[Vendas] Explicando por que Batman vendeu mais que Secret Empire

Se você achava que a contagem de votos nas eleições presidenciais dos Estados Unidos era complicada, não se engane; tem muita coisa lá em cima que é um pouco difícil de a gente entender. Isso também se aplica às vendas mensais de quadrinhos.

Segundo a Diamond Comics, principal canal de distribuição da indústria norte-america (abrangendo os trechos ocupados por EUA e Canadá e até uma parte europeia, no Reino Unido), o 1º lugar ficou para Secret Empire #0, da Marvel. Não é bem assim. Apesar de as sagas da Marvel quase sempre venderem muito bem, elas são seguidas por um ser das sombras muito forte que, vez ou outra, se envolve nos principais eventos da editora concorrente: o Homem-Morcego.

Batman e Flash #21 em arte de Jason Fabok.
Batman e Flash #21 em arte de Jason Fabok.

Batman e Flash estão dividindo o protagonismo da saga The Button, que finalmente explicará como se deu a perda cronológica que causou o universo Novos 52, como mostrado na edição especial Universo DC: Renascimento. Há também o mistério do envolvimento dos personagens de Watchmen nesa história, o que já é suficiente para que a história seja um ótimo chamariz para vendas. E foi mesmo.

Não que Secret Empire não seja. Como já falamos em podcasts e textos aqui no Terra Zero, a Marvel está revirando seu passado de um jeito, de certa forma, inédito. As polêmicas envolvendo essas mudanças são suficientes para gerar ótimas vendas. E deu certo. Secret Empire #0 vendeu nada menos que cerca de 163 mil cópias. Um bom número, ainda mais se levarmos em conta que o mercado encolheu 13% em abril em relação ao mesmo período do ano passado.

Capa de Secret Empire #0 por Mark Brooks.
Capa de Secret Empire #0 por Mark Brooks.

Contudo, como sempre, as principais revistas lançadas em um mês nos Estados Unidos são acompanhadas de capas variantes. No caso de Batman e Flash, elas vieram com capas lenticulares. Portanto, a Diamond considera que estas versões das HQs sejam produtos diferentes. Ou seja, são a mesma revista, mas contabilizadas diferentemente por conta das capas.

Pode-se dizer que Secret Empire vendeu mais que essas revistas se este fator técnico não for levado em conta. O autor da saga, Nick Spencer, fez isso…

Print. Tuíte disponivel em https://twitter.com/nickspencer/status/860517582230638593.
Print. Tuíte disponivel em https://twitter.com/nickspencer/status/860517582230638593.

…Mas está errado.

Se somadas, as capas comum e lenticular de Batman e Flash #21 dão, respectivamente, 219.472 e 174.803 unidades. Ou seja, ambas vencem o somatório de Secret Empire, que está cerca de 10% abaixo da revista do Velocista Escarlate. Com isso, o Homem-Morcego novamente bate toda a indústria e comanda as vendas de abril. A diferença em relação à saga da Marvel é de cerca de 57 mil unidades e, como o Hollywood Reporter bem lembrou, esse número é maior que uma tiragem de um número de título menor, como, por exemplo, Deadpool vs. The Punisher (45 mil cópias). É um feito e tanto.

Isso não significa que o mês tenha sido ruim para a Casa das Ideias. Muito pelo contrário. Foi a primeira vez desde o fim do ano passado que a editora consegue emplacar títulos no Top 10 que venderam mais de 100 mil unidades. Estão lá Secret Empire #0, X-Men: Gold #1 e X-Men: Blue #1.

De qualquer forma, pelo menos por enquanto, a polêmica envolvendo Watchmen é mais lucrativa que a polêmica envolvendo o Capitão América e a Hidra. Veremos até quando.

  • Ogro da Floresta

    CHUUUUUUUUUUUUUUUPA, MARVECAIADA SAFADA, RAPÁIZIO!

    E com relação às vendas, quem se importa lambe porta. A edição do Batman pode ter ganho a briga, mas se não fosse a do Flash pra vir em seguida e dar mais “liga” à história (sem trocadilhos), ficaria só na seara do marketing stunt e acabou. Tomara que a The Button seja tão boa quanto o hype que a envolve, no final das contas.

    Se bem que… “No final? Nada termina, Adrian. Nunca termina.”

    • Neo

      Nada termina. Exatamente. Acho que o mistério vai ficar pra próxima.

  • Eduardo Faria Guimarães

    A verdade que a Marvel sempre manipulou o mercado e só agora as pessoas estão acordando,eu não duvido nada que nos anos 80 quando a DC estava em sua melhor época a Marvel ainda vendia mais.

    • Felipe Morcelli

      Vendia sim, Eduardo. Não há manipulação e to falando isso como deceneco. A Marvel sempre vendeu mais depois dos anos 1960. O Renascimento é a segunda vez que a DC passa meses na frente sem ser atingida pela Marvel desde aquela época. A primeira foi com os Novos 52, mas durou bem menos que o Renascimento tá durando.

      • Eduardo Faria Guimarães

        @felipemorcelli:disqus se a Marvel sempre vendeu bem por que essa manipulação agora? É isso que não entendo,o Renascimento representa uma grande ameaça a ponto dela ter que inflar os números?

        • Felipe Morcelli

          Calma, Eduardo, não tem manipulação nenhuma aí, velho. Teve confusão por parte de quem não entende essa numeração da indústria (a maior parte das pessoas, inclusive artistas) e má informação por parte da imprensa nacional. Só isso. Renascimento não é ameaça nenhuma, só tá dando certo em uma época em que a Marvel está toda dando errado. Eventualmente isso muda de novo

          • Caio Arthur

            Sim, Morcelli. É uma pena que até gente com experiência no mercado se confundi com as informações transmitidas pela Diamond. E é claro que isso diz muito mais sobre os consumidores e a mídia especializada que a própria editora.

            O Terra Zero tem feito um excelente trabalho contra a desinformação no mundo dos quadrinhos nesses últimos anos. Fico feliz de ainda haver portais assim, que cresçam ainda mais!!!

  • IDRIS ELBA RAMALHO

    Usar uma das maiores obras do maravilhoso Alan Moore!!!!!
    É claro que vai vender que nem água… ^^

  • Igor Tavares

    Enquanto não for desenvolvido um sistema de contabilização de vendas unificado e POR EXEMPLAR VENDIDO nos Estados Unidos continuaremos a ter este tipo de confusão. O sistema atual, que usa números de solicitações de varejistas da Diamond é arcaico e só contribui para acentuar esse clubismo cansativo e idiota entre os leitores das duas maiores editoras do mercado.

    • Ogro da Floresta

      Será que isso é tão importante assim? O número de vendas de um exemplar só é indicativo da sua popularidade (ou da eficiência do marketing da editora) e não necessariamente da sua qualidade.

      • Igor Tavares

        Concordo que qualidade e vendas andam caminhos separados. Entretanto, como formando em exatas e editor de um site especializado em quadrinhos acho extremamente benéfico um indicador de performance preciso para um número frequentemente debatido no nosso meio. Vira e mexe estamos aqui discutindo vendas nos baseando em dados mambembes e subjetivos.

        • Ogro da Floresta

          “Vira e mexe estamos aqui discutindo vendas nos baseando em dados mambembes e subjetivos”.

          Mais um motivo pra, talvez, não dar tanta importância pra isso…

          • Ale

            Acho que não tem importância para o leitor diretamente, mas temos que considerar que boa parte do custo é bancado pelos anunciantes, que se baseiam em desempenhos de vendas para decidir onde exibir seus produtos.
            Portanto, indiretamente, afeta o leitor. Se uma publicação vende menos, torna-se menos atrativa e recebe menos anunciantes.
            O resultado pode ser um aumento nos preços para o leitor ou o cancelamento do título.

          • Ogro da Floresta

            Não tô falando de títulos que vendem muito mal – que pode ser indicativo de público restrito, baixa qualidade ou marketing mal feito. Tô falando de quem tá no top 10, que já está em destaque ali. Talvez o incômodo com essa valorização excessiva dos números de vendas venha do que tem acontecido no cinema, com gente que antigamente só era fã de um personagem entrando no Box Office Mojo pra saber quem está na frente e usar essa informação para avaliar a qualidade do filme em si. Pode ser só um devaneio meu, mas acho que isso não deveria ser TÃO importante – pelo menos para nós.

          • Ale

            Independente do título vender bem ou mal, essa é a lógica dos anunciantes.

      • Adriano DeSouza

        Acredito que seja importante sim, a Marvel não investiria tanto até distribuindo revistas de graça pra continuar em primeiro lugar se não fosse. Talvez por razões de marketing, talvez porque a revista estar bem cotada nas vendas ajuda ela a vender mais – o tal “efeito cascata”. No Brasil, por exemplo, a Veja, que é a revista mais vendida do país, tem uma prática quase semelhante de dar muitas revistas de graça através de promoções como três primeiros de graça, fora os exemplares de cortesia – até porque o dinheiro maior deles não vem das vendas, mas da publicidade, é a revista com espaço publicitário mais caro do país. Pra eles é fundamental manter uma alta tiragem.