DC Bombshells: Heroínas DC na segunda guerra

A DC Entertainment apresentou, em maio, o seu mais novo projeto para quadrinhos digitais: a linha DC Bombshells, que mostra um mundo alternativo no qual as heroínas vieram antes dos heróis e lutaram na Segunda Guerra Mundial. A reimaginação ousada da Era de Ouro dos super-heróis foi comentada pela roteirista Marguerite Bennet, em entrevista ao Newsarama na última sexta (24). Personagens como Arlequina, Batwoman, Mulher-Maravilha e Supergirl terão suas origens revisadas a partir de agosto, com o lançamento de DC Bombshells #1.

marguerite bennet - twitter
A autora Marguerite Bennett, em sua foto de perfil no Twitter.

A escritora estadunidense disse que nenhuma das heroínas é derivada de uma contraparte masculina, citando o exemplo da Batwoman: na nova linha temporal, a personagem impede o assassinato dos Wayne e evita o nascimento do próprio Batman.

Arte: Marguerite Sauvage
Arte: Marguerite Sauvage
Arte: Marguerite Sauvage
Arte: Marguerite Sauvage

Nesta história, neste universo , eu queria que as mulheres definissem o que o é heroísmo neste século. Eu queria conceber uma série onde as mulheres viessem primeiro. Sem heroínas derivadas de suas contrapartes masculinas.

De acordo com Bennet, cada personagem terá sua história contada a partir de um gênero diferente. Segunda a autora, no primeiro arco da série, intitulado “Enlisted” vamos ver as Bombshells começando a formar a sua equipe. Cada história funcionará como um capítulo individual de 10 páginas, cada um se concentrando em uma heroína diferente. E cada heroína vai ter, essencialmente, seu próprio gênero:

Batwoman é como uma história pulp, uma radionovela dos anos 1940. Supergirl é um filme de propaganda. Zatanna é essa coisa estilo horror estilo Hammer (famosa produtora de filmes de horror inglesa). Harley Quinn é essa farsa Charlie Chapliniana . Mulher Maravilha é uma história de guerra. Aquawoman é uma história de romance.

Queríamos ser capazes de dar um sentido ao período de tempo, não só na arte, não só no design, mas também nos meios de comunicação, nos filmes e na arte que foi predominante naquela época.

Arte: Marguerite Sauvage
Arte: Marguerite Sauvage

Bennet ainda falou sobre a escolha da desenhista do projeto, a sua xará Marguerite Sauvage, que construiu seu traço com pesadas influências retrô dos anos 1930 e 40. Bennet disse que o nome de Sauvage foi o primeiro a vir em sua cabeça.

Ela [Sauvage] faz com que cada personagem seja único, com um sentido de identidade e personalidade, apenas com base em seus projetos visuais, na sua linguagem corporal, em suas expressões. Ela é absolutamente fantástica.

DC Bombshells #1 será lançada em 12 de agosto na internet.

Comente

Clique para comentar

14 − doze =

WP Twitter Auto Publish Powered By : XYZScripts.com