Retrospectiva Final: A Noite Mais Densa – Mês 1

[Retrospectiva Final A Noite Mais Densa – Prelúdio Completo]

  • A Noite Mais Densa para os Novos Titãs (Titans #15)
  • O Mão Negra vira Lanterna Negro
  • A Noite Mais Densa nº 0
  • A Noite Mais Densa nº 1
  • Contos da Tropa (Mongul)

A NOITE MAIS DENSA PARA OS NOVOS TITÃS

Esta edição de Titãs funciona também como um prelúdio para o evento, e nos mostra a volta de um personagem há muito desaparecido: Tempest. Considerado por muitos fãs da DC como um verdadeiro bucha (inclusive para os fãs do Aquaman), Garth passou os últimos anos sofrendo com os desafios da vida, tendo desaparecido por completo junto de sua esposa Delfim e seu filho Cerdian após os eventos de Crise Infinita.

Mais tarde, na série Sword of Atlantis (série criada e escrita quase toda por Kurt Busiek), mais exatamente no número #50, ele reaparece sem poderes e lutando contra o Arraia-Negra, se sentido bem mal mais tarde. Então ele pega uma nave espacial que a feiticeira Leah lhe oferece e sai em busca de sua esposa e seu filho. Curiosamente, ele é visto em Crise Final junto da resistência dos heróis contra Darkseid.

Enfim, não temos certeza de onde sua jornada o levou, mas ele está aqui nesta edição e de volta ao oceano, ajudando na reconstrução de Atlântida. Infelizmente, ele acredita que sua esposa e filhos se foram quando a grande cidade submarina foi destruída pelo Espectro, e que seus corpos estão enterrados nos mais profundos entulhos do que foi destruídos. Mais tarde ele se reencontra com seu tio mago, Slizzath (criação de Phil Jimenez), que lhe confirma o destino se esposa e filho.

Mais tarde, após uma conversa com seu grande amigo Dick Grayson na Batcaverna, Tempest retorna à Atlântida e toma o trono de seu falecido rei, Aquaman.

O MÃO NEGRA VIRA LANTERNA NEGRO

green-lantern-43-capa-oficiUma das coisas que eu, como leitor de quadrinhos e fã da DC Comics, tenho que admitir é uma certa birra que acabei adquirindo do escritor Geoff Johns, não só por admirar muito mais as obras de europeus como o próprio Grant Morrison, além de Warren Ellis, o mestre Neil Gaiman e tantos outros, mas também porque o que permeia coisas simples demais, utilizando a porradaria como principal mote para tudo, nunca me atraiu por muito tempo. Green Lantern #43, prelúdio oficial d’A Noite mais Densa não é assim, e mostrou que Johns ainda tem muito a provar neste mercado.

As páginas, ilustradas pelo talentosíssimo Doug Mahnke – que consegue misturar muito do visual setentista com a dinâmica moderna – mostram um pouco do passado, da vida e do que pode ser o futuro do vilão William Hand, vulgo Mão Negra. O autor aqui brinca um pouco com os elementos que ele mesmo inseriu na mitologia dos Lanternas de 2004 pra cá, como Atrocitus e nova origem de Hal Jordan, além de seu passado com Sinestro como os maiores Lanternas Verdes do universo (o que é uma mentira já que Hal Jordan não passa de um babacão, mas vá lá).

O que não agradou e provavelmente não agradará muita gente também é a velha história das faltas de cuidados dos pais que transformaram um pobre garoto num vilão malvado e cruel, o que acontece com William, o filho do meio do casal Hand, cujo negócio familiar consiste em ser uma das maiores funerárias americanas – quão conveniente, mas isso até que ficou bacana, pricipalmente quando William, ainda garotinho, vê seu pai próximo a um corpo que passará por autópsia, e acha aquilo o máximo. Aliás, está aí algo no personagem que ficou ótimo: a proximidade dele com o popular Dexter (aquele mesmo da série de TV) no quesito frieza e morbidez deu bastante profundidade a ele, explicando uma relação com a morte que parte desde pequeno.

Mas o que realmente importa aqui são os 3 pontos explicados abaixo:

  • William Hand, ao aceitar a morte como sua mentora (no melhor estilo “foram as vozes na minha cabeça”), mata toda sua família e a si mesmo, para se tornar um Lanterna negro
  • O plano superior dos Lanterna Negros não é apenas recrutar os mortos, mas também devolver à morte aqueles que voltaram (tais como o Superman, Arqueiro Verde e tantos outros)
  • Se restava alguma dúvida de que Scar é responsável por tudo que envolve a profecia dos Lanternas Negros, agora ela se acabou: o guardião literalmente vomita o anel do Mão Negra quando ele se mata, tornando-o líder da vindoura tropa que promete, literalmente, assombrar o Universo DC inteiro.

green-lantern-43-mao-negra green-lantern-43-mortos

O saldo da edição é muito positivo. Leitura boa, com conteúdo e que prepara o terreno do evento a seguir sem meias palavras.

A NOITE MAIS DENSA Nº 0

A Noite Mais Densa começou no Brasil com uma edição especial ao preço de R$ 1,99. Nos Estados Unidos esta edição foi distribuída gratuitamente nas comic-shops do país todo no evento anual Free Comic Book Day que apresenta novas séries e/ou eventos de todas as editoras do mercado americano.

Uma coisa que notamos logo de cara é que a edição não tem realmente uma história. Ela é apenas uma pequena partícula da trama que Geoff Johns e o brasileiro Ivan Reis comandaram nestes últimos meses. São apenas diálogos entre o lanterna verde Hal Jordan e o flash Barry Allen sobre acontecimentos tristes do UDC, em especial a “morte” de Bruce Wayne e comentários sobre outros heróis que Barry ainda não teve chance de conhecer.

O destaque vai mesmo para o aparecimento do Mão Negra já como lanterna negro, descavando o corpo de Bruce Wayne e declarando o juramento dos zumbis pela primeira vez com o crânio do falecido herói nas mãos.

Foi um início morno para um evento que promete tanto.

A NOITE MAIS DENSA Nº 1

Chegou a hora de falarmos do começo do evento A Noite Mais Densa e dos pontos positivos e negativos que esta primeira edição trouxe. Apesar de muita gente ter adorado a revista, a impressão que dá é que ela se quebra em dois momentos mais relevantes: a ascensão completa dos Lanternas Negros e as mortes no final da revista. Todo o restante ficou com cara de enrolação, no estilo “flashback dos capítulos anteriores” – o que já era de se esperar, já que o evento terá oito edições, e é feito não só para quem acompanha os Lanternas Verdes desde que o escritor Geoff Johns assumiu tudo em 2004, mas também para quem está chegando agora, com o bonde andando. O que se vê até a metade desta edição são as relações de Hal Jordan/Barry Allen, algumas lembranças de mortes que ocorreram nos últimos tempos, dentre outros momentos que não foram muito cabíveis para o que realmente interessa.

Entretanto, independente disso, o restante da edição e que dá o tom de como as coisas serão daqui em diante. Para quem acompanha o Multiverso DC há algum tempo, deve-se lembrar de uma matéria especulativa que fizemos semanas atrás, levantando que o Gavião Negro poderia ser morto no evento. Pois é, a coisa aconteceu mesmo! Ralph Dibny e Sue Dibny, dois dos Lanternas Negros mais importantes da história, mataram o casal Gavião, alimentando-se de seus corações para recarregarem o anel. E mais: eles devem se tornar parte dos zumbis logo na próxima edição, já que foram convocados pelo Mão Negra em pessoa.

Quem também dá as caras aqui é o Caçador de Marte, reconvocando Barry Allen e Hal Jordan de volta ao mundo dos mortos, confirmando a história que os Lanternas Negros devem não apenas matarem alguns personagens, mas também tentar “matar de novo” os que ressucitaram nos últimos anos.

Assim se encerra a primeira edição de um dos eventos mais aguardados dos últimos tempos pelos fãs de quadrinhos. Alguns acharam medianas (como este redator aqui), outros acreditam que foi brilhante (como muitos leitores americanos e o pessoal da UeC) e bastante gente lá fora também não gostou da idéia, como foi possível ver em vários fóruns gringos. De qualquer forma, apesar de não ser unânime, a revista tem tudo pra vender horrores – o que se espera é que as próximas edições mudem a dinâmica da coisa, mostrando mais momentos da relação dos personagens atuais e seus zumbis, ao contrário do excesso de flashbacks e relações com diálogos desnecessários.

CONTOS DA TROPA – MONGUL

Mongul 2 acreditava que seu pai, Mongul 1 (pode rir) era uma herói, e a LJA e todos os outros heróis eram, na verdade, seus vilões. Ele mata alguns alienígenas coitados e indefesos e ele faz com que seus esqueletos o venerem. Nada demais.

WP Twitter Auto Publish Powered By : XYZScripts.com