David Walker fala sobre a nova revista do Cyborg

Estreia hoje, nos Estados Unidos, o novo título mensal do Cyborg. O escritor David Walker deu entrevistas a diversos sites especializados durante a última semana, esclarecendo seus planos para o personagem.

Segundo Walker, a revista será focada em como o mundo reage a Victor Stone, desde seus relacionamentos mais próximos até a visão das pessoas normais sobre o que ele, de fato, é. O elenco de apoio será composto prioritariamente por seu pai – Silas Stone – os cientistas Sarah Charles e T.O. Morrow, do Star Labs, e Sebastian, um amigo anterior à transformação em Cyborg. Cada um destes personagens realçará um lado do protagonista, desde o seu aspecto humano até o de maravilha tecnológica. Segundo Walker:

Uma das coisas que eu acho que faz uma boa história de super-herói é o modo como eles se relacionam com as pessoas normais nas suas vidas. Você vê isso em Batman, em como ele se relaciona com Alfred e o Comissário Gordon. Você vê em Superman. Vê em diversos títulos no espectro de publicações. É isto que eu acredito ser necessário para um personagem ter um título solo.

A mudança da tecnologia presente no corpo de Cyborg serve diversas funções na história, segundo o escritor. Uma delas é tirá-lo da sua zona de conforto, uma vez que ele já está em uma fase da vida em que se acostumou com a visão daqueles que não o consideram propriamente humano. Outra é aprofundar o aspecto de ficção científica do personagem. Segundo Walker, que diz ser aficionado por prostéticos e biomecatrônica, a tecnologia que vimos na criação do personagem há trinta anos atrás já está bastante próxima da realidade nos dias de hoje; e era necessário atualizar o conceito para algo que pareça mais inatingível nos dias de hoje. Além disso, as mudanças pelas quais Cyborg está passando servirão como fio condutor para o leitor durante os primeiros arcos.

A intenção é que os leitores conheçam Vic ao mesmo tempo em que ele aprende mais sobre si mesmo – experimentar esta fase evolucionária de sua vida enquanto ele passa por ela.

Cyborg renasce. Por Ivan Reis.
Cyborg renasce. Por Ivan Reis.

Quanto aos vilões, o roteirista disse que foi sugerido a ele que criasse seus próprios, já que todos os pedidos que fez por personagens existentes foram recusados, devido a estes estarem ocupados em outros títulos; mas afirma que a história, e os vilões em si, cresceram muito devido ao time artístico. Os designs de Ivan Reis em cima do roteiro de Walker os teriam levado a direções completamente diferentes das inicialmente imaginadas e acabaram adicionando alguns elementos de terror ao título.

O escritor respondeu a perguntas relacionadas à relação de Vic com personagens dos novos Titãs, dizendo que, embora elas não existam na continuidade atual, ele gostaria de restaurá-las – principalmente a amizade com o Mutano – e que já tem uma proposta para tanto, mas dependerá de outros fatores para saber se poderá, eventualmente, implementá-la ou não.

Por fim, quando questionado sobre o status do personagem como o mais importante super-herói negro da DC atualmente, respondeu que pretende explorar a questão, e que de certa forma seria negligente se não o fizesse.*

Cyborg estreia hoje nos Estados Unidos (preview abaixo) e um filme do personagem, estrelado por Ray Fisher, está agendado para 2020.

 


*Cyborg foi promovido a fundador da Liga da Justiça, à época do reboot de 2011, como parte da movimentação da DC em direção à maior diversificação étnica e cultural dos seus personagens; todavia, a caracterização do personagem foi alvo de diversas críticas por parte dos leitores mais em contato com estas questões. Questionado por alguns deles logo após o anúncio da revista, o roteirista prometeu não fugir dos aspectos mais problemáticos. Walker é negro e tem voz muito ativa em questões de cunho racial.

WP Twitter Auto Publish Powered By : XYZScripts.com