[Emulador de Críticas] Hail Hidra, Quebra do Símbolo, a Falácia do Tudo Mudou!

E aí, pessoal! Novamente, temos uma polêmica rondando a nossa arena de batalha na internet. Agora, o Capitão América se tornou um vilão e tudo que lemos durante os últimos 75 anos do personagem são uma mentira. Bem, mas calma. Talvez seja bom abrirmos um pouco mais a cabeça, para entendermos todos os lados dessa discussão.

O senhor Nick Spencer teve a brilhante (ou não) ideia de transformar o Capitão América em um agente da Hidra, organização que combate desde sua origem. Sendo tocado pela Kobic (uma forma de vida advinda do Cubo Cósmico) Steve Rogers, que estava envelhecido sem o soro do supersoldado, rejuvenesce — mas, por algum motivo, toma consciência de que sua memória foi alterada e de que, na verdade, ele é um agente da corporação que sempre combateu.

Na última quarta-feira (19), saiu a edição de Secret Empire #0, série que promete revelar os motivos do Capitão América ter se tornado um agente da Hidra e qual seu plano de dominação mundial. Até aí tudo bem. Estamos acostumados com mudanças de paradigmas e quebras de narrativas em grandes personagens. O Superman passa por isso uma vez à cada cinco ou seis anos. Faz parte.

Mas, para o Bandeiroso, isso é muito mais impactante e destrutivo para os seus leitores. Vamos aos fatos:

  • Capitão América foi criado por Joe Simon e Jack Kirby, ambos judeus;
  • Os leitores do Capitão América tem o personagem como um simbolo de luta pela liberdade. Suas aventuras eram lidas em front de batalha contra os nazistas;
  • A Hidra é uma corporação criada por chefiada Barão Wolfgang von Strucker e era uma divisão de operações nazista.
  • O personagem acabou se popularizando nas mãos de outro judeu, Stan Lee. Que, junto com Kirby,elevou o personagem ao patamar de ser um ícone de liberdade e do modo de vida americano.

Os elementos acima deixam claro alguns dos motivos de tantas reclamações na internet e de sites especializados por conta da mudança de status quo do personagem. O Capitão América é um símbolo quase que imutável dentro dos quadrinhos. Steve Rogers, por várias vezes, já deixou o manto de Capitão América. Mas, em todas as vezes que fez isso, foi devido ao personagem entrar em conflito com o governante, que ia contra as ideias de american way of life, que tanto é defendido pelos habitantes da terra do Tio Sam.

Mas tudo tem um porquê.

Spencer, ao instigar o leitor a acompanhar a quebra do simbolo americano, tem um alvo gigantesco, e ele está ocupando o cargo máximo dentro da cadeia política do EUA. O escritor do Capitão América vem trabalhando em duas frentes diferentes. Ele está escrevendo Sam Wilson, um bandeiroso afro-americano, com liberdade para lutar pela população estadunidense, que foi inspirado por um herói que lutou durante a Segunda Grande Guerra e busca honrar o símbolo poderoso que carrega em seu peito. Em contrapartida, a mudança brusca de Rogers tem como ideal mostrar que todo ícone pode ser corrompido, que muito poder nas mãos de uma pessoa é um passo para a desgraça. O roteirista, em suas HQs, demonstra segurança e ótima narrativa na sua concepção do personagem. Não deixa pontas soltas.

Toda essa história do Capitão América vira um barril de pólvora quando o EUA vem de uma processo de eleições muito doloroso, em que seu vencedor é questionado por pessoas de todo planeta, por sua retorica, durante a eleição, ter sido basicamente o discurso de ódio. Se pararmos para analisar, essa mesma foi a mesma tática foi utilizada por Adolf Hitler durante a Segunda Guerra Mundial e, veja só, Steve Rogers combateu esse ditador nas suas páginas.

Compreendem como Spencer está usando este Steve Rogers corrompido para expressar como os estadunidenses estão traindo o própria ideia de criação do personagem e destruindo o sonho americano, que é a representação do Capitão criado por Kirby e Simon, mais tarde conduzido por Lee?

Socar o Nazista, um clássico
Socar o Nazista, um clássico

Spencer está tocando numa ferida exposta de seus compatriotas? Sim, óbvio. Entretanto, muita gente não está indo além da camadas rasas da crítica e está olhando apenas um aspecto da questão. Você, leitor, tem toda razão em ficar bravo com essa mudança, pois ela é uma quebra do símbolo do personagem. É uma crítica aceitável. O Capitão América é uma ideia muito forte dentro da cultura pop e uma mudança como essa é horrível. Eu, pessoalmente, não gosto desta ideia polêmica, criada para vender essa HQ. Mas, se serve de consolo, não se preocupe, nada é para sempre nos quadrinhos.

A história pensada por Spencer tem inicio, meio e fim. As mudanças acerca do Capitão América ser um vilão não vão durar. Pensar diferente disso é uma falácia! Já estamos acostumados com coisas assim. Passamos pela Era do Apocalipse, pela Era de Ultron, por Heróis Renascem e eventos afins. O Capitão América vai voltar a defender a bandeira dos Estados Unidos, e esse conto de Bandeiroso agente da Hidra vai ser mais uma história bizarra com a qual você tomou contato durante sua vida de leitor de quadrinhos.


Até a próxima e a dica é: Spencer, para de falar merda no Twitter e te preocupe em escrever. Tu tá dando mais munição para o teus inimigos que se defendendo.