ComicPod #148 – Quadrinhos Nacionais de Ficção Científica

What’s up, Comiqueiros! Sejam bem-vindos a mais um ComicPod! Neste episódio, ‘Pab’ Sarmento, Leandro Damasceno e Delfin recebem Octavio Aragão e Liber Paz para falar sobre os quadrinhos de ficção científica nacionais! Nesse podcast, descubra as origens, o presente e o futuro da ficção científica brasileira!

148

Assine nosso Feed em: https://itunes.apple.com/br/podcast/terra-zero-portal-sobre-quadrinhos/id983115208

 

Acesse os trabalhos de Liber Paz

Ficha técnica:

  • Apresentação: Pablo Sarmento
  • Pauta: Leandro Damasceno
  • Edição de áudio e Trilha: Luis Paulo Silva
  • Vitrine e capa: Diego Bachini

Terra Zero e ComicPod nas Redes Sociais:

twitter cpfbt0cpytt0cptwitter t0fbfdatmblrt0

Ouça o podcast no nosso player ou baixe o arquivo MP3 através do link acima. iTunes Para assinar o ComicPod no seu iTunes basta acessar este link!

  • Parabéns, excelente trampo, como sempre

  • MUITO, MUITO BOM!

  • Murpf

    Mais um ComicPod POHA! AAAAAEEEEEEOOOOOOOOO!!!

  • Moroni Machado

    parabens muito massa

  • Moroni Machado

    Acho que day tripper pode ser considerado fantasia. Mas pode ser ficção cientifica por causa do conceito do gato de schrodinger.

  • Viagens Maravilhosas do Dr. Alpha ao Mundo dos planetas é um romance ilustrado publicado em capítulos na Tico-Tico, Audaz, o demolidor é uma das primeiras HQs sobre robôs gigantes, a primeira foi um arco de Federal Men de Jerry Siegel e Joe Shuster publicado em 1936, o Astronauta foi o personagem que mais teve histórias no MSP 50, no primeiro volume, o Jean Okada fez uma história sobre o primeiro voo dele com um tom mais hard, no sergundo, tem uma história do Gian Danton desenhada pelo JJ Marreiro com um tom retrô (inspirado na revista Planet Comics, Perryh Rohdan, Star Trek clássica, entre outros). No álbum Ouro da Casa (releituras de autores do estúdio), tem uma história do Aluir Amâncio, que antes de trabalhar com a DC/Warner, foi desenhista da MSP e da Disney da Abril, Spiral Zone e Zone Riders é o mesmo desenho, dizem que foi exibido com os dois nomes no Brasil. A Hemeroteca da BN disponibilizou o acervo da revista Tico-Tico e o Senado Federal disponibilizou dois livros do Athos Eichler Cardoso (citado pelo Octavio) em pdf gratuitamente, um sobre o Agostini e outro sobre O Tico Ticobasta procurar no site do Senado.

    • Rod

      Graphic Marvel 9 da Abril também é romance ilustrado pra vc?

    • Dr Alpha é uma historia serializada (tais como as publicadas em folhetins, dime novels, penny dreadful, pulp ou revistas de emoção como o Athos Eichler gosta de chamar) mas longe ser uma HQ, os gringos publicaram o que eles chamam de text story em revistas em quadrinhos, é o caso de Lt . Jon Jarl of the Space Patrol do Otto Binder, publicado na revista do Capitão Marvel e Konar the Barbarian de Robert M. Hyatt, ilustrado por Edward Cronin, os japoneses tem o que eles chamam de light novels, que são romances em estilo mangá inspirado nas revistas pulps, isso sem falar nos Big Little Books (ou tijolinhos), que geralmente pegavam artes das tiras de jornal com textos, mas não são considerados quadrinhos.

  • San Ramon

    Programa excelente.

  • O Octávio citou o Superman como o primeiro super-herói dos quadrinhos, no Japão teve em 1930, o Fantômas (Ogon Bat), que surgiu em kamishibais (uma espécie de teatro com ilustrações), mas logo seria adaptado para os quadrinhos, cinema e animações, o desenho tinha elementos de FC e foi feito depois da chegada dos heróis americanos nos quadrinhos e na TV.

    • Rod

      O primeiro foi o Oscar do Gustavo Barroso!

  • A Garra Cinzenta de 1937 a 1939 também tem elementos de FC, ele lembra o Fu Manchu e também era perseguido por uma dupla de polícias (Fu Manchu era perseguido pelo policial Denis Nayland Smith e o Doutor Petrie), tinha um robô, um gorila com um cérebro humano, entre outros elementos, Francisco Armond nunca foi identificado, A Garra Cinzenta foi desenhada por Renato Silva, mas teve outra HQ do roteirista por Messias de Mello chamada “O Enigma do Espectro de James Hull”, também publicada em A Gazetinha.

  • Vocês comentaram sobre o ator Felipe Folgosi (atualmente na Record), ele está com uma segunda HQ no Catarse, Comunhão, que dessa vez é de terror, ele havia telenovelas que podem ser consideradas como mezzo fc, em Olho no Olho, ele era um paranormal, na Trilogia dos Mutantes da Record (cujo criador foi colaborador de Olho no Olho), ele interpretada um detetive que entravam pra um departamento de polícia especializado em mutantes, o roteiro de Aurora era para o cinema, o Klebs adaptou e é creditado como coautor, o mesmo Klebs publicou Pátria Armada (onde uma guerra química em uma realidade alternativa cria mutantes, que seria publicada em 2000 pela Brainstore como “Tropa de Choque 1994”, mas acabou sendo cancelada, quando elementos de fc, terror ou fantasia aparecem em telenovelas, a imprensa especializada usa o termo realismo fantástico.

  • Vocês divulgaram no site, mas acabaram não citando as antologias inspiradas em O Chamado de Cthulhu e no gênero Space Opera da Draco.

  • Vlad

    Caramba, gente, que papo gostoso de se escutar!

  • Tinha esquecido, o Gian Danton fez um roteiro de Dan Dare, quadrinhos de ficção científica clássico do Reino Unido e uma fanfic da série alemã Perry Rhodan chamada O Portal das Probabilidades, em 1997 ele apresentou a dissertação de pós-graduação em comunicação social chamada A divulgação científica nos quadrinhos: análise do caso Watchmen, onde cita outros exemplo de fc em quadrinhos.

  • José Aguiar

    Podcast eletrizante! Aprendi muito e fiquei instigado a ler muita coisa citada! Parabéns! Façam mais programas com essa pegada!

  • A EBAL publicou quadrinizações duas proto-fcs: A Amazônia Misteriosa de Gastão Cruls (1925) e República 3.000 ou A filha do inca do Menotti del Picchia (1930), ambas publicadas na revista Edição Maravilhosa, o Max Yantok, criador do Kaximbown em O Tico-Tico, publicou uma HQ de FC na revista Capitão Z #81 da EBAL em 1959 chamada “Do Rio a Marte”.

  • A Draco tem feito algumas, inclusive de quadrinhos.

  • Rod

    claro q eh!

  • Rod

    Dr Alpha era quadrinhos sim, eram desenhadas em uma página com texto e ilustrações, mas tinha uma sequência gráfica, se for republicada em um álbum especial todos vão ver que é uma História em Quadrinhos, sim. Por exemplo teve uma HQ do Surfista prateado que segue essa mesma linha, foi publicada na revista Graphic Marvel 9, da editora Abril, a HQ do Dr. Alpha é a mesma coisa.
    Dr. Alpha foi criado em 1905, no ano seguinte, foi plagiado na França:
    http://primeirossuperherois.bl
    O Buck Rogers também repetiu elementos do Dr. Alpha:
    http://primeirossuperherois.bl
    O Audaz foi o primeiro robô, gigante ou não, protagonista de uma HQ, antes dele teve o robô Sabbádo, que também foi o primeiro herói negro do mundo, que era assistente do Kaximbown, que no começo não era uma HQ somente cômica mas também de ficção científica, por Max Yantok, no Tico Tico, em 1910.
    http://primeirossuperherois.bl
    http://primeirossuperherois.bl
    Décadas depois, Yantok retomaria a ficção-científica, em seus últimos trabalhos na Ebal:
    http://primeirossuperherois.bl
    O Luke Harry do Messias de Melo, e o Dr. Thunders, do Max Yantok, também era, ficção-científica. Dr Thunder era em traço sério, diferente de outros trabalhos do Yantok:
    http://primeirossuperherois.bl
    http://primeirossuperherois.bl
    O Spot e Al Punjo, de Osvaldo Storni, de 1936, são típicos aventureiros em histórias de ficção-científica:
    http://primeirossuperherois.bl
    http://primeirossuperherois.bl
    No Tico-Tico teve outros personagens menos conhecidos de ficção-científica:
    http://primeirossuperherois.bl
    http://primeirossuperherois.bl
    Eu pensava que o primeiro grupo de super-heróis brasileiros espaciais dos quadrinhos tinha sido a Patrulha do Espaço, do Gedeone Malagola, a partir de 1953, com algumas HQs recentes. Na matéria que escrevi também cito a Liga dos Planetas, de Albino José Ferreira Coutinho, que foi o primeiro grupo de super-heróis brasileiros espaciais dos livros e talvez do mundo.
    http://primeirossuperherois.bl
    Depois descobri a Patrulha Sideral, do Nico Rosso, que é ainda mais antiga, de 1949:
    http://quadrosaovivo.blogspot….
    Existe ainda um grupo mais antigo, que vai mais na linha infantil os Encarregados do Trafego Celeste, de autoria de J. Carlos, em 1910!
    http://primeirossuperherois.bl
    Teleco, que depois faria parceria com o Tim, o primeiro personagem do Ziraldo, também fazia viagens pelo espaço, em 1949:
    http://primeirossuperherois.bl
    E o Super-Homem NÃO é o primeiro super-herói do mundo, temos o Oscar no Brasil, 32 anos antes:
    http://quadrosaovivo.blogspot….
    Também há diversos personagens indígenas brasileiros na ficção científica, em livros ilustrados (Tibicuera, Somanlu) e quadrinhos (Timbira, Itaí), entre outros:
    http://primeirossuperherois.bl
    O Chefe Integralista, Plínio Salgado, publicou um livro com elementos de HQ e ufologia, “7 Noites de Joãozinho”, e Adamus, um conto de ficação científica:
    http://primeirossuperherois.bl
    Em livros há muita ficção científica brasileira, desde os tempos do Império, onde até mesmo o Dom Pedro II participou de um conto sendo viajante do tempo!
    http://primeirossuperherois.bl
    http://primeirossuperherois.bl
    O Brasil tem tradição em histórias pulp sim, depois vou fazer uma matéria sobre alguns personagens pulp nacionais, o mais famoso, Garoto Cipó, durou quase uma década!
    Moto-Laser foi plagiado de um quadrinho brasileiro obscuro do Carlos Zéfiro quando ele trabalhava em uma revista Integralista, o personagem chama Chico Ventania e tinha uma moto cibernética chamada Florisbela em 1939:
    http://primeirossuperherois.bl

  • Isaura Luiza Paramysio

    Poxa, amei o programa até mesmo porque temos um grande problema de memória.
    Lembro que quando comprei O Garra Cinzenta passei algumas noites tentando achar o Audaz pelo furor que me deu ver algo antigo e nacional, busca frustada.

    Falando do Jean Okada, queria muito ler Exploradores do Desconhecido, mas quando ouvi falar da obra, porém o site tinha saído do ar.

  • Isaura Luiza Paramysio

    A Cidade e a Cidade de China Mieville tem capa na edição nacional do Fábio Cobiaco (Mayo), pai de Pedro Cobiaco (Harmatã, A Ilha do Tesouro).

  • Isaura Luiza Paramysio

    Sobre o Beyruth.
    Eu gostei do Singularidade mesmo sendo o fc mais tradicional.
    E, desculpa aí galera, mas Bando de Dois é (do que peguei) o trabalho do Danilo que menos gosto, achei muito “Ah… bem desenhado, mas…. é só isto?”

    Ah…. comprei “Para tudo se acabar numa Quarta-feira”, gostei muito.

    Sobre memória eu agredido que além de pegar os acervo e levar para as grandes bibliotecas, eu acredito muito no meio digital, tipo a Hemeroteca Nacional que guarda o Tico-Tico e disponibilizar o digital.
    Até sites que trabalham com stream podem fazer (como a Fantagraphic) um dinheirinho.

  • Um dos melhores episódios! Parabéns!

  • Pingback: ComicPod #382 – Trabalhos Acadêmicos e Quadrinhos | Terra Zero - Notícias, Quadrinhos e ComicPod()