Monstagem com Mel Gibson e o Esquadrão Suicida feita pelo IGN.

Mel Gibson pode dirigir Esquadrão Suicida 2

Independentemente dos problemas na produção do primeiro longa, a Warner Bros. parece continuar interessada em fazer um Esquadrão Suicida 2, ainda mais depois de uma ótima bilheteria obtida nas telonas. Ainda não há data certa para isso acontecer, especialmente porque Gotham City Sirens (um spin-off de Esquadrão com a Arlequina no comando da trama) deve sair antes. No entanto, o estúdio vem cortejando diretores importantes para darem andamento na franquia original.

Recentemente, o nome de Daniel Espinosa circulou entre os favoritos da Warner. Apesar do nome latino, Espinosa é sueco, nascido em Estocolmo, e fez sua carreira cinematográfica por lá. No início da década ele mergulhou de vez no mercado hollywoodiano e produziu, nos últimos cinco anos, os thrillers Detenção de Risco e Crimes Ocultos. Ambos tiveram receptividade morna da crítica. Nomes como os de Jonathan Levine (Sexo, Drogas e Jingle Bells) e Ruben Fleischer (Zumbilândia) também vieram à tona, mas mais importante do que eles e mais próximo da realidade da Warner é o nome do australiano Mel Gibson.

O ator e diretor dispensa apresentações. Com uma bem-sucedida carreira na frente e atrás das câmeras, Gibson colecionou sucessos na carreira. Quantos filmes são possíveis de mencionar? Máquina Mortífera? Coração Valente? Mad Max? O Patriota? Teoria da Conspiração? Sinais? Apocalypto? Paixão de Cristo? Até o Último Homem? É muita coisa, estando ele dirigindo os filmes ou não. Por outro lado, afirmações recentes do sempre polêmico cineasta colocam em jogo sua contratação.

Em 2016, logo no começo do ano, ele disse o seguinte sobre filmes de super-heróis:

Alguns são bons, alguns são engraçados…. Guardiões da Galáxia, por exemplo. Ou o primeiro Homem de Ferro. Alguns são como ir a um retiro de descanso. Dá pra assistir Homem-Aranha umas cinco vezes, por exemplo…. É um tipo diferente de filme. Mas o que vejo hoje é que em todos os filmes a pessoa [diretor] não pode colocar seu nome na abertura como era antes. Os negócios são diferentes, agora.

As coisas não param por aí. Na mesma entrevista, que foi dada ao Guardian, Gibson confirmou que chegou a ser cotado para interpretar Odin nos filmes do Thor e até para dirigir um possível Homem de Ferro 4, muito graças à amizade que ele e Robert Downey Jr. têm até hoje. Não rolou.

Foto promocional de Batman vs Superman.
Foto promocional de Batman vs Superman.

Mas as coisas esquentaram mesmo quando ele convidado a falar sobre Batman vs Superman – A Origem da Justiça para a revista Entertainment Weekly quando começou a divulgar Até o Último Homem, seu novo filme (que está concorrendo ao Oscar deste ano):

É uma merda. Não quero saber deste tipo de coisa. Sabe qual é a diferença entre super-heróis de verdade e super-heróis de gibis? Os verdadeiros não precisam vestir spandex. Sei lá, spandex deve ser um negócio muito caro. (….) Eu vejo estes filmes e fico encafifado. Tem muito desperdício, mas talvez se eu filmasse um desses filmes com fundo verde eu mudasse de opinião…. Fico com a impressão de que poderiam fazer mais com menos. Gasta-se 100 milhões ou mais nessas coisas, não sei como conseguem lucrar em cima disso sabendo que ainda há impostos, as redes de cinemas e tudo mais. O que realmente admitiram terem gastado em Batman vs Superman?

Os comentários de Mel Gibson são interessantes, pois, apesar de qualificar o filme como uma porcaria, ele parte para o lado comercial da coisa no meio da resposta. Talvez, seu incômodo venha mais da sobrevivência da indústria vir de filmes assim (que custam quantias cada vez mais exorbitantes de dinheiro), do que com o filme em si. Agora, fazendo um balanço entre todos os seus comentários e seu próprio histórico de interpretando ou dirigindo heróis (William Wallace, Max Rockatansky, Sgt. Martin Riggs, Ben Martin, Reverendo Graham Hess etc), fica difícil imaginar que ele passará o resto da vida recusando filmes de super-heróis. Esquadrão Suicida 2 pode ser justamente a quebra de tabu que ele precisava.

O tipo de filme cai no gosto de Gibson. Vamos aos fatos:

  • Os personagens do filme, salvo exceções, não têm superpoderes;
  • Os personagens do filme, salvo exceções, não vestem spandex;
  • O filme envolve tramas governamentais, mas tem muito bom humor e ação;
  • Há redenção de personagens, mesmo que todos fiquem numa área bem cinza entre o certo e o errado;
  • Dá pra fazer uma sequência com orçamento menor e roteiro mais pé no chão.

Ou seja, para as exigências que o diretor normalmente costuma ter — e isso é dito baseado no seu histórico profissional e nas suas recentes afirmações sobre a indústria — Esquadrão Suicida 2 pode ser exatamente o projeto que ele quer. E, claro, Mel Gibson pode ser justamente o diretor que a Warner precisa para recuperar o prestígio da franquia.

Corroborando tudo isso está o próprio ator, que afirmou na noite de ontem estar tendo “um primeiro encontro” com a Warner em breve. O jornalista Justin Kroll, da Variety, afirmou poucos minutos antes da publicação desta matéria que Gibson não está muito interessado na história, mas, sim, no elenco e nos personagens. Ele e Will Smith também são grandes amigos e já quase trabalharam juntos em um projeto que acabou nas mãos de Ben Affleck (O Contador) E mais: a Warner está num ponto de dizer que, se Mel aceitar, o filme já é dele. Agora, cabe ao australiano decidir.

  • Da Roça

    Queria muito que ele dirigisse o filme.

  • Eduardo

    Dado o perfil de Mr. Gibson, ele poderia ou fazer (1) Pistoleiro com Will Smith; (2) Pacificador ou (3) Xeque-Mate.

  • Neo

    …mas talvez se eu filmasse um desses filmes com fundo verde eu mudasse de opinião

    Quem sabe esta não é a chance?

    O que ficaria melhor em Esquadrão Suicida é se colocassem eles como VILÕES, e não como anti-heróis. Essa história de família, amizade não combina muito com esses tipos de vilões.

    “…Gibson não está muito interessado na história, mas, sim, no elenco e nos personagens”. Bem, aí fica uma dúvida: se ele dirigisse ES2 qual tipo de história ele contaria com esses personagens? Será que usaria elementos dos quadrinhos?

    Se ele aceitar acho que teríamos um filme de “quadrinhos” não tão quadrinhos, sem muita conexão com “super-heróis”. Contaria uma história própria de criminalidade, missões secretas, trabalho sujo do governo… questões mais políticas e com “violência”. Não sei se sairia um filme do mundo de “fantasia” do universo de super-heróis.

  • Felagund

    Cresci vendo os filmes desse cara, e apesar das polêmicas e das absurdas declarações recentes, continuo fã dele como ator e diretor. Por mim seria ótimo. Desde que ele tenha liberdade criativa para fazer o trabalho