowman, herói que já tem origem associada a um legado e é um personagem negro.

Ainda falando sobre mulheres, Amanda McKee (a Psitot chamada Livewire, lembra?) é a líder do único grupo de super-heróis da Valiant, Unity, e a única pessoa (excluindo o portador) digna a usar a Armadura de Shanhara. Livewire foi a única a conseguir derrotar de fato X-O Manowar em combate.

Livewire, a única humana que consegue usar a armadura Shanhara após derrotar Aric Dácia.

A evolução da personagens femininas na Valiant é constante e, atualmente a Doutora Neela Sethi é a nova guardiã do tempo, substituindo Ivar e estrelando, ao lado de Faith uma nova publicação chamada Faith and the future Force.

A Doutora Neela Sethi e Faith juntas em Future Force.

Outra personagem feminina recentemente introduzida na Valiant é a líder tribal catadora de sucata Ana, que fez sua estreia na edição única War Motherque se passa no século quarenta e um na cronologia da editora derivada do título Rai.

War Mother: Líder, guerreira, catadora de sucata e mãe.

No campo dos criadores, a Valiant já era pioneira em contratar minorias desde a década de 1990. Os criadores da dupla Quantum e Woody, Christopher Priest e M.D. Bright, são artistas negros. Atualmente a Valiant emprega as autora veterana Jen Van Meter (que escreve as histórias da Dr. Miragem), Amy Chu, Jody Houser (que conversou conosco exclusivamente) e os autores negros Christopher Priest e Karl Bollers.

O autor do post, Igor Tavares com Christopher Priest, criador de Quantum & Woody e um dos primeiros roteirista de quadrinhos negros na NYCC 2016.

Então se minorias e representatividade são o seu interesse em termos de quadrinhos, a Valiant tem de sobra.

Como eu começo a ler a Valiant?

Isso é bem fácil. Na verdade, muito mais fácil do que o leitor pode imaginar. Nos dois últimos anos, a HQM vinha publicando dois títulos com histórias mix muito interessantes com os principais títulos da nova Valiant.

X-O Manowar e Universo Valiant infelizmente não tiveram o retorno de público esperado aqui no Brasil (por que será?) e, infelizmente, foram canceladas. No entanto as histórias ainda podem ser encontradas em mixes e encadernados pela própria HQM. A editora, na época do lançamento da Valiant no Brasil, facilitou muito a vida do leitor neófito, publicando tudo em ordem cronológica coerente nas mensais e agrupando alguns arcos de histórias nos encadernados.

Atualmente, os quadrinhos da Valiant podem ser encontrados na plataforma digital Social Comics e fisicamente começa a ser lançado pela editora Jambô.

Universo Valiant
Capa da primeira edição de Universo Valiant publicada no Brasil pela HQM

Se você prefere o material original, não tem problema. Como a Valiant publica um número reduzido de gibis por mês e tem uma proposta editorial mais concisa, o leitor iniciante pode começar por três títulos principais: X-O  Manowar, Harbinger e Archer and Armstrong. Os primeiros volumes destes três títulos cobrem boa parte do início do Universo Valiant, criam bases de sustentação para toda a linha de quadrinhos, introduzem muitos conceitos e personagens e direcionam a sua leitura para outras histórias como BloodshotNinjak e, posteriormente, Unity, Eternal Warrior e Imperium. Portanto, é muito fácil ler a Valiant. Muito mais do que Marvel ou DC Comics.

É claro que o guia acima não pode ser classificado como um panorama completo da nova Valiant. Existe muita informação adicional que não cabe em um artigo como esse.

De qualquer forma, esse nem era o intuito do post. A intenção é dar as principais ferramentas para que o leitor de quadrinhos entenda o funcionamento do universo Valiant, conheça seus principais atores e abra seus olhos para as possibilidades de leitura em um universo de quadrinhos coerente e unificado.

Se você já é leitor da Valiant e tem algo a acrescentar, use o campo abaixo para comentar. Se você ainda não leu nada deste universo, o que está esperando? A hora é agora!

  • Guilherme Wunder

    Todas essas histórias (principalmente “Quantum e Woody”) estão disponíveis no Social Comics?

  • Gabriel Brasil Picanço

    Poxa muito bacana essa material!!! To querendo ler Valient há muito tempo e agora vou começar. Umas dúvidas:

    1 – No Social Comics tem todas as edições da Valient, incluindo as novas edições pós-hiato, que estão saindo agora lá fora? Se não tiver as novas edições, tem pelo menos todas as edições antigas antes do hiato?

    2- O material que a jambô vai começar a lançar em encadernados, vai reiniciar tudo do zero ou começar de onde a HQM parou? Tomará que seja do zero, pois assim da pra voltar a acompanhar tudo do começo.

    Eu estou tão empolgado, que acho que pararia de ler Marvel, só pra acompanhar os materiais da Valient.

    Abs.

  • Gabriel Brasil Picanço

    Poxa muito bacana essa material!!! To querendo ler Valiant há muito tempo e agora vou começar. Umas dúvidas:

    1 – No Social Comics tem todas as edições da Valiant, incluindo as novas edições pós-hiato, que estão saindo agora lá fora? Se não tiver as novas edições, tem pelo menos todas as edições antigas antes do hiato?

    2- O material que a jambô vai começar a lançar em encadernados, vai reiniciar tudo do zero ou começar de onde a HQM parou? Tomará que seja do zero, pois assim da pra voltar a acompanhar tudo do começo.

    Eu estou tão empolgado, que acho que pararia de ler Marvel, só pra acompanhar os materiais da Valiant.

    Abs.

  • Pingback: Edição 222 | Terceira Terra()

  • Raphael Moreira

    Bom demais, Igor! Pena que a maioria seja tão apegada a tudo que vem da DC e da Marvel. A Valiant parece ter um ambiente editorial bem mais arejado. Não só tem personagens mais diversos como bem mais complexos psicologicamente que os das concorrentes. E uma geopolítica mais interessante. E tem o Toyo Harada! Quem tem Social Comics, é só cair dentro.

  • El Django

    Excelente. Vou começar a ler a Editora Valiant agora e estou atrás das revistas lançadas pela HQM. É uma excelente alternativa pra sair do eixo Marvel / Dc, que não estão me agradando. Bom saber que vai ser lançado em formato físico pela Jambô, já que eu não gosto (simplesmente não consigo gostar) de ler material digital.