[Universo em Crise] O Guardião (Parte 2)

Olá, Zeronauta! Vamos à segunda parte do nosso artigo sobre o Guardião! Caso queira ler a parte anterior, visite-a aqui!


O Guardião da Era de Bronze

Um dos eventos que delimitam o final da Era de Prata e o início da Era de Bronze dos quadrinhos foi o “Rei” Jack Kirby indo trabalhar para a DC Comics e criar as revistas relacionadas ao seu universo denominado Quarto Mundo. A primeira dessas revistas foi Superman’s Pal, Jimmy Olsen #133, de dezembro de 1970. No começo da história dessa edição, o fotógrafo ruivo topa com a Legião Jovem.

Arte: Jack Kirby
Arte: Jack Kirby

A equipe de garotos agora tem um novo integrante, um afro-americano chamado Walter Johnson Jr. Seu apelido é Flipper Dipper, também chamado de Flippa Dippa ou somente de Flip. No Brasil, foi chamado de Scuba. Ele é aficionado pela atividade de mergulho e anda sempre com o traje completo de um homem-rã: máscara de mergulho, pés de pato, cilindro de oxigênio etc.

Arte: Jack Kirby
Arte: Jack Kirby

A Legião dos Jornaleiros está com seu novo veículo, o Whiz Wagon, um carro futurístico que é capaz de voar ou se mover tanto embaixo d’água quanto na superfície. Jimmy Olsen parte com os garotos e eles exploram a chamada Área Selvagem próxima de Metropolis. O Superman os encontra e conhece o Habitat, a Montanha do Julgamento e os Cabeludos. Até chegarem ao Projeto DNA, que no pós-Crise nas Infinitas Terras seria renomeado para Projeto Cadmus.

Na edição #133, os garotos da Legião Jovem revelam a Jimmy que são os filhos dos membros da Legião dos Jornaleiros original. Na edição #135, os garotos encontram com seus pais que trabalham no Projeto DNA, incluindo o pai de Scuba. Tommy agora é um médico, Gabby é um professor, Gênio é um geneticista e Faísca é um assistente social.

Todos os super-heróis da Era de Ouro habitavam a Terra-2 do Multiverso pré-Crise nas Infinitas Terras e os da Era de Prata viviam na Terra-1. Ocorre que as histórias que Kirby escreveu para o Quarto Mundo instituíram que existiram um Guardião e uma Legião dos Jornaleiros durante o período referente à Era de Ouro tanto na Terra-2 quanto na Terra-1.

No Projeto DNA, conseguiram uma amostra de tecido de Jimmy Olsen e fizeram vários clones dele que são trabalhadores no enorme complexo subterrâneo. Em uma área escondida, Símio e Mokkari, dois servos de Darkseid, criam um clone modificado de Jimmy. Esse clone tem por volta de 6 metros de altura e sua pele é verde por conter kryptonita. Eles o enviam para matar o Superman. Como o Homem de Aço é incapaz de deter a ameaça, a Legião Jovem original liberta um clone de Jim Harper para dar conta do recado e o chamam de Guardião Dourado. Esse novo nome não dura muito e logo ele passa a ser chamado somente de Guardião. Mesmo O Jim Harper clone não consegue vencer o monstro, entretanto ele é derrotado por minúsculos soldados que são clones de Faísca.

Na verdade, Kirby queria que o Capitão América retornasse como um clone do original para se juntar aos Vingadores. Mas Stan Lee achou isso bizarro para os leitores e o Capitão América foi encontrado, pelos Vingadores, congelado desde a Segunda Guerra Mundial. Mais tarde, quando Kirby foi para a DC, ele utilizou essa sua idéia no Guardião.

Em Superman’s Pal, Jimmy Olsen #136, a Legião dos Jornaleiros original revela o destino do verdadeiro Jim Harper. Eles perderam contato quando se tornaram adultos e cada um seguiu seu caminho, Harper foi transferido para outra delegacia e se tornou detetive. Há alguns anos eles foram convocados por Harper que estava em seu leito de morte devido a ferimentos causados num caso de criminosos fugitivos. Ele assumiu antes de perecer que era o Guardião e, como Tommy e os demais não aceitavam sua morte, pegaram uma amostra de tecido dele e o clonaram. É nesta edição que somos apresentados a Dubbilex, que se tornaria um personagem constante nas aparições do Cadmus.

Nas edições #142 e 143, a Legião Jovem encontra o homem responsável pela morte do Jim Harper original. Ele fazia parte da Intergangue e estava escondido num bunker no subsolo de Metrópolis. Os garotos pretendem levar o bandido à justiça, todavia ele tenta fugir e aciona uma armadilha numa saída, uma bomba explode matando-o. A Intergangue queria que ele permanecesse escondido ali e colocou armadilhas nas saídas para matá-lo caso ele desobedecesse às ordens e tentasse sair.

E o Beco do Suicídio foi anexado definitivamente a Metropolis. Foi feito um retcon nessas edições e o bairro passou a ser parte da Cidade do Amanhã. Aliás, Beco do Suicídio era uma alcunha, o nome verdadeiro do bairro era Southside. Mais tarde, surgiu um novo super-herói no Beco do Suicídio, o Raio Negro.

Arte: Rich Buckler e Frank Springer
Arte: Rich Buckler e Frank Springer

Caso queira saber mais sobre essa fase, leia os artigos abaixo:

Dossiê Quarto Mundo: Tudo começa no Esplendor da Juventude

Dossiê Quarto Mundo: Clonagem, DNAliens e Relações entre as Histórias

Dossiê Quarto Mundo: Símio, Mokkari, o Projeto e a Fábrica do Mal!

Por hoje ficamos por aqui, Zeronauta! Até a próxima!