Yvonne Craig, a Batgirl e a ascensão das super-heroínas transmídia

Como já noticiamos, em boletim especial durante a madrugada de hoje (19), Yvonne Craig, atriz que interpretou a Batgirl na série de TV do Batman dos anos 60, faleceu em decorrência de uma metástase surgida a partir de um câncer de mama. Ela tinha 78 anos, sendo 58 de carreira. Mas a atriz e bailarina não foi somente a Batgirl, mas também a base para muitas heroínas da DC Comics depois dela – incluindo a própria Batgirl dos Novos 52.

Aquela Batgirl foi a primeira super-heroína a cruzar a barreira dos quadrinhos para os produtos transmidiáticos; ou quase. Isso porque a personagem foi sugerida pelo produtor William Dozier, e a atriz e bailarina havia trabalhado em um piloto de série de comédia que não deu certo, anos antes. Ela também já havia sido filha adotiva de Neil Hamilton, o Comissário Gordon do seriado, na série Perry Mason, de 1958, além de ter contracenado com Cesar Romero, o Coringa daquela época, no filme Seven Women From Hell, em 1961.

Detective_Comics_359

A intenção era recuperar a audiência da série, muito popular na primeira temporada, mas que vinha fraquejando no final da segunda, em 1967. A ideia foi então levada para o então editor-chefe da DC Comics, Julius Schwartz. O conceito original de Bat-Girl foi refeito para acomodar Barbara Gordon no uniforme (a primeira havia sido Betty Kane, em 1961, para servir de par romântico para o Batman) e a personagem estreou ainda em 1967 nos quadrinhos, em Detective Comics #359, de Gardner Fox (roteiro) e Carmine Infantino (arte), enquanto Yvonne tornou-se a face televisiva da filha do comissário meses depois, em 1968.

A personagem Batgirl ficou associada à atriz pelo restante de sua carreira e ela nunca fugiu deste rótulo. Isso a levou, por exemplo, a sempre ser considerada quando eram requeridas opiniões a respeito da personagem. Mesmo assim, ela não foi lembrada pela imprensa especializada na polêmica recente envolvendo a capa variante da revista Batgirl com o Coringa referenciando a graphic novel A Piada Mortal, de Alan Moore e Brian Bolland.

Página de A Piada Mortal, por Brian Bolland.
Página de A Piada Mortal, por Brian Bolland.

Apesar disso, Yvonne nunca gostou de A Piada Mortal. Apesar de não ter desconsiderado a história de todo, ela acreditava que a bala na espinha da personagem era um ato completamente desnecessário por parte da DC Comics. “Bem, a personagem é deles e eles podem fazer o que quiser com ela – desde que não façam o mesmo comigo!”, declarou ela, em tom de brincadeira, em uma entrevista publicada em seu site pessoal.

Sua atuação também passou a ser objeto modelo, provavelmente influenciando as heroínas DC que vieram depois: a Mulher-Maravilha de Linda Carter nos anos 70; a Supergirl do filme de 1984; e assim por diante. Ela, inclusive, atuou no papel em peças como a propaganda para o Departamento de Trabalho do governo estadunidense, de 1972, em prol do pagamento igualitário para homens e mulheres – um assunto ainda atual, apesar de as diferenças nesse sentido terem diminuído. No comercial, Batman e Robin estão amarrados, como ocorreu incontáveis vezes no seriado, e Barbara Gordon vem salvá-los, mas exige ser tão bem paga quanto os homens para tal. Confira:

(Peraí… Eles eram pagos? Deixem estar, pois super-heróis não são para serem realistas, de qualquer forma.)

Além da clássica Batgirl dos quadrinhos, muito parecida com Yvonne por conta de sua origem, enquanto personagem convoluta entre os quadrinhos e o seriado, há uma outra encarnação dessa personagem que vive hoje nas HQs: a própria Barbara Gordon, recriada por Cameron Stewart, Brendan Fletcher e Babs Tarr, dos Novos 52 e, agora, no DCYou.

Batgirl-39-harley-cbr
Batgirl #39, capa variante por Cliff Chiang.

Com um sentido um pouco mais leve, divertido, mas ao mesmo tempo preocupada com a própria segurança, a personagem de Yvonne Craig é ainda necessária hoje. A questão envolvendo a lembrança d’A Piada Mortal – aquela na qual a própria atriz não viu graça alguma – e a forma como o assunto foi tratado, de forma implacável por ambos os lados, reforçam essa necessidade.

WP Twitter Auto Publish Powered By : XYZScripts.com