[#CasoBerganza] Surgem novas informações sobre caso de abuso

Novos detalhes estão surgindo sobre os incidentes envolvendo Eddie Berganza, editor da DC Comics. Especificamente sobre as acusações de assédio sexual ligadas ao seu nome, que estão sendo trazidas a tona desde a demissão de Shelly Bond.

A primeira acusação que veio à tona partiu de Janelle Asselin, uma editora e escritora freelance que trabalhava na DC até 2011. Asselin soltou uma série de tweets na última semana sobre o tempo em que esteve trabalhando para a editora. Ela disse que, apesar de nunca ter sido tratada de forma inapropriada por Berganza, “esteve ciente” de várias acusações contra o editor. Outras fontes que trabalharam para a empresa na época alegaram que estavam cientes do comportamento inapropriado de Berganza em relação a homens e mulheres nos escritórios da DC.

Captura de Tela 2016-04-25 às 21.02.39

 

De acordo com Asselin, depois de sua denúncia em 2010, o departamento de recursos humanos da DC começou a investigar as acusações. Asselin alegou que esteve pessoalmente ciente de oito pessoas que compartilhavam suas acusações. Ela não soube o resultado do inquérito na época, e deixou a DC em 2011. “Eu saí porque eles promoveram ele mesmo assim”, ela disse em um tweet na última quarta-feira.


Asselin também alegou que outra queixa foi feita contra Berganza por algo que aconteceu na WonderCon em 2012, depois de sua saída da editora. As fontes afirmaram que o incidente ocorreu no lobby do hotel, durante o evento, envolvendo o editor, que teria agarrado a namorada de um dos escritores e forçou sua boca contra a dele.

A novidade é que fontes do Newsarama afirmam que o incidente não foi reportado à polícia, mas sim a Bob Harras, editor-chefe da DC Comics. Ele pessoalmente tomou as providências para iniciar uma investigação interna em vez de recorrer às autoridades – o que por si só é quesdtionável, já que assédio sexual é crime também de acordo com a legislação dos EUA. As fontes alegam que mais de um executivo da DC pediu o desligamento de Berganza na ocasião. Os contatos daquele site, entretanto, não souberam informar porque a pressão interna diante dos fatos não surtiu efeito em 2012.

Em 2012, o escritório da DC ainda era em Nova York, mas segundo as fontes, o departamento legal da Warner Bros. foi envolvido. Berganza foi suspenso de seu trabalho por duas semanas, de acordo com Asselind. Depois disso, foi público o rebaixamento de seu cargo de editor executivo para editor da linha Superman, e ele não teve mais autorização para participar de convenções por tempo indeterminado. Recentemente Berganza voltou a ser visto em eventos de quadrinhos, mas até o momento ele mantém seu cargo dentro da editora.

“Não houveram quaisquer outras alegações de novos incidentes desde então”, disse Asselin.

WP Twitter Auto Publish Powered By : XYZScripts.com