[#TZnaCCXP] CCXP 2015: Visões de Estandista

Texto do convidado Raphael Fernandes


A CCXP é sucesso de público, que merece ser melhor informado!

Nesta CCXP 2015, tive a oportunidade de divulgar o trabalho que fazemos na Editora Draco em um estande. Dividimos espaço com a Jambô Editora e tivemos uma ótima recepção do público. Foi muito bacana, apesar de bastante cansativo.
Cris Eiko, Paulo Crumbim, Raphael Fernandes, Ryot, Toppera TPR. Fonte: Arquivo Pessoal
Cris Eiko, Paulo Crumbim, Raphael Fernandes, Ryot, Toppera TPR. Fonte: Arquivo Pessoal
Curiosamente, o dia em que mais vendemos foi a sexta-feira, que era coroada por atrações como David Tennant, Sense8, Jessica Jones, Frank Miller etc. Minha explicação é de que esse público manja mais dos paranauês. O que me chocou mesmo foi o dia seguinte. No sábado, com o dobro de pessoas da sexta, foi um dos dias mais cansativos. Afinal, o público não parecia interessado em olhar os quadrinhos e livros nacionais. Em conversas com outros autores e editores, a percepção era a mesma.
Pensando um pouco nisso, comecei a perceber que aquele era o público que mais temos dificuldade em conquistar: o público geral. Por que esse público não tem interesse no material nacional? Simplesmente porque não o conhece. Foi aí que percebi como uma divulgação mais constante oxigenaria melhor as produções brasileiras. Imaginem como seria esse mesmo dia da feira se os grandes sites de cultura pop, como o que é parte da organização do evento, dedicassem um espaço diário ou mesmo semanal sobre produção de cultura pop brazuca (cinema, quadrinhos, literatura).
Longe de mim dizer que o evento não foi bom, mas ele cobra caro de quem está expondo e vendendo. Sem falar que somos mais de 10% das atrações que ocupam espaço na feira. Se houvesse uma valorização do nosso trabalho através da divulgação constante, nós seríamos uma atração ainda mais valiosa para o próprio CCXP. Todo mundo gosta de falar que ajuda o mercado nacional de quadrinhos, mas divulgar esse mercado deveria ser uma obrigação de quem se beneficia dele como um atrativo.
jedi ccxp 2015
O jovem Jedi, de quadrinhos nacionais consumidor ele será?
Não posso deixar de ressaltar e comemorar também algumas iniciativas que fazem toda diferença, como o trabalho da redação da revista Mundo dos Super-heróis e de sites como Terra Zero, Universo HQ, Impulso HQ e muitos outros, que fazem um cobertura ampla da cena. Muitos leitores chegam no estande falando que leram sobre tal obra em um desses lugares e isso foi o bastante para querer ler nossas histórias. Tá na hora de grandes canais de divulgação perceberem sua importância e nos ajudarem a construir o mercado. Temos produção, temos qualidade e temos profissionalismo, falta apenas romper a barreira final e o público saber da nossa existência.
A cada evento que fazemos, chegamos em mais pessoas e nosso trabalho começa a ser reconhecido, pouco a pouco. No entanto, queria muito poder contar com a força desses grandes canais de divulgação para transformarem nossa cena em um verdadeiro mercado de cultura, onde todos possam viver daquilo que amam fazer: contar histórias.
WP Twitter Auto Publish Powered By : XYZScripts.com