Planetary/Authority: Dominando o Mundo [Estante Empoeirada]


Escrito por Ricardo Lopes

O que acontece quando os Arqueólogos do Impossível devem lidar com os super-heróis que se autointitulam uma Autoridade Superior? Neste especial que reúne duas das maiores obras publicadas pela Wildstorm, nos roteiros de seu criador Warren Ellis, vemos as equipes contra uma ameaça na qual somente a interferência de ambos poderia impedir o fim do mundo, ainda que eles não agissem em conjunto.

Último dos encontros de Planetary com grandes grupos, dessa vez o Planetary terá o seu maior desafio ao se deparar com o poder do Authority. O mundo está sofrendo com uma enorme ameaça alienígena e ninguém sabe qual a sua origem. Caberá ao Planetary descobrir isso e ao Authority deter os invasores e salvar a Terra. Isso se um não atrapalhar o outro. E veja ainda como Jenny Sparks e Elijah Snow se conheceram.
Editora: Pixel Media
Ano: 2008
Número de páginas: 52
Acabamento: Brochura

Roteiro: Warren Ellis
Desenhos: Phil Jimenez
Arte-final: Andy Lanning
Cores: Laura Depuy

Planetary/Authority: Dominando o Mundo foi lançado nos Estados Unidos em junho de 2000, entre as edições #10 e #11 de Planetary e é também onde se situa na cronologia da série. Em relação ao Authority, cronologicamente o especial se encontra entre as edições #8 e #9, pois acontece antes da morte de Jenny Sparks e faz referências ao fim do arco anterior: “Naves Dimensionais”.

A história começa com o Authority lidando com uma ameaça criada por uma confusão com a equipe de campo do Planetary, dos conhecidos e carismáticos Elijah Snow, Jakita Wagner e o Baterista. O Baterista sem querer tocou em um dos misteriosos “ovos” mencionados por Eljiah Snow, trazendo criaturas extraterrestres para a cidade de Judgement. Estes ovos foram encontrados por Snow na década de 1930 por intermédio de um escritor que achou um portal para a sangria. Quando este portal se fechou, os “ovos” foram deixados para o escritor. Importante notar que este escritor era uma referência a nada mais nada menos que H.P. Lovecraft, criador do famoso conto “Call of Chtullu”, em mais uma das referências multiculturais que o escritor da série Warren Ellis gosta de usar para construir o universo de Planetary. A criatura gigante saída do “ovo” era também uma referência a este conto.

Após a ameaça ter sido eliminada pelo Authority, o Planetary decide invadir a Balsa do grupo em busca de informações. Nesta parte, é interessante ver que o Baterista mostra sua teoria sobre os bebês do século, que viria a ser retomada com mais informações muito tempo depois, apenas na edição 19 de Planetary. Enquanto isso, o Authority investigava este acidente recente na cidade de Judgement e acha pistas que ligam o caso às montanhas Adirondacks – vistas na primeira edição de Planetary com o caso de Axel Brass e o computador-cérebro-quântico – e à imagem de Elijah Snow, que era familiar à Jenny. Nas Adirondacks, um homem, que é filho do embalsamador do escritor mencionado no início da história, mata a equipe de cientistas do Planetary no local e planeja usar o computador como um portal para o multiverso.

O Planetary então invade a balsa, e, quando o Baterista começa a retirar as informações desejadas, eles recebem uma ligação falando do acidente nas Adirondacks, ao passo que o Authority também percebe alterações nas montanhas e os dois grupos se dirigem ao local, porém em pontos diferentes.

Nesta sequência final o Authority se encarrega dos robôs saídos de um mundo parelelo através do floco de neve enquanto o Planetary procura saber quem os enviou e como resolver o caso. O Planetary e a Engenheira acabam descobrindo que os robôs são Dominadores de Mundos enviados por um Authority de outra realidade. Então, Jakita impede o Authority de atravessar o floco de neve e o Doutor dá cabo dos robôs.

Esta história serve como um conto paralelo do Planetary fora de sua revista, deixando a impressão de ser uma sequência direta da edição #1. O Authority aparece totalmente secundário na história, ainda que a sua participação seja crucial para o fechamento da trama. Se nós a enxergarmos como uma edição de Planetary o resultado é excelente, se vermos como um crossover não é tão interessante. As duas equipes não interagem, o único momento que isso acontece é através de um flashback que serve mais como um easter egg para os fãs das duas equipes.

A qualidade de uma edição de Planetary está aqui, com as referências multiculturais muito bem usadas por Warren Ellis, e o carisma dos personagens das duas equipes. A arte é competente, ilustrando muito bem as cenas de ação, com alguns momentos que chegam a impressionar, como a tomada aérea da cidade com o monstro gigante.

Nota: 8,5

Para fãs de Planetary e das duas equipes, é obrigatório. Para fãs do Authority, nem tanto, mas pode ser divertido ver a equipe liderada por Jenny Sparks em mais uma história. A Pixel colocou nas primeiras páginas um texto introdutório e no final uma nota sobre os três especiais do Planetary, o que ajuda quem pegou o barco andando e quem também gostaria de saber um pouco mais. Uma coisa que não me agradou são as dimensões da revista, saindo um pouco do comum formato americano, mas nada que atrapalhe muito.

Pra comprar:

WP Twitter Auto Publish Powered By : XYZScripts.com