Arte de Bombshells United por Terry e Rachel Dodson.

Bombshells United: Saiba detalhes do retorno da HQ digital

No final de maio foi confirmado que o quadrinho digital DC Comics: Bombshells sofrerá um relaunch, ou seja, novas histórias em um novo título passarão a ser publicadas. A data agendada foi 25 de agosto deste ano. A nova revista sai sob o título de Bombshells United. Quem deu a notícia foi a própria criadora e escritora da publicação, Marguerite Bennett.

Em um bate-papo com o Comics Beat, Bennett explicou que Bomshells United apresentará novas (e japonesas) versões de Cassie Sandsmark e Donna Troy, ambas heroínas que já foram Moça-Maravilha nos quadrinhos. Desta vez, em suas novas origens, elas serão jovens heroínas cujas famílias foram aprisionadas em campos de concentração japoneses que o governo dos Estados Unidos controlou na época da Segunda Guerra Mundial.

Bomshells United por Marguerite Sauvage.
Bomshells United por Marguerite Sauvage.

Bennett explicou que quer contextualizar super-heróis tipicamente estadunidenses e um dos momentos mais sombrios (e pouco comentados) da história do país. A escritora planeja, inclusive, oferecer uma lista de leitura de material histórico que reconta, com detalhes, as histórias deste período obscuro da Segunda Guerra. Isso acontecerá logo no primeiro arco de histórias de Bomshells United.

A Mulher-Maravilha não apareceu para intervir na história real dos campos que os EUA fizeram no Japão. As comunidades foram muito afetadas. A lista de leitura basicamente dirá quais livros pode-se ler, quais lugares pode-se visitar e quais são as pessoas com quem se pode falar sobre o que realmente aconteceu.

Portanto, por isso não será a Mulher-Maravilha a salvar o dia mas, sim as japonesas Cassie e Donna, duas heroínas afetadas pelos campos. “Quis evitar de todo jeito que o salvador fosse um caucasiano. Espero que a dinâmica deixa bem claro quem está no comando na história”, disse a autora.

Arte de DC Bomshells.
Arte de DC Bomshells.

Mais heroínas da DC se unirão a Bombshells United, como Canário Negro, Katana e Abelha. O time de artistas também será rotativo, sempre como Bennett na escrita. O primeiro arco estará a cargo de Marguerite Sauvage. A publicação manterá o formato conhecido dos títulos exclusivamente digiatis: a cada duas edições digitais, uma contendo ambas será impressa ao valor de US$ 2,99.

Por enquanto a franquia Bombshells permanece inédita no Brasil. Ainda que a Panini já tenha trazido outros títulos deste formato para cá (como Injustiça, histórias do Batman da franquia Arkham e DC Super Hero Girls), este, que é um dos mais elogiados dos últimos anos, não veio para as terras brasileiras.

Enquanto isso, lá fora, o título está no que pode ser chamado de segunda temporada, tocando em temas ainda mais importantes para a sociedade que a temporada anterior. Desta vez, Bennett vai tocar algumas feridas da América, bem no momento em que o país vive turbulências e dentro e fora de seus limites após a eleição de Donald Trump para a presidência.

Fiquem ligados no Terra Zero para maiores novidades sobre Bombshells United.

  • Dominic

    Que legal!

  • Leandrodosanjos

    Esqueceram que a Tsunami era nipo americana e que seus pais foram prisioneiros de Campos de Concentração Americanos durante a Segunda Guerra Mundial e mesmo assim lutou junto aos Aliados e ao Jovem Comando Invencível…