Universo Tangente – Conheçam o Sexteto Secreto!

ÍNDICE DO ESPECIAL

Hoje em dia o Sexteto Secreto é um grupo bem estabelecido dentro do Universo DC. Formado desde o pré Crise Infinita por alguns vilões conhecidos – e outros nem tanto – da editora DC Comics ele vem alimentando um revista mensal escrita por Gail Simone há mais de dois anos com um publico bastante fiel. No passado, entretanto, a ideia não era bem essa. O nome “Sexteto Secreto” já existe desde a Era de Prata, tendo sido criado em 1968 para o grupo de personagens August Durant, Lili de Neuve, Carlo di Rienzi, Tiger Force, Crimson Dawn e King Savage. O título teve apenas 7 edições, e foi cancelado logo em seguida. A idéia foi utilizada novamente dois anos após a Crise nas Infinitas Terras, em 1988, com o escritor Martin Pasko na revista Action Comics Weekly. Novamente, as histórias tiveram uma vida curta e a idéia foi abandonada até 2005, com a volta do grupo por Simone.

No intervalo de 1988 até 2005 houve a concepção, criação e execução do Universo Tangente como bem sabemos e foi aí que o idealizador Dan Jurgens, sempre ao lado do editor Eddie Berganza, acreditou que seria uma boa ideia trazer uma versão diferenciada do grupo para este universo. Para este trabalho foi escalado o escritor Chuck Dixon.

A história se inicia com um atentado aos Demônios Maritmos, que toma proporções nacionais atraindo a atenção de toda a imprensa e também de alguns heróis. O acaso acaba unindo nossos heróis e vemos aqui o encontro de Eléktron, Flash, Homem-Borracha (feito de “plástico vivo”) e Espectro. Em outro país, mais exatamente na Guatemala, a Justiceira interroga o diretor de um laboratório de experimentos proibidos, o Svitavy Science War Labs, que revela ser um empregado do Dr. Aquadus. Ela tortura o homem até obter a localização de Aquadus e assassina o diretor em seguida, partindo para o Cabo São Lucas, onde os heróis também estão.

A Coringa, com todo seu senso de justiça um pouco distorcido, não acha justo deixar tudo aquilo passar impune, ainda mais com as tristes lembranças de seu passado – lembrando, ela teve sua família morta na Crise dos Mísseis anos atrás. Após prender o vilão Charada – que aqui não passa de um ladrão desastrado – ela parte para ajudar as vítimas e descobrir os responsáveis. Ela se encontra com a Justiceira lá, que dá apoio para entrar na base do Dr. Aquadus. O Homem-Borracha e o Espectro também estão lá enfrentando a guarda pessoal de Aquadus, formada pelas grandes aberrações dos mísseis de Cuba.

Eléktron e Flash são aprisionados pelo monstro, um ser vivo formado de água, que descobre-se ser o líder dos laboratórios Svitavy, responsável pelo projeto Tornado Vermelho. Seu último experimento falhou e derrubou toda a central da estrutura, transformando-o num ser aquático. Adotanto o nome de Aquaman, ele é derrotado pelo trabalho de todos em equipe, sendo espalhado no meio do mar e perdendo sua capacidade de se manter um ser único, transformando-se em vapor e virando uma tempestade sobre a cidade.

Após o término da excitante batalha, os 6 heróis sobrevivem e concordam que o trabalho em equipe, mesmo não planejado, funcionou perfeitamente contra uma ameaça muito maior que cada um deles sozinho. Porém, eles escolhem uma união secreta, sem o conhecimento público, que será feito apenas quando for estritamente necessário. E assim nasce o Sexteto Secreto!

Criação
Primeiramente, a idéia por trás do Sexteto Secreto era que ele fosse um grupo anônimo para um mundo paranóico e com cada vez mais medo de seus superseres. Sua formação seria Eléktron, Flash, Coringa e um Demônio Maritmo, que enfrentariam a corporação Asa Noturna. Alguns outros nomes vieram à tona nos primeiros rascunhos, como Canário Negro e Homem-Animal – que, aliás, seriam ótimas escolahs também.

Chuck Dixon, escolhido para dar vida à esse grupo, achou que essa era a chance de fazer uma história realmente dferenciada. Ele deu vida ao Homem-Borracha e à Justiceira neste conto, sendo ambos releituras muito criativas e diferenciadas de seus originais: o primeiro é um ser construído com o propósito de descobrir atentados ao meio-ambiente, e a segunda uma misteriosa assassina que faz justiça com violência.

Tendo 2 personagens novos em mãos e três dos já apresentados anteriormente – Eléktron, Flash e Coringa – Chuck precisava preencher mais uma vaga, e achou que era o momento certo para recriar o Espectro. O novo Espectro está bem longe da Ira de Deus. Ele é apenas um garoto de bom coração mas ainda perdido num mundo de muitas mudanças e valores. O garoto é um tipo de geek que conhece muito sobre física e ciência e utiliza seu conhecimento para se tornar um herói.

Claramente, o Sexteto Secreto Tangente é extremamente superior à suas versões anteriores, sendo formado por personagens do 1º escalão e apresentando uma aventura simples, divertida e eficiente. Mesmo que os eventos que levam o grupo a se reunir possam ser resolvidos de forma boba, tudo é muito despretensioso, e aí reside a qualidade do conto.

Como a grande maioria dos grupos de super-heróis da DC Comics o Sexteto Secreto também surgiu nos anos 1960, mais exatamente em 1968, criação de Frank Springer e E. Nelson Bridwell. O grupo era de agentes secretos do Harpia, um contato cuja identidade jamais foi revelada. Depois da Crise nas Infinitas Terras o grupo passou por uma mudança leve nas mãos de Martin Pasko e Dan Dpiegle mas só foi se solidificar mesmo 20 anos depois com Gail Simone e Dale Eaglesham que vieram com a ideia de “vilões de aluguel”.

WP Twitter Auto Publish Powered By : XYZScripts.com