[Review] American Gods: Shadow #1

American Gods, ou Deuses Americanos, é uma das obras mais aclamadas de Neil Gaiman. Nela o autor usa a sua habilidade de transformar o abstrato em algo palpável e comum. Desta forma, através da mitologia de vários povos e de uma viagem de carro, explica os Estados Unidos ao leitor.

Como leitora do livro, sei que adaptar a obra para uma mídia visual exige tanto coragem quanto habilidade. Coragem porque o livro usa de sexo, violência e realismo fantástico para a narrativa. Habilidade para conseguir usar estes elementos, além do fato de Shadow ser um personagem que eventualmente transita entre uma realidade e outra. E somam-se a isto, todas as tramas paralelas que se passam em diferentes locais e épocas.

Com a história de Neil Gaiman, temos o roteiro de P. Craig Russel e arte por Scott Hampton neste quadrinho publicado pela Dark Horse.

Em termos de roteiro, creio que a história foi bem adaptada. Tudo pode parecer lento no começo, mas o livro começa assim e também há a  divisão entre a narração e os diálogos.

Recomendo ao leitor prestar atenção em todos os personagens, pois não sabemos quais deles podem ser usados mais para frente na história.

Na primeira edição somos apresentados ao personagem e ao coadjuvante principal, Wednesday. Aqui é onde se desenvolverá a relação mais interessante da história. Entretanto, como leitora do livro achei que nesta adaptação faltou carisma ao Wednesday, mas vamos ver o que acontece…

Tenho que destacar a parte da Bilquis aqui. Acredito que o artista foi extremamente bem sucedido ao transpôr a cena do livro para os quadrinhos.

Falando em arte, Hampton apresenta uma arte competente. O ilustrador consegue fazer um Shadow como descrito no livro, não apenas em aparência, mas também em expressões apáticas. Os ambientes em que ele está são muito bem colocados. Entretanto na cena de sonho, faltou algo. A ideia de sonho e de transição de uma realidade para a outra ficou vaga.

American Gods: Shadow #1 é a primeira parte da adaptação em quadrinhos de um livro vencedor de prêmios como o Hugo e uma das mais conhecidas obras de um dos maiores escritores contemporâneos. A tarefa não é fácil.

Nesta edição, o quadrinho foi competente, mas inferior ao livro. Entretanto é uma boa leitura e estou curiosa para ver a continuação desta adaptação.