[HQView] Superman nº 104 da Panini Comics

Brainiac 5 chega do futuro para auxiliar a Legião dos Super-Heróis a tentar deter seu maligno ancestral. Mas pode ser muito tarde para evitar o terrível destino de Kandor. Enquanto isso, Superman e Mon-El continuam a batalha dentro da nave do tirano coluano e veem a derrota se aproximar, cada vez mais inevitável. Na Terra, Pássaro Flamejante e Asa Noturna – agora encarnando os deuses dos quais tiraram seus nomes – lutam o último round contra Rao.

Por JP Nakashima

Com quatro edições pra terminar a fase de Novo Krypton, a revista sofre uma ligeira melhora. Com pouco a dizer, vamos direto aos capítulos:

Ficha Técnica
Superman nº 104
Panini Comics
Julho de 2011
76 páginas
R$ 6,50

Superman: Last Stand of New Krypton #2
Título: Guerras e Garrafas
Roteiro: Sterling Gates e James Robinson
Arte: Pete Woods e Travis Moore
Cores: Blond
Capa: George Pérez e Hi-Fi Design

Enquanto Superman e Mon-El continuam a batalha dentro da nave de Brainiac, o descendente do vilão chega para completar o grupo de legionários no presente e oferecer auxílio. Porém, com o decorrer da batalha, Brainiac realiza uma ação dramática contra Novo Krypton.

Primeiro, queria comentar que em certos momentos chega a ser engraçado o número de frases de efeito que o Superman soltou desde o começo desse arco pelas mãos de James Robinson. Após mencionarmos mais uma vez o exagero que se tornou habitual do roteirista, podemos ir pra história em si.

Se o começo do capítulo continua mantendo o ritmo morno anterior, o final ganha corpo e proporciona um grande gancho pro prosseguimento do arco. Desde o momento em que Kandor foi resgatada eu me perguntava se esse momento chegaria e ele acabou chegando em boa hora. A sequência é bem conduzida e a splash page do herói caindo ao ser atingido é, até agora, um dos pontos altos da saga (parabéns ao Pete Woods, que aqui fez um grande trabalho).

Além disso, curioso o fato dos roteiristas estarem se importando com a questão do campo de força da nave. A cada vez que um dos personagens a invade eles precisam encontrar uma nova maneira de invadi-la. É um detalhe sutil, mas que deixa a história mais plausível e que exige saídas diversas por parte de Robinson e Gates (apesar de nesse capítulo, tal saída ter sido ‘’habilmente ocultada’’). Ponto para os dois.

No campo da arte, Pete se sai melhor que Travis Moore. E vale comentar sobre a capa: sempre excelente ver George Pérez, que mostra que ainda é um mestre na arte de colocar inúmeros personagens em uma cena verdadeiramente dinâmica. Diria até que os anos estão fazendo cada vez mais bem para o veterano.

Um capítulo que apresenta uma melhora e, enfim, uma promessa de decolagem pra Última Batalha de Novo Krypton.

Nota 8,5/10

Adventure Comics #10
Título: Dividido, Conquistável
Roteiro: Sterling Gates e James Robinson
Arte: Travis Moore e Eduardo Pansica
Cores: Pete Pantazis
Capa: Joe Quinones

Após os acontecimentos tensos do capítulo anterior, Superman está disposto a voltar pra dentro da nave do inimigo e dar o troco, Mon-El foi capturado, Superboy passa por problemas envolvendo Luthor e o general Zod prepara o seu contra ataque a Brainiac.

Continuação direta das páginas anteriores, o arco continua se movimentando e posicionando os personagens pra sua reta final. De fato, a história enfim parece ter embalado.

Ainda que com um grande ritmo e arrumando todos os personagens, novamente é nas últimas páginas que estão os melhores momentos. Desde que foi trazido da Zona Fantasma, o general Zod vem sendo muito bem construído. Aqui ele mostra ao Superboy o porquê de ser um militar tão respeitado na história do planeta Krypton e a diferença de nível entre os dois. Além de tudo, o general é responsável pelo gancho que leva diretamente pra reta final do arco.

No time de arte, a equipe continua competente e ajuda a segurar muito bem o ritmo dos acontecimentos.

Com a próxima edição trazendo o desfecho da Última Batalha de Novo Krypton, a expectativa é que as histórias só melhorem para garantir ao menos um final digno para essa longa fase.

Nota 8/10

Action Comics #889
Título: A Verdade sobre o Poder (conclusão)
Roteiro: Greg Rucka e Eric Trautmann
Arte: Pere Pérez e Bit
Cores: Javier Mena
Capa: Alex Garner

Na conclusão das aventuras de Asa Noturna e Pássaro Flamejante, Chris Kent voltou da Zona Fantasma agora personificando a entidade Asa Noturna e, junto de sua amada (e com uma pequena ajuda ainda da Sociedade da Justiça) parte para o confronto final contra Vohc e seu falso Rao.

De fato, o surgimento de Asa Noturna proporcionou uma ligeira melhora na conclusão. Porém, nada que de fato deixe uma grande impressão no leitor: o final continua relativamente morno como o resto do arco.

É inevitável ver todas as semelhanças com o arco de Gog, na Sociedade da Justiça. Nessa edição o gigante Rao começa a formar raízes com o planeta, fato que também tinha acontecido no outro arco. É o tipo de coincidência que incomoda um pouco.

O confronto final entre os dois heróis e o Destruidor poderia ter sido melhor construído. A luta tem diversos clichês, principalmente nos diálogos. As saídas são fáceis. Apesar de tudo, a motivação do vilão, expressa em seus últimos momentos, é eficiente e funciona muito bem com a história.

Pere Pérez é realmente um grande achado. Dinâmico e simples sem ser simplista, é um grande narrador visual. Fico esperando pelos próximos trabalhos do artista.

A conclusão dessa fase de Action Comics é nada mais que morna no fim, apesar de melhor do que o resto do arco. Saio decepcionado com Greg Rucka, esperando melhores obras de um grande escritor.

Nota 6/10

WP Twitter Auto Publish Powered By : XYZScripts.com