[Terra Dez] As coisas mais legais do DC Rebirth

A DC Entertainment tomou conta da Wondercon 2016 ao fazer uma grande conferência para anunciar o DC Rebirth. Este movimento da editora trata-se de uma iniciativa editorial para renovar sua linha de títulos e fazer alguns acertos na cronologia estabelecida em 2011 com o selo Novos 52. Novos títulos, novos criadores e até novos personagens tomarão conta do Universo DC a partir de junho deste ano nos Estados Unidos.

Vale lembrar que o DC Rebirth começa de fato em maio, com a edição especial de 80 páginas DC Universe: Rebirth. Este one-shot terá roteiros de Geoff Johns e arte de Gary Frank, Ivan Reis, Phil Jimenez e Ethan Van Sciver. Confira abaixo a primeira arte de divulgação:

CefhYQAW4AAVu-_

Após listar todos os lançamentos do DC Rebirth, dez membros da redação do Terra Zero elencaram os anúncios mais bacanas feitos pelo editora no último sábado (26):

Delfin:

Gostei de Supersons. Demais. Também acho que a volta do Ted Kord é uma amostra imensa de como a morte faz um bem danado para carisma de alguns personagens. Acho que ele é a prova viva (hehehe) disso.

Batgirl por Rafael Albuquerque é uma virada e tanto nos rumos do personagem, visualmente falando. Como não dá para esquecer da polêmica capa variante do ano passado, acho que o roteiro tem de ser ótimo para que não haja nenhuma chance de estigmatização dele em relação à personagem.

Acho que esse Lex Luthor Superman tende a ser uma bomba. Tomara que eu esteja queimando a língua, mas algo me diz que não.

E o Constantine, quem diria, tá mais cabeludo. Deve ter ido cortar o cabelo no Jassa ;)

Dico:

Em tópicos:

  • DC Universe Rebirth: Quero saber que mão é aquela do teaser;
  • Action Comics: Curiosíssimo para ver por que o Luthor está vestindo o “S”;
  • New Super-man: O “S” feito com kanjis ficou lindo, vou acabar lendo por isso;
  • Wonder Woman: Greg Rucka!;
  • Detective Comics: Tim Drake na capa com uniforme clássico porém sem deixar de ser Red Robin (são dois “R” no peito)
  • Batgirl & Birds of Prey: Felícissimo pelo retorno dessa equipe. Pelo visto, a Oráculo estará presente, só falta saber como;
  • Batman Beyond: Gosto muito do McGinnis;
  • Trinity: Hype do filme e Manapul envolvido;
  • Green Arrow: Barbicha! Potencial pra retornar á melhor encarnação do personagem;
  • Blue Beetle: Keith Giffen e Ted Kord de volta. Dá até para aturar o Jaimito;
  • Justice League: Os dois títulos. Torcendo para o título misterioso ser com o Jonathan Hickman;
  • Teen Titans: Sempre que houver uma nova linha dos Titãs eu lerei torcendo para que dê certo, mesmo tendo foco no Damian;
  • Titans: Juntar os heróis amadurecidos pode ser legal. E mais: Donna Troy!;
  • Super-Sons: Parece bem divertido.

Erika Athayde:

DC Renasce no terceiro não-reboot. Johns (e eu) parece feliz que o legado voltou, parece que o leitor realmente é o foco, e realmente parece ser algo focado em quadrinhos, não em “produtos”, se é que da pra ver a diferença.

Ethan Van Sciver tem mau gosto.

Bat-livros vão ser bat-livros, Asa Noturna deixa de ser daltônico e isso é lindo.

New Super-Man parece bem promissor. Eu lembro que quando descobri que o Gene [Luen Yang] escreveria Superman, eu esperava exatamente essa ideia de verdade e imigração e ideias. Quero muito ler isso. Aliás, parece que finalmente a linha Super irá emplacar no mercado.

Sobre Mulher-Maravilha: GREG RUCKA!!!! <3 <3 Acho que Greg Rucka será o oposto do que Azzarello fez, pro bem e pro mal.

Igor Tavares:

O que mais me agradou no anúncio foi a redução no preço de todos os títulos da linha, independente de sua periodicidade. Isso é uma estratégia de vendas extremamente agressiva e espero que a DC lance a tendência no mercado. Os leitores agradecem.

Quanto aos times criativos em si, fico muito feliz com a oportunidade dada ao talentoso autor Joshua Williamson (de Birthright, da Image) no gibi do Flash e tenho boas expectativas em relação a este trabalho.

O fenômeno Tom King, que parece transformar em ouro tudo que tocou no ano passado, teve seu talento reconhecido e agora assume um gibi de peso na editora (Batman). Além disso, ver Greg Rucka retornando ao universo da Mulher-Maravilha é um presente para os fãs ainda mais acompanhado pela artista Nicola Scott que tem feito um trabalho lindo com o próprio Rucka em Black Magic, da Image.

Tenho muita curiosidade sobre o que Steve Orlando (um dos meus roteiristas favoritos atualmente) vai aprontar em Supergirl e também sobre a nova “New Super-Man” do premiado Gene Yang. Ah, e quase esqueci: Seja bem vindo a DC Comics, ao grande Christopher Priest.

Leandro Damasceno:

Como não sou versado na mitologia da DC, o que sigo da editora são equipes criativas que me agradam. Então, na ordem de interesse tenho:

  • Superwoman porque Phil Jimenez. Um gigante das artes e roteirista muito acima da média.
  • Mulher-Maravilha. Greg Rucka é um dos meus roteiristas prediletos, que está vivendo talvez o melhor momento de sua carreira profissional nos quadrinhos, com Black Magick, Lazarus, Stumptown e Lady Saber. Liam Sharp é um artista que já se reinventou algumas vezes e Nicola Scott é incrível.
  • James Tinyon IV faz um trabalho muito bacana em The Woods (da Image). Acho merecido ele assumir Detective Comics. Desenhos do brasileiro Eddie Barrows só melhoram a proposta.
  • Batman por causa do Tom King, apesar do David Finch
  • O outro título da família do Batman que eu não perco é Batgirl. Acompanho a Hope Larson há muitos anos, desde que ela fazia letras na Oni Press ao lado do ex-marido Bryan Lee O’Malley (Scott Pilgrim), e o Rafael Albuquerque é um puta artista.
  • Fecho a minha lista com Harley Quinn, do Jimmy Palmiotti, Amanda Conner e Chad Hardins. Os roteiristas já têm feito coisas muito legais e divertidas com a personagem e espero que continuem.

Continuo aguardando o que será do Universo Wildstorm. Um novo selo aos moldes do Vertigo? Mais personagens entrarão para a mitologia da DC “normal”, como o Meia-Noite? Jim Lee já disse que está trabalhando nos seus antigos conceitos. A DC está sentada sobre propriedades que continuam a ganhar fãs regularmente, graças à encadernados de materiais consagrados. Têm um potencial enorme a ser explorado ali e torço para que o Wildstorm deixe de ser apenas potencial em breve.

Marcelo Grisa:

JURGEEEEEENS! Eu quase chorei de emoção com a possibilidade do Dan Jurgens escrever Action Comics 1000 – considerando seus últimos trabalhos, ele deve se sair MUITO bem de volta a uma revista do Super.

Detective Comics está muito bom também. James Tynion IV merecia o posto, visto o incrível trabalho com Batman Eterno, que recentemente foi concluído no Brasil.

Esse Batman do Tom King é curioso. Seria a passagem para um Homem-Morcego com uma intensa rede de espionagem em Gotham e além?

Matheus ‘Kajima’:

Gostei muito do anúncio do Besouro Azul, vai ser bem interessante ver a dinâmica do Jaimito com o Ted Kord, mas o mais importante é que é o Keith Giffin escrevendo de novo.

Com certeza também lerei o Batman do Tom King, os últimos trabalhos do cara foram sensacionais e acho que ele vai casar perfeitamente com o Homem-Morcego. Fica a reflexão: Será que é a primeira vez que um detetive de verdade escreve o Batman?

Outra que atiçou a minha curiosidade foi Action Comics, mais para tentar entender como vai funcionar a dinâmica dessa equipe que eles montaram… E tem o Eddy Barrows, sô!

Ah, e claro, Trindade do Manapul! Isso vai ser lindo.

Morcelli:

Quero tudo. Quanto custa?

Pablo Sarmento:

A DC Comics apostou no certeiro anunciou títulos bem sólidos. A linha do Superman é uma das que têm times criativos mais atraentes, com Dan Jurgens, Peter Tomasi e Gene Luen Yang como escritores, todos muito competentes. Batman com Tom King é algo que estou tremendamente animado, quero ver esse personagem em conspirações e muita espionagem. Aliás, a Bat-família ganhou um grande espaço e a revista do Asa Noturna me animou muito.

Titãs com Abnett e Booth vai ser o título para os fãs que são apaixonados pelos Novos “Velhos” Titãs de Marv Wolfman e George Pérez. Parece também que a revista dos Jovens Titãs será o título para trazer a galera jovem que está acostumada com o desenho Teen Titans GO! Certamente fará histórias tão divertidas quanto Super-Sons parece ser.

Blue Beetle com Jaime e Ted bota pela primeira vez os dois besouros juntos trabalhando. Tem grande potencial, principalmente pela escrita do Keith Giffen, que entende os dois personagens muito bem.

Trindade com Manapul será a revista mais linda de toda DC Comics no quesito arte e Liga da Justiça com Bryan Hitch é continuação do grande arco que o artista britânico havia iniciado em Justice League of America. The Flash com Williamson será interessante, pois o escritor tem muitos trabalhos sólidos na editora Image. Resta saber se vai conseguir arrumar a casa do velocista escarlate, que está uma zona. O legal? Finalmente o Wally vai usar a roupa amarela de Kid-Flash.

Para finalizar, cade o Jonathan Hickman? Ele só fez aquele tuíte para destruir minhas esperanças depois? Hahahaha!

Pedro Kobielski:

A DC fez um anúncio conservador em Rebirth, onde apela para o passado em títulos conservadores. E não poderia ter feito coisa melhor! Dan Jurgens de volta a um título solo do Super é algo que entusiasma os fãs mais antigos e garante a esperança de que o azulão terá uma retomada na qualidade de seus títulos. Só pela capa da nova Action Comics, percebemos uma retomada à “normalidade” do universo do herói. Além disso, aguardo ansioso pela Mulher-Maravilha de Rucka, que deve manter a pegadabadass da amazona vista em Hiketeia – uma das melhores histórias da personagem em toda a sua existência septagenária. Pode vir que eu tô te querendo, Rebirth!

 

WP Twitter Auto Publish Powered By : XYZScripts.com