Batman de Tom King pede Mulher-Gato em casamento

Quem acompanha a revista mensal do Batman, atualmente escrita por Tom King — que está no título desde o início do Renascimento –, percebeu que o autor está investindo tudo que pode em explorar o lado humano do herói. Temas importantes como paternidade tornaram-se o centro de suas histórias e agora ele dá mais um passo para humanizar o super-herói mais obcecado dos quadrinhos em Batman #24.

Engraçado como parece que foi ontem que Catwoman #1, de 2011, saiu, mostrando ambos os personagens fazendo sexo. No ano seguinte, o filme O Cavaleiro das Trevas Ressurge também enveredou para o relacionamento dos dois, mostrando que ambos ficaram juntos após o Batman pendurar o capuz. Na verdade, namoradas à parte, a tensão sexual entre ele e a Mulher-Gato existe há décadas, só demorou para que a DC deixasse os escritores lidarem com isso.

Como Tom King disse em uma entrevista publicada ontem pelo Newsarama, tanto o Batman como a Mulher-Gato já tiveram muita dor em suas vidas e esse foi o lado que os autores mais exploraram através das décadas. Passou da hora de algo diferente ser feito na cronologia oficial:

Todo mundo já foi para o lado da vingança, todo mundo já usou e abusou da ‘noite ser escura’. Oferecer mais dor ao personagem não revela mais nada sobre ele, pois ele já sentiu dor suficiente. Ao oferecê-lo amor e felicidade e misturar com a tragédia do passado, temos elementos novos e nunca vistos antes.

A Mulher-Gato viu a dor dele de perto e passou por tudo que ele passou também. Ela pensa ‘Estamos quebrados, podemos estar quebrados juntos’.

Tom King está deixando claro que o amor de Bruce Wayne é o mais puro possível e ele vem fazendo, aos poucos, com que Batman e Mulher-Gato ficassem mais próximos do que já foram um dia. Contudo, um desenvolvimento desta estatura no personagem não é tão inédito quanto ele alega. Nos últimos quinze anos, por exemplo, outras mulheres roubaram o coração enegrecido do Homem-Morcego, inclusive a própria Selina (antes de saber a identidade secreta dele), ou a perigosa Jezebel Jet, criada por Grant Morrison para o desenrolar da saga Batman: Descanse em Paz. Ela foi quem chegou mais perto de casar-se com Bruce.

Vale destacar também Silver St. Cloud, provavelmente a mais importante de todas, por ter sido a precursora desse movimento. Criada por Steve Englehart e Marshall Rogers nos anos 1970, ela por muito não obrigou o Batman a revelar sua identidade a ela; mas, no fundo, ela sempre soube. Algo interessante de se notar sobre o relacionamento deles é que foi a primeira vez que o Batman foi humanizado desta forma, a ponto de ter, de fato, uma vida pessoal não dedicada totalmente ao ser da noite em que ele se transforma. Foi uma ideia original de Englehart que a DC comprou e viu dar certo.

[Falamos bastante sobre isso no livro que lançamos em 2016, A Caminho da Justiça, à venda exclusivamente na Comix. Garanta o seu! #AtaqueDeOportunidade]

Por fim, na Terra-2 pré-Crise nas Infinitas Terras, os dois personagens foram casados e tiveram uma filha, Helena Wayne, a Caçadora. Essa ainda é uma das linhas temporais mais importantes da história da DC, mesmo que não esteja mais ativa. Nela, Bruce Wayne morreu quando Helena já era adulta.

Fiquem ligados no Terra Zero para mais novidades sobre o futuro de Batman e Mulher-Gato.